Rotting Christ: além das fronteiras do Black Metal

Resenha - Theogonia - Rotting Christ

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Vinte anos de carreira e 10 álbuns de estúdio. Esta longevidade toda se explica pelo fato de, no decorrer destas duas décadas, o Rotting Christ ter tido as manhas de ir aprimorando sua música em algo tão particular que expandiu consideravelmente sua base de fãs para além das fronteiras do Black Metal, que era a proposta no início de sua carreira.

Spin: as 30 melhores faixas instrumentais de todos os temposReb Beach: "Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bosta"

O novo álbum chama-se "Theogonia", palavra grega que pode ser definida como uma doutrina sobre a origem dos deuses e, mesmo não sendo um álbum conceitual, este é o tema explorado no decorrer das faixas. Contando com a presença do novo guitarrista George Bokos (Nightfall), boa parte de seus arranjos continuam voltados às raízes do Black Metal, algo que já vem se mantendo desde "Genesis" (02), mas, naturalmente, intercalados ou mesclados aos já tradicionais elementos obscuros e melódicos que conseguem fazer toda a diferença em sua música.

Mas o Rotting Christ vai um pouco além. Enquanto seu último álbum, "Sanctus Diavolos" (04), tinha uma atmosfera mais demoníaca, "Theogonia" não soa assim. Ao abordar a história de tantos mitos, a banda optou por incutir todo um clima de paganismo, inclusive com o uso de sonoridades folclóricas discretas, mas marcantes, algo inédito em se tratando de Rotting Christ.

Além de novamente vários trechos serem cantados em grego, a banda faz uso de cânticos estranhamente arcanos, que realmente conseguem ampliar todo o cenário de tragédia e solidão na música já feroz por natureza. Como sempre, as composições possuem tantas texturas e detalhes que apenas uma audição seria pouco para perceber toda sua riqueza. Em suma, mais um álbum muito bem sucedido na já excelente discografia da banda.

"Theogonia" também traz um vídeo para "Keravnos Kivernitos", e esta edição limitada contém um DVD com um 'making of' de 11 minutos das gravações do álbum, coisa bem simples mesmo. De qualquer forma, o mais interessante são os trechos da "Sanctus Diavolos Tour", feita entre 2005 e 2006, com imagens retiradas de apresentações na Itália, Rússia, Grécia e Brasil.

As imagens destas turnês beiram os 30 minutos e são bem ruins, mas valem pelo seu caráter histórico. Não é novidade que a relação entre o Rotting Christ e o Brasil sempre foi bastante estreita, e isso fica evidente no DVD, pois é nosso país que recebe o maior destaque. Há cenas de todas as cidades em que a banda tocou, além de imagens do cotidiano, como os gregos testando os amplificadores Meteoro (que propaganda, hein, Meteoro?!?), Themis sendo tatuado por um fã brasileiro, etc.

É claro que um DVD tão descompromissado só poderia terminar com a típica simpatia verde-amarela: um distinto senhor paulistano tentando 'trocar umas idéias' com o baixista Andreas, que obviamente não entende absolutamente nada do português. Mas e daí? O insistente velhinho parece não se importar...

Formação:
Sakis Tolis - voz e guitarra
George Bokos - guitarra
Andreas Lagios - baixo
Themis Tolis - bateria

Rotting Christ - Theogonia
(2007 - Season Of Mist Records / Somber Music - nacional)

01. Χαος Γενετο (The Sign Of Prime Creation)
02. Keravnos Kivernitos
03. Nemecic
04. Enuma Elish
05. Phobos' Synagogue
06. Gaia Tellus
07. Rege Diabolicus
08. He, The Aethyr
09. Helios Hyperion
10.Threnody

Homepage: www.rotting-christ.com



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rotting Christ"


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal

Grécia: dez das maiores bandas de metal do paísGrécia
Dez das maiores bandas de metal do país


Spin: as 30 melhores faixas instrumentais de todos os temposSpin
As 30 melhores faixas instrumentais de todos os tempos

Reb Beach: Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bostaReb Beach
"Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bosta"


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.