Matérias Mais Lidas

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemA inteligente estratégia de Prika para não perder gravadora na ruptura da Nervosa

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemPor que o processo de composição da Legião Urbana e Engenheiros era tão diferente?

imagemSons of Apollo une carisma e técnica em show no Rio com direito a piada de Mike Portnoy

imagemSteve Grimmett: vocalista do Grim Reaper morre aos 62 anos

imagemRob Trujillo presta tributo ao Rage Against The Machine após shows em Nova Iorque

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemDream Theater: confira possível setlist dos shows da banda no Brasil

imagemAs 10 melhores músicas "lado b" da carreira solo de Dio, em lista do Metal Injection

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte III

imagem4 hits do Deep Purple cujos riffs Ritchie Blackmore já confessou ter copiado


Dream Theater 2022

Resenha - Nameless Disease - Old Dead Tree

Por Ben Ami Scopinho
Em 07/06/05

Nota: 9

Saca aquelas bandas que você nunca ouviu falar e se surpreende quando escuta suas músicas? Pois é, este é um destes casos...

The Old Dead Tree foi formado na França em 1997, tendo em sua formação Manuel Munoz (voz e guitarra), Nicolas Chevrollier (guitarra), Vincent Danhier (baixo) e Frédéric Guillemot (bateria). Em 1999 a banda lança um MCD de nome "The Blosson", que tem ótimas vendas. Porém, uma tragédia vem se abater sobre o conjunto: neste mesmo ano o baterista Frédéric comete suicídio com apenas 22 anos.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mas o grande lance aqui é que esse suicídio acabou por ter um efeito catalisador sobre a banda, gerando uma grande onda de criatividade que culminou neste "The Nameless Disease", seu primeiro CD, lançado em 2003 e contando com um novo e competente baterista chamado Franck Métayer. As letras são muito bonitas e dedicadas ao amigo baterista que se foi.

Musicalmente, a frustração, desespero e raiva estão muito fortes num álbum que destila Heavy Metal mesclado ao gótico e algumas variantes da música extrema, tudo com muito feeling, totalmente desprovido de vocais femininos e sem aquela faceta sinfônica tão em alta atualmente. Isso tudo, somado ao fato de a banda ser da França, um país que nunca possuiu tradição dentro da música pesada, faz com que "The Nameless Disease" não soe semelhante às outras bandas do gênero.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Todos os músicos são estupendos, porém a atuação do vocalista Manuel Munoz é impressionante. Sua voz flui tranqüilamente desde vocais limpos, passando pelos gritados e urrados, seu trabalho ficou perfeito. Meio complicado destacar alguma faixa, todos os instrumentos tem seus momentos em canções bem variadas, mas que mantém uma linha coerente em seu estilo.

"The Nameless Disease" é repleto de uma atmosfera atormentadora, o sentimento melancólico de perda realmente estava lá com os músicos no momento da criação destas músicas, isso é claramente perceptível durante a audição. Apesar de possuir um nome tão estranho, The Old Dead Tree combina perfeitamente com sua música e é recomendável aos amantes de Heavy Metal e gótico feito com o coração.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

THE OLD DEAD TREE – The Nameless Disease
(2003 / Season Of Mist – 2005 / Rock Machine)

01. We Cry As One
02. It Can' t Be!
03. How Could You?
04. Won't Follow Him
05. It's The Same For Everyone
06. Somewhere Else
07. Joy & Happiness
08. Transition
09. Quietly Kissing Death
10. All…
11. The Bathroom Monologue

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Oh, não!: clássicos do Rock Heavy Metal e que foram "estragados" pelo tempo


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.