Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemBaixista do Faith No More diz que integrantes odiavam músicas do "The Real Thing"

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemSem ter o que fazer, guitarrista do Journey comprou 150 guitarras durante a pandemia

imagemA história da capa de "Christ Illusion", que fez o Slayer ter problemas

imagemOzzy acha que suas novas músicas deveriam ter sido gravadas pelo Black Sabbath

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"

imagemRevista Veja diz que Rock in Rio virou "túmulo do rock" e explica motivo

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemO álbum de David Bowie que Mick Jagger disse que achou "horrível"

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers

imagemAndreas Kisser pede doação de sangue para sua esposa Patricia


In-Edit

Suidakra: investindo em melodias muito fortes

Resenha - Command To Charge - Suidakra

Por Ben Ami Scopinho
Em 01/03/08

Nota: 7

Bom... É inegável que, mesmo com as naturais mudanças em sua música no decorrer dos anos, foi com "Command To Charge" que o Suidakra assumiu de vez que já não teria laços tão próximos com o Black/Folk Metal do início de sua carreira, nos idos 1997. Este álbum, lançado originalmente em 2005 e que chegou ao Brasil no final de 2007, mostra os alemães investindo em melodias muito fortes, mais do que alguns de seus antigos fãs gostariam.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Seja lá se o motivo por trás da inclusão destas tais melodias foi uma extensão mais radical de seu desenvolvimento musical, ou as contestadas ambições mercadológicas mesmo – que seria compreensível, afinal, nesta altura o grupo já possuía seis álbuns de estúdio com resenhas extremamente positivas nos veículos especializados, e ainda assim era praticamente ignorado pelo grande público – o que pesa é que o Suidakra fez de "Command To Charge" um disco bem acima da média em sua proposta, que aqui o aproximaria do Death Metal Melódico com os conhecidos elementos Folk.

Tais mudanças já são escancaradas logo em "Decibel Dance" e "C14 Measured By Infinity", com grande aumento de linhas vocais limpas e refrões realmente grudentos, que se estendem por praticamente todas as faixas. Outros momentos de grande energia estão em "Second Skin" e "Strange Perfection", ambas com o contraste entre a distorção e melodia típico do Gothemburg Sound.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além do uso de gaita-de-foles estar disperso entre algumas canções, merecendo destaque a bonita instrumental "Dead Man's Reel", a diversidade do repertório é garantida ainda mais pela a inclusão de duas baladas, a semi-acústica "A Runic Rhyme" e a introspectiva e dona de ares folk, "Gathered In Fear". A edição brasileira também traz alguns bônus, como a faixa escondida "Moonlight Shadow", que nada mais é do que um cover de Mike Oldfield cantada por Tina Stabel, que fechou o disco de forma bastante descontraída.

O outro bônus é uma seção de vídeos gravados ao vivo em 2004 no Scream Festival, em Lübeck. Apesar da qualidade das imagens não ser um primor, as canções "Reap The Storm" e "Morrigan" mostram a banda incendiando uma platéia bastante receptiva, com uma intensidade que só se encontra pelos pequenos clubes do underground mesmo.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A conhecida originalidade do Suidakra ainda se faz presente em "Command To Charge", mesmo que bastante polida. E, depois da repercussão – positiva ou negativa, isso vai de acordo com os gostos do ouvinte – os alemães não se fizeram de rogado: continuaram com as experimentações no subseqüente "Caledonia", que também foi liberado em território brasileiro e, aos curiosos, possui uma resenha neste site. Analisando de maneira imparcial, toda a discografia desta banda merece uma audição cuidadosa, dado seu instinto e classe para compor canções realmente marcantes. Pode conferir!

Formação:
Arkadius - vozes agressivas e guitarra
Marcel - guitarra e vozes limpas
Matthias - guitarra e vozes limpas
Marcus - baixo
Lars - bateria

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Suidakra - Command To Charge
(2005 / Armageddon Music - 2007 / Dynamo Records – nacional)

01. Decibel Dance
02. C14 Measured By Infinity
03. Haughs Of Cromdale
04. The Alliance
05. A Runic Rhyme
06. Second Skin
07. Reap The Storm
08. Gathered In Fear
09. Strange Perfection
10. Dead Man's Reel (instrumental)
11. The End Beyond Me
Vídeos:
01. Reap The Storm
02. Morrigan

Homepage: www.suidakra.com


Outras resenhas de Command To Charge - Suidakra

Resenha - Command To Charge - SuidAkra

Resenha - Command To Charge - Suidakra.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.