Resenha - Rock & Roll Machine - Triumph

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Se na sua boa estréia o grupo Triumph já mostrava sua força, neste segundo disco, sendo relançado agora pela Sanctuary com som remasterizado e encarte extenso, a banda começava a desenvolver o seu som mais característico, fugindo das referências a outras bandas e desenvolvendo um estilo próprio.

Por pouco: 15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhorBruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante tours

Mantendo a formação com Rik Emmett na guitarra e vocal, Mike Levine no baixo e teclados, e Gil Moore na bateria e vocal, neste "Rock & Roll Machine" o Triumph mostra uma grande evolução musical, fruto não somente do maior entrosamento dos músicos, mas também da possibilidade de passar mais tempo dentro de um estúdio para gravar seu segundo disco, após o primeiro ter sido bem recebido por público e crítica.

O disco abre com faixas ainda lembrando o estilo mais cru, por assim dizer, do trabalho de estréia. "Takes Time" e "Little Texas Shaker" chegam a lembrar o AC/DC e o Nazareth, até pelo fato de Emmett apresentar um vocal mais "rasgado". A partir da quarta música, o disco muda de estilo, interessantemente, passando a demonstrar o que a banda viria a fazer nos próximos trabalhos: um hard rock melódico, com influências do rock progressivo e até do jazz, fruto em especial do estilo eclético e do talento de Rik Emmett. "New York City Streets", em suas 2 partes, se alterna portanto entre todos os estilos mencionados: começa como uma suíte progressiva, prosseguindo por passagens jazzísticas da guitarra de Emmett, e então retornando ao hard rock clássico, com mais solos de guitarra, dessa vez pesados, acompanhados pela cozinha criativa de Moore e Levine. Certamente um dos pontos altos deste disco.

A longa suíte "The City", com suas 3 partes, mostra novos terrenos percorridos pelo Triumph, com a banda correndo riscos mas saindo-se vitoriosa. A primeira parte, "War March", é um instrumental baseado em "Mars, The Bringer of War", segmento da obra erudita "The Planets", do compositor inglês Gustav Holst. Segue-se "El Duende Agonizante", mais um instrumental no qual Emmett demonstra toda sua habilidade numa inspirada interpretação ao violão. A terceira parte é "Minstrel's Lament", que começa como uma balada pesada em todas as acepções do termo, ao melhor estilo do Uriah Heep, e com um emocionante solo de guitarra de Emmett. O final, porém, é arrebatador, rápido e pesado, voltando portanto ao estilo anterior. Quase 10 minutos de duração, um tiro certeiro.

De volta ao rock visceral, o disco se encerra com mais 2 destaques: o cover para "Rocky Mountain Way", célebre composição do grande guitarrista Joe Walsh (James Gang, Eagles, solo), e o quase hino "Rock & Roll Machine", obrigatória nos shows do Triumph, e no meio da qual Rik Emmett sempre incluía seu (longo) solo de guitarra. Interessante é que nesta última estão de volta as referências ao Led Zeppelin, inclusive de forma explícita, pois há partes "chupadas" de "Whole Lotta Love".

Após esse disco de 1977, a banda alcançaria o sucesso merecido, e estaria aberto o terreno para o disco que talvez mais simbolize o que é a música do Triumph, "Just A Game" (review aqui em breve!).

Tracklist:
1. Takes Time
2. Bringing It On Home
3. Little Texas Shaker
4. New York City Streets - Part 1
5. New York City Streets - Part 2
6. The City
i) War March (instrumental)
ii) El Duende Agonizante (instrumental)
iii) Minstrel's Lament
7. Rocky Mountain Way
8. Rock & Roll Machine




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Triumph"


Por pouco: 15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhorPor pouco
15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor

Bruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante toursBruce Dickinson
Foi difícil evitar as drogas durante tours

Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rockMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

AC/DC: Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vidaAC/DC
"Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"

Queen: Adam Lambert participa do filme Bohemian RhapsodyQueen
Adam Lambert participa do filme "Bohemian Rhapsody"

Thrash Metal: versões rápidas e pesadas de clássicos infantisThrash Metal
Versões rápidas e pesadas de clássicos infantis


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336