Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemJimmy Page conta como convenceu Robert Plant a formar o Led Zeppelin

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemPaul Di'Anno recebe ajuda de Derek Riggs para angariar fundos

imagemA música do Black Sabbath favorita de Frank Zappa

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Stamp

Resenha - Accidentally On Purpose - Gillan & Glover

Por Fernando De Santis
Em 23/06/05

Nota: 5

Se você está esperando só ‘Rock n’ Roll’ nesse projeto desses dois monstros da música, Gillan e Glover (para quem mora em Saturno e não sabe tratam-se de dois músicos do Deep Purple), pode ir tirando o cavalinho da chuva.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por se tratar de algo paralelo ao Purple, tudo que vemos (e ouvimos) é bem diferente do que os músicos estão acostumados a fazer. Além de contar com a voz de Ian Gillan e o baixo de Roger Glover, Randy Brecker (guitarra), Andy Newmark (bateria) e Dr. John (piano), completam o time desse projeto. O disco já começa com a balada "Clouds and Rain", que embora seja meio diferente por ter metais, acaba agradando. "Evil Eye" é uma música bem com cara de anos 70 / 80, com aquelas batidas típicas e um coro de "oh oh oh" que chega a irritar. Parabéns se você conseguir escuta-la de ponta a ponta. Na seqüência vêm duas composições dispensáveis: "She Took My Breath Away" e "Dislocated". A tecla de avanço de faixa do CD, nunca foi tão útil quanto nessa seqüência.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas calma, afinal é um álbum que conta com Gillan e Glover! Como ter três músicas ruins em série!? E felizmente essa seqüência é quebrada com a boa "Via Miami" que é um rock n’ roll empolgante que faz o ouvinte bater o pé de forma involuntária. "I Can’t Dance To That" traz distorção pela primeira vez às caixas de som do player. Riff inspirado e Gillan no estilão Purple, talvez um dos pontos altos do disco. E quando você pensa que já ouviu todos os estilos no mesmo álbum, Gillan e Glover apresentam o ótimo blues "Can’t Believe You Wanna Leave", que destaca a ótima performance do pianista Dr. John. "Telephone Box" é outra composição mais Rock, que agrada muito e acaba valendo a pena... com direito a backing vocals femininos e tudo mais. Porém quando tudo estava indo tão bem, acontece a famosa recaída e desta vez, bem aguda. "Cayman Island" é um reggae muito chato e totalmente dispensável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por ser um projeto solo, dá até para entender todos esses experimentos, porém chega a ser difícil escutar um álbum tão heterogêneo como esse, que às vezes apresenta um blues inspirado e de repente "presenteia" o fã com um reggae bem sem vergonha. Disco dispensável na coleção... na dúvida, passe longe.

Material cedido pela gravadora ST2 Records


Outras resenhas de Accidentally On Purpose - Gillan & Glover

Resenha - Accidentally On Purpose - Gillan & Glover

Resenha - Accidentally On Purpose - Gillan & Glover

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorarem

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre

Mais matérias de Fernando De Santis.