Thin Lizzy: o possível último grande registro da banda

Resenha - Chinatown - Thin Lizzy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Mendes
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os excessos dos anos 70 custaram caro ao Thin Lizzy. A sucessão de drogas, longas turnês e trocas de integrantes deixou em frangalhos o grupo irlandês. Gary Moore deixara a banda antes mesmo do fim da turnê de "Black Rose", farto dos cada vez mais constantes exageros de Phil Lynott e Scott Gorham. Essa turnê já não tinha sido das mais calmas para o Lizzy. Durante a parte australiana, Mark Nauseef foi quem assumiu as baquetas, substituindo um Brian Downey ferido numa briga de bar. Por conta disso, o Thin Lizzy necessitava urgentemente de uma formação estável, que pudesse ao menos terminar a turnê de "Black Rose", que incluiu uma antológica dobradinha com o Queen, e, com sorte, começar as gravações do novo disco, "Chinatown".
5000 acessosQuais são os rockstars mais chatos do mundo?5000 acessosSlash: guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos

O primeiro a tentar a proeza de ser um companheiro pernamente para Scott Gorham, como guitarrista do Thin Lizzy, foi ninguém menos que Midge Ure, ex-Rich Kids, amigo pessoal de Lynott e que alguns anos mais tarde lideraria uma das melhores bandas dos anos 80, o Ultravox. Como multi-instrumentista que é, e dos melhores, Ure ficou também responsável pelos teclados, uma função praticamente inédita no Lizzy até então. Porém, a qualidade dos shows caíra vertiginosamente, devido a colossal diferença de estilos entre Ure e seus antecessores, estes, muito mais voltados para o Heavy Rock. Lynott, então, recrutaria o esquecido Dave Flett, ex-Manfred Mann's Earth Band, para a outra guitarra, "recuando" Ure de vez para os teclados. Vale lembrar que, em algumas músicas, como "Whiskey In The Jar", o Thin Lizzy usava três guitarras, essa sim, uma novidade e tanto.

Flett, no entanto, desligou-se da banda após o fim da turnê de "Black Rose", deixando em Lynott a questão: onde arranjar um guitarrista bom o bastante para tocar no Thin Lizzy? Moore não queria ver seus ex-companheiros nem se eles estivessem pintados de ouro, e Brian Robertson estava completamente envolvido com o Wild Horses. Eric Bell, o primeiro guitarrista da banda, quase voltou. Mas preferiu seguir em frente com sua bela carreira solo e com participações em discos de gente como o grande Van Morrison. A sorte é que Scott Gorham lembrava-se de ter assistido a um show do Pink Floyd, na turnê do disco "Animals", e de ter ficado bastante impressionado com o estilo à Peter Green do guitarrista de apoio. Após um rápido encontro no camarim do grupo inglês, o convite foi logo feito. E aceito. O Thin Lizzy finalmente tinha um guitarrista fixo, e ele era Snowy White, respeitadíssimo guitarrista de Blues e session man de grupos como o próprio Pink Floyd, e artistas do calibre do próprio Peter Green, Richard Wright, entre outros.

Não se trata, definitivamente, de um disco aclamado pelos fãs. "Chinatown" vendeu bem pouco, é verdade. E White ficou pouco mais de dois anos na banda, em parte devido as diferenças de estilo (ao vivo, o som de sua guitarra carecia de peso, principalmente quando tocava músicas de formações anteriores) e ao abuso de drogas cada vez mais recorrente entre os integrantes, principalmente, para variar, Lynott e Gorham. Além disso, a banda já não mantinha o mesmo interesse em continuar tocando, o que contribuiu para seu fim mais que prematuro, em 1983, já com o prodígio John Sykes no lugar de White. E mais: Lynott, fugindo da paranoia que o Lizzy se tornara, investiu numa injustiçada carreira solo, lançando dois discos que são verdadeiras aulas de Pop: "Solo In Soho" e "The Philip Lynott Album". Mesmo assim, contra todas as circunstâncias e expectativas, "Chinatown" é um belo disco, em minha opinião, o último grande registro do Thin Lizzy. Músicas como "Sugar Blues", a faixa-título(melhor música do disco e uma das melhores da história da banda) e a pesadíssima "Hey You" mostraram que o maior grupo de Rock que a Irlanda produziu(desculpem, fãs de U2) ainda tinha muita garrafa para vender. E que mesmo o cansaço não os impediu de fazer grandes sons.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Thin Lizzy"

CapasCapas
As mais ridículas feitas por artistas dos quadrinhos

Iron MaidenIron Maiden
Versões mais pesadas para clássicos do Rock

Pra discutirPra discutir
Os 100 melhores discos de hard rock de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Thin Lizzy"

HumorHumor
Quais são os rockstars mais chatos do mundo?

SlashSlash
Guitarrista enumera seus 10 riffs favoritos

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

5000 acessosSolos: Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal5000 acessosGuitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz5000 acessosIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo Brasil5000 acessosIron Maiden: "Eddie precisa de um quiroprático"5000 acessosThe Voice Brasil: candidato arrebenta com Queen e vai pra final5000 acessosHistória do Rock

Sobre Pedro Mendes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online