Kiko Loureiro: para desespero dos puristas do Metal

Resenha - Fullblast - Kiko Loureiro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Giorgio Moraes
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Estive trocando ideias com uma amiga sobre este novo trabalho do Kiko Loureiro e chegamos a uma conclusão que cremos ser verdadeira: esse cara não precisa mais provar nada pra ninguém. A maior prova disso (por mais paradoxal que soe) é "Fullblast", 3º trabalho solo de uma carreira marcada pela produção ininterrupta - que começa com a demo "Reaching Horizons" (1992) e passa, obviamente, pelo todo-poderoso Angra: quase 2 décadas de dedicação à música.
1826 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosRammstein: "Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann

Desde os primeiros acordes de "Headstrong", o belo tema de abertura, já se sente que Loureiro está livre de qualquer amarra. Imprimindo força no começo, Kiko desmancha sua guitarra em solos e bases que vão buscar forças em ritmos caribenhos - o que me lembrou as viagens sonoras de Carlos Santana. "Desperado" vem na sequência, e já abre espaço para que o bom e velho Samba se misture ao igualmente bom e velho Rock n' Roll. "Cutting Edge", com sua base que tem alguma coisa de anos 80, também brilha forte dentro de "Fullblast"; "Excuse Me" traz Loureiro digitando suave, mostrando que sensibilidade também faz parte da receita, enquanto que "Se Entrega, Corisco!" propõe a união do Rock com o Baião - para desespero dos puristas. Desse contexto, Kiko se entrega a climas mais místicos em "A Clairvoyance", 6ª faixa do CD, para então trazer bases densas em "Corrosive Voices". Para encerrar, o clima clássico pede passagem em "As It Is, Infinite". Tudo isso regado a uma guitarra enxuta, que não busca se exibir - antes deseja contribuir para que "Fullblast" permaneça soando aos ouvidos mesmo depois de termos apertado a tecla Stop de nossos aparelhos.

Gravado e mixado no Brasil, "Fullblast" seguiu para solo germânico para masterização - que ficou a cargo de Jurgen Lusky (que ja trabalhou com o Angra). O belo encarte é obra do Sr Gustavo Sazes.

O Ministério da Saúde Musical adverte: ouça todo dia.

Para conhecer mais:
http://www.myspace.com/kikoloureiro

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Fullblast - Kiko Loureiro

2622 acessosKiko Loureiro: no solo a real versatilidade nas seis cordas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1826 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons927 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1892 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2649 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
"Raining Blood" do Slayer na tour do Temple Of Shadows

Bruno SutterBruno Sutter
Dizendo que Fabio Lione tomaria um "pau de vocal"

Rock NacionalRock Nacional
Os 15 melhores riffs de guitarra

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiko Loureiro"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

Em canaEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

HumorHumor
Não basta um machado na mão para ser Black Metal

5000 acessosGuitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidos5000 acessosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões5000 acessosAxl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anos5000 acessosPreconceito: dificuldades de ser roqueiro em cidade do interior5000 acessosGuns N' Roses: as músicas do "Appetite For Destruction", da pior para a melhor5000 acessosSlipknot: "Coldplay faz música para limpar a bunda"

Sobre Giorgio Moraes

Giorgio Moraes, 33 anos, é formado em Letras. Natural do Rio de Janeiro, ele reside a 20 anos em São Luis do Maranhão. Tem em seu currículo shows como Raimundos, Detonautas, Skank, e a histórica apresentação dos Stones em Copacabana, no ano de 2006. Escritor, atualmente divulga seu 1º Ebook de poesia.

Mais informações sobre Giorgio Moraes

Mais matérias de Giorgio Moraes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online