Resenha - Rest In Sleaze - Crashdiet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar Correções  

10


Se não fosse pelo falecimento do vocalista Dave Lepard no último dia 20 de janeiro, o Crashdiet certamente teria um futuro promissor pela frente (a banda deve encerrar suas atividades após este acontecimento), pois apresentou um excelente Glam Rock em seu primeiro e único trabalho de estúdio, lançado somente no mercado europeu e japonês.

publicidade

Em se tratando de Hard Rock e Glam Rock, não é novidade para ninguém que a Suécia tem apresentado ao mundo bandas de qualidade nos últimos anos (Hardcore Superstar, Backyard Babies e Gemini Five são alguns bons exemplos).

E o Crashdiet não fica atrás. Pelo contrário, aparece como uma das mais gratas surpresas. Sem dúvida alguma este álbum é um dos destaques de 2005 no gênero conhecido como 80`s Hair Metal. O som é empolgante, com riffs fortes, vocal rasgado (no melhor estilo Tom Keifer, do Cinderella) e energia de sobra.

publicidade

"Riot In Everyone" é o cartão de visita do disco, demonstrando a força do som da banda. Todos os elementos que uma boa música de Glam Rock/Hair Metal precisa para fazer sucesso estão nela – refrão pegajoso, guitarras arrasadoras e muita, muita atitude. "Queen Obscene / 69 Shots", "Breakin` The Chainz", "Knokk `Em Down" e "Needle In Your Eye" também se sobressaem, embora o álbum num todo seja totalmente recomendável aos fãs do estilo.

publicidade

Apesar de ser bem curto (10 faixas com pouco mais de 35 minutos no total), o CD é inteiramente bem produzido, esbanjando atitude e energia. Como é muito comum nos álbuns do gênero, uma balada não podia faltar: ela é "It`s a Miracle". Nem chega a ser tão lenta, mas é tocada de forma marcante e intensa, com um brilhante solo de guitarra e uma cadência bastante interessante.

publicidade

A versão japonesa avaliada traz ainda duas faixas extras, "Riot In Everyone" versão demo e "Tomorrow", esta última destoando das demais, com uma gravação mais baixa e nem tão enérgica. Dois vídeos também fazem parte do material adicional disponibilizado ao público japonês.

Uma pena que o vocalista e principal compositor da banda, Dave Lepard, tenha falecido tão cedo, levando o grupo, ao que tudo indica, a encerrar as atividades de forma tão precoce. Com certeza bastava uma turnê americana para o Crashdiet estourar pelo mundo todo. Qualidade musical os caras têm de sobra.

publicidade

Por fim, vale ressaltar que como o álbum não foi lançado no mercado americano, tampouco no Brasil, quem quiser contar com este excelente (e provavelmente único) registro do Crashdiet na coleção, terá que desembolsar algum dinheiro a mais, pois tanto a versão européia quanto a japonesa não saem por menos de R$ 100,00, sob encomenda. Pelo menos garanto que vale cada centavo gasto...

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Roadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os temposRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin