Glenn Hughes: nunca o mesmo álbum duas vezes

Resenha - Music for the Divine - Glenn Hughes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em entrevista traduzida aqui no Whiplash, Glenn Hughes disse: "eu nunca faço o mesmo álbum duas vezes". Apesar de se referir ao mais recente disco do grupo "Underground Nuclear Kitchen" (2008), o vocalista e baixista que já virou lenda por passar por bandas como Deep Purple, Black Sabbath e Trapeze bem que poderia estar falando do lançamento anterior, este bom "Music for the Divine", que tratamos aqui.
5000 acessosAtentado em Manchester: Iron Maiden e outros comentam tragédia5000 acessosAnette Olzon: "Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

A maior diferença é a pegada eletro-acústica que aparece neste álbum, lançado em 2006, logo após "Soul Mover". São tantas composições baseadas no violão ou que acabaram deixando a guitarra um pouco de lado que está é a característica mais marcante do CD, que, é claro, traz o Hard Rock, o groove e ainda mais funk do inglês. Para completar o pacote "divino", o trabalho com instrumentos orquestrais é a cereja no bolo, dando outro toque de originalidade

O que chama a atenção num segundo momento é a continuação da parceria com Chad Smith, do Red Hot Chilli Peppers, co-assinando a produção e sendo responsável por colocar seu estilo nas peles e pratos. Vindo de uma escola muito diferente da que Hughes teria com um batera usual de Rock/Metal, as batidas de Chad acabam enriquecendo a sonoridade e, por conseqüência, o disco.

Em 47 minutos de 'play', "Music for the Divine" não é totalmente consistente e em alguns momentos perde um pouco o brilho. Longos momentos mais lentos, com baladas, dão uma esfriada no clima, mas quando o peso dos violões (!) e guitarras voltam, os problemas são superados.

"The Valiant Denial", de sete minutos, usa todo este tempo para dar uma geral do que será o CD. Estão aí os violões, guitarras cheias de groove e efeitos 'funky', arranjos orquestrais – com a chamada The House of the Divine String Section tocando – e o baixo na cara. Faltou algo? Não, é claro que a voz de Hughes, sempre única, aparece em grande forma, mesmo com o vocalista quase batendo a marca dos 60 anos (hoje tem 57).

Destaque para a interpretação em "Steppin' On", a batida simples mas contagiante de Chad em "Monkey Man" e a cadencia de "You Got Soul", com agudos lá em cima. "The Divine", com violão, voz e as cordas da orquestra, é realmente um momento divino, muito bela e com uma letra bastante trágica. Vale citar também outro Chilli Pepper no disco, com a participação de John Frusciante em "This is How I Feel", com um solo bem simples, como sempre, mas com sucesso. A faixa realmente tem um instrumental que remete à banda californiana e da até para imaginar Anthony Kiedis tentando alcançar os agudos de Hughes. Seria no mínimo engraçado.

Na parte gráfica, Hughes tem se especializado em fazer capas bizarras e esta é particularmente horrível. Como o que importa, no fim das contas, é o som, melhor deixar pra lá... Fato é que, sem se repetir e com um formato que dá uma nova cara à sua música, Hughes segue fazendo com que seus discos solos soem interessantes e, para quem é fã de seu trabalho, vale muito a pena dar uma conferida, mesmo não sendo um disco que entrará para a história. Além disso, o vocalista/baixista está com novo som na praça, mais voltado para as guitarras, então já são duas opções para curtir.

Track List:
1. "The Valiant Denial"
2. "Steppin' On"
3. "Monkey Man"
4. "This House"
5. "You Got Soul"
6. "Frail"
7. "Black Light"
8. "Too High"
9. "This is How I Feel"
10. "The Divine"

Formação:
Glenn Hughes – voz, baixo, "funk eletric guitars" e violão
Chad Smith – bateria
J.J. Marsh – guitarra
John Frusciante – guitarra (faixa 9)
Mark Kilian – teclado e arranjo de cordas (The House of the Divine String Section)

Lançamento nacional – Hellion Records

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Music for the Divine - Glenn Hughes

1399 acessosGlenn Hughes: Hard Rock temperado com doses de funk e soul

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Atentado em ManchesterAtentado em Manchester
Iron Maiden e outros comentam tragédia

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Glenn Hughes"

Glenn HughesGlenn Hughes
"A dor e a mudança são duas certezas da vida"

VocalistasVocalistas
Os 10 melhores da história do rock

Black SabbathBlack Sabbath
Os DEZ vocalistas que passaram pela banda

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"

Anette OlzonAnette Olzon
"Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Iron Maiden na pele dos fãs

SlipknotSlipknot
"Pastor" detecta mensagens subliminares nas capas

5000 acessosCrianças: veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras5000 acessosMetallica: prejudicando as finanças da Igreja Universal5000 acessosQueen: Uma das maiores coleções sobre a banda está no Brasil5000 acessosSlipknot: "Metalhead? Não, sou Ph.D. em Rock & Roll!"5000 acessosLamentável: CBGB vai reabrir como reduto de roquistas coxinhas5000 acessosKiss: O que Gene Simmons faria se fosse presidente?

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online