Impaled Nazarene: bom, mas não ao nível dos clássicos

Resenha - Manifest - Impaled Nazarene

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Nazistas, satanistas, sexistas (dos mais pervertidos!), ou seja lá como desejem taxá-los... O fato é que os controversos finlandeses do Impaled Nazarene estão há quase duas décadas somente fazendo crescer sua já respeitável discografia, praticamente uma unanimidade entre público e crítica em termos de coerência e qualidade sonora.

Avenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéia

Lauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden

Contando agora como o novo guitarrista Tomi UG Ullgren, "Manifest" é seu décimo álbum de estúdio, e, ora vejam! Quem diria que o tradicionalmente extremado e tão influente Impaled Nazarene iria dar uma boa reduzida no andamento de algumas de suas novas composições? Pois é isso o que ocorreu por aqui, uma provável profanação para muitos dos radicais fãs do grupo.

Neste sentido, "Funeral For Despicable Pigs" é um bom exemplo de algo que não deu lá muito certo pelo marasmo generalizado que a canção emite... Mas, se não deu certo uma vez, o negócio é tentar de novo, correto? Pois bem, lá no fechamento do CD há "Dead Return", e, meus caros, que beleza de faixa... Toda arrastada, angustiante, com riffs e melodias muito interessantes, totalmente diferente de qualquer coisa já criada pelos finlandeses.

Por outro lado, o Impaled Nazarene continua destilando seu veneno de rápido efeito na maior parte do repertório, com ótimas faixas como a breve "Pandemia", uma paulada digna de abrir rodas e mais rodas em quaisquer apresentações. "Pathogen", "The Calling" e "Planet Nazarene" também seguem na linha de frente em se tratando da já conhecida competência do pessoal em elaborar verdadeiros hinos da música extrema.

São 16 faixas que beiram os 50 minutos (o disco mais longo do Impaled!!!), onde as tentativas de fazer algo diferente – diga-se aí tirar o pé do acelerador – algumas vezes acabam por tornar a conhecida insanidade de sua música meio genérica. Ainda assim, "Manifest" continua sendo um álbum de metal extremo dos bons, mesmo que compreensivelmente não venha a corresponder às expectativas daqueles que já tiveram a oportunidade de conhecer alguns de seus clássicos.

Formação:
Mika Luttinen - voz
Jarno Anttila - guitarra
Tomi UG Ullgren - guitarra
Mikael "Arkki" Arnkil - baixo
Reima Kellokoski - bateria

Impaled Nazarene – Manifest
(2007 / Osmose Productions – 2008 / Somber Music – nacional)

01. Intro: Greater Wrath
02. The Antichrist Files
03. Mushroom Truth
04. You Don’t Rock Hard
05. Pathogen
06. Pandemia
07. The Calling
08. Funeral For Despicable Pigs
09. Planet Nazarene
10. Blueprint For Your Culture’s Apocalypse
11. Goat Justice
12. Die Insane
13. Original Pig Rig
14. Suicide Song
15. When Violence Commands The Day
16. Dead Return

Homepage: www.campnazarene.com



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Avenged Sevenfold: 10 músicas que podem fazer você mudar de idéiaAvenged Sevenfold
10 músicas que podem fazer você mudar de idéia

Lauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron MaidenLauren Harris
Como é ser filha do baixista do Iron Maiden


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin