Miasthenia: indo muito além do puro ódio desenfreado

Resenha - Supremacia Ancestral - Miasthenia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


Na ativa desde 1994, o Miasthenia dispensa qualquer tipo de apresentação, pois graças a obras tão particulares como "XVI" (00) e "Batalha Ritual" (04), os brasilienses já tem seu nome consolidado no cenário Black Metal de nosso país. Agora, contando em suas fileiras com o baterista Hamon (Mythological Cold Towers e Spell Forest), o conjunto está liberando seu mais novo álbum, "Supremacia Ancestral".

Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis

Silverchair: a história por trás da capa de Freak Show

O Miasthenia tem como conceito neste registro a narração das inúmeras resistências indígenas à inquisição e catequização ocorridas pelos europeus nas três Américas coloniais. E a preocupação que os músicos têm em passar toda essa informação – tradicionalmente cantada em português – é tal que até mesmo a inserção de breves textos introdutórios relativos a cada canção se fazem presentes, um verdadeiro deleite aos apaixonados pela História.

Não existem novas idéias flutuando sobre os arranjos, afinal, o conjunto já tem um estilo definido há tempos. Não seria equivocado dizer que o Miasthenia segue praticamente com uma mescla do que apresentou no passado, com passagens cadenciadas dando lugar a outras mais velozes, e tendo nos teclados o importante papel que garante toda a sensação épica que as canções necessitam. E creio que seja totalmente desnecessário citar as exclusivíssimas linhas vocais de madame Hécate, correto?

As canções são longas, mas toda a estrutura é tão bem planejada, com tal paixão e fúria, que o ouvinte fica impressionado com o alcance e profundidade do repertório. A sinergia entre as letras e os arranjos propriamente ditos está em tal nível que é praticamente impossível não existir um envolvimento emocional que gradativamente evoque imagens apocalípticas à sua mente.

"Supremacia Ancestral" é um álbum nascido de conflitos históricos e nada poderia servir melhor ao Miasthenia, que novamente comprova que o sentido de rebelião inerente ao Black Metal pode – e talvez deva – ir além do puro ódio desenfreado. Dito isto, há muitas bandas do gênero no exterior, mas estamos a falar de um dos melhores grupos que o Brasil tem para oferecer. Um excelente trabalho!

Formação:
Hécate - voz e teclados
Thormianak - guitarra
Mist - baixo
Hamon - bateria

Miasthenia - Supremacia Ancestral
(2008 / Somber Music – nacional)

01. Deuses Da Aurora Ancestral
02. Exortações De Oceloti
03. Taqui Ongo
04. Tawantinsuyo
05. Tzompantli
06. Guerra Do Mixton
07. Idolatrias
08. Kayanerehn Kowa

Homepage: www.miasthenia.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos AnéisPseudônimos no Black Metal
De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis


Pseudônimos no Black Metal: De entidades pagãs a O Senhor dos AnéisPseudônimos no Black Metal
De entidades pagãs a O Senhor dos Anéis


Silverchair: a história por trás da capa de Freak ShowSilverchair
A história por trás da capa de Freak Show

E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?E-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin