Solitude Aeturnus: álbum com muito a ser absorvido

Resenha - Alone - Solitude Aeturnus

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


Ainda que com algum atraso, é sempre bem-vinda a iniciativa de se liberar em solo brasileiro trabalhos de bandas como o Solitude Aeturnus. Com uma trajetória que se iniciou no distante ano de 1987, "Alone" é seu sexto álbum e foi lançado originalmente em 2006, marcando o retorno dos texanos depois de um hiato de oito anos afastados dos estúdios, e agora apresentando uma nova seção rítmica com James Martin (baixo, Zanister) e Steve Nichols (bateria, Godfear).

O Solitude Aeturnus explora tanto os arranjos de sua música que fica praticamente impossível para o ouvinte apreciar tudo em uma única audição. As composições são longas, extremamente técnicas – mas sem nunca perder o foco emocional – e com uma meticulosidade que claramente busca por algo que faça a diferença. O resultado é intrigante, diversificado, muito solene e, o melhor, totalmente coeso em sua proposta, o Doom Metal.

publicidade

A produção, como não poderia deixar de ser, é excelente e permite discernir com clareza a contribuição de cada um dos músicos, que, aliás, têm em sua formação duas figuras importantíssimas: o fundador John Perez, guitarrista responsável pelos riffs gelados, melódicos e massacrantes; e o vocalista Robert Lowe, cuja voz passional, limpa e que nunca ultrapassa os limites do bom senso, complementa toda a atmosfera sufocante e dramática das músicas.

publicidade

Ainda que a sequência de canções seja do mais alto nível, dá para destacar "Scent Of Death", uma abertura tipicamente arrastadona, épica e com o exotismo de elementos orientais; e a sucessora "Waiting For The Light", que segue com mais velocidade e excelentes trabalho nas guitarras. Em se tratando de momentos mais rápidos, "Sightless" chama a atenção por sua linha quase Power Metal e, por fim, a estranhamente melódica "Blessed Be The Dead" e "Tomorrows Dead", que mostram toda a exatidão vocal de Lowe, em especial nos refrões.

publicidade

Com certeza um disco com muito para ser absorvido... Já considerado por muitos como um dos melhores de sua discografia, "Alone" é totalmente indispensável aos que se sentem atraídos pela angústia, tristeza e solidão, sentimentos tão bem explorados por outros mestres que já fizeram história como Black Sabbath, Cathedral, Candlemass e similares. Excelente!

publicidade

Formação:
Robert Lowe - voz
John Perez - guitarra
Steve Moseley - guitarra
James Martin - baixo
Steve Nichols - bateria

Solitude Aeturnus - Alone
(2006 / Massacre Records - 2008 / Encore Records - nacional)

01. Scent Of Death
02. Waiting For The Light
03. Blessed Be The Dead
04. Sightless
05. Upon Within
06. Burning
07. Is There
08. Tomorrows Dead
09. Essence Of Black

publicidade

Homepge: www.eternalsolitude.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock

Freddie Mercury: veja a primeira foto do cantor no palco, ainda nos anos sessentaFreddie Mercury
Veja a primeira foto do cantor no palco, ainda nos anos sessenta


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin