Suidakra: investindo em melodias muito fortes

Resenha - Command To Charge - Suidakra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Bom... É inegável que, mesmo com as naturais mudanças em sua música no decorrer dos anos, foi com "Command To Charge" que o Suidakra assumiu de vez que já não teria laços tão próximos com o Black/Folk Metal do início de sua carreira, nos idos 1997. Este álbum, lançado originalmente em 2005 e que chegou ao Brasil no final de 2007, mostra os alemães investindo em melodias muito fortes, mais do que alguns de seus antigos fãs gostariam.

Separados no nascimento: Synyster Gates e Luan SantanaMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich

Seja lá se o motivo por trás da inclusão destas tais melodias foi uma extensão mais radical de seu desenvolvimento musical, ou as contestadas ambições mercadológicas mesmo - que seria compreensível, afinal, nesta altura o grupo já possuía seis álbuns de estúdio com resenhas extremamente positivas nos veículos especializados, e ainda assim era praticamente ignorado pelo grande público - o que pesa é que o Suidakra fez de "Command To Charge" um disco bem acima da média em sua proposta, que aqui o aproximaria do Death Metal Melódico com os conhecidos elementos Folk.

Tais mudanças já são escancaradas logo em "Decibel Dance" e "C14 Measured By Infinity", com grande aumento de linhas vocais limpas e refrões realmente grudentos, que se estendem por praticamente todas as faixas. Outros momentos de grande energia estão em "Second Skin" e "Strange Perfection", ambas com o contraste entre a distorção e melodia típico do Gothemburg Sound.

Além do uso de gaita-de-foles estar disperso entre algumas canções, merecendo destaque a bonita instrumental "Dead Man's Reel", a diversidade do repertório é garantida ainda mais pela a inclusão de duas baladas, a semi-acústica "A Runic Rhyme" e a introspectiva e dona de ares folk, "Gathered In Fear". A edição brasileira também traz alguns bônus, como a faixa escondida "Moonlight Shadow", que nada mais é do que um cover de Mike Oldfield cantada por Tina Stabel, que fechou o disco de forma bastante descontraída.

O outro bônus é uma seção de vídeos gravados ao vivo em 2004 no Scream Festival, em Lübeck. Apesar da qualidade das imagens não ser um primor, as canções "Reap The Storm" e "Morrigan" mostram a banda incendiando uma platéia bastante receptiva, com uma intensidade que só se encontra pelos pequenos clubes do underground mesmo.

A conhecida originalidade do Suidakra ainda se faz presente em "Command To Charge", mesmo que bastante polida. E, depois da repercussão - positiva ou negativa, isso vai de acordo com os gostos do ouvinte - os alemães não se fizeram de rogado: continuaram com as experimentações no subseqüente "Caledonia", que também foi liberado em território brasileiro e, aos curiosos, possui uma resenha neste site. Analisando de maneira imparcial, toda a discografia desta banda merece uma audição cuidadosa, dado seu instinto e classe para compor canções realmente marcantes. Pode conferir!

Formação:
Arkadius - vozes agressivas e guitarra
Marcel - guitarra e vozes limpas
Matthias - guitarra e vozes limpas
Marcus - baixo
Lars - bateria

Suidakra - Command To Charge
(2005 / Armageddon Music - 2007 / Dynamo Records - nacional)

01. Decibel Dance
02. C14 Measured By Infinity
03. Haughs Of Cromdale
04. The Alliance
05. A Runic Rhyme
06. Second Skin
07. Reap The Storm
08. Gathered In Fear
09. Strange Perfection
10. Dead Man's Reel (instrumental)
11. The End Beyond Me
Vídeos:
01. Reap The Storm
02. Morrigan

Homepage: www.suidakra.com


Outras resenhas de Command To Charge - Suidakra

Resenha - Command To Charge - SuidAkraSuidakra: Command To Charge inova sem negar o passado




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Suidakra"


Separados no nascimento: Synyster Gates e Luan SantanaSeparados no nascimento
Synyster Gates e Luan Santana

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336