Resenha - Real Illusions: Reflections - Steve Vai

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson Endebo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Os fãs do virtuoso guitarrista norte-americano Steve Vai já podem beijar o céu: "Real Illusions: Reflections", álbum de título pomposo, chega às lojas como o legítimo sucessor de "The Ultrazone" no cronograma dos discos "de carreira" do sujeito. Desde 1999 até hoje, Vai lançou as coletâneas "Seventh Song", só com as sétimas faixas de seus trabalhos anteriores - a numerologia explica -, "The Elusive Light And Sound", com composições feitas para o cinema, o falso duplo ao vivo "Alive In An Ultra World" e títulos menores, partes de um projeto de Box destinado somente aos fãs mais doentes (e ricos - a caixa não saiu por aqui), além do DVD "Live At The Astoria". A Epic, esperta, também colocou na praça uma retrospectiva em CD duplo, intitulada "The Infinite Steve Vai". Agora, seis anos depois, a pergunta é a seguinte: será que ainda vale a pena ouvir o trabalho de Steve Vai?

Steve Vai: anunciado lançamento para setembroAerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

"Real Illusions: Reflections" é um produto conceitual. Tudo bem, "Seventh Song", de certo modo, não deixa de ser conceitual, assim como "Firegarden", de 1996. Definido pelo próprio Vai como "a primeira parte de uma coleção de vinhetas baseadas nos delírios de um louco que busca a verdade vivendo nesse mundo", o novo álbum é mais-do-mesmo em sua discografia. Tal como as cartas do Tarô, Steve Vai pretende explicar algumas cositas com sua música. Objetivos definidos, vamos ao disco em si.

Lembrar que Vai já fez parte da banda de Frank Zappa não é mais necessário. Todo mundo sabe disso. Além do mais, sua passagem pela banda de Zappa foi há muito tempo. Lembrar que Vai gravou um dos discos mais importantes da História da guitarra moderna, "Passion and Warfare", - agora sim! - é obrigação. Steve se torna, a partir de "Real Illusions: Reflections", sua própria referência. O novo álbum é, morfologicamente falando, um apanhado de tudo que ele já fez nesses vinte e tantos anos de guitarradas: possui o peso de "Passion and Warfare", a veia rocker de "Alien Love Secrets", o experimentalismo de "The Ultrazone" e "Firegarden".

Escudado por uma banda praticamente idêntica à que o acompanhou nas constrangedoras apresentações do G3 no Brasil, Billy Sheehan (baixo), Dave Weiner (guitarra) e Jeremy Colson (bateria) - Tony MacAlpine não -, o guitarrista naufraga em sua própria história. Desde sempre, Vai tem sido mestre em fundir seu vocabulário avançado de guitarra com o que há de mais imediato no mundo do showbusiness. Não funciona agora. Com a pretensão de ser a concretização de certas convicções do rapaz, "Real Illusions: Reflections" é risível. Ninguém, em sã consciência, poderá levar as elucubrações do guitarrista a sério. É como escrever ensaio literário sobre a trama de "Avantasia". Simplesmente não dá.

Em seu site oficial, Vai disponibilizou dezenas de informações sobre cada uma das onze faixas do novo álbum, incluindo a parte "cerebral" do momento criativo. As fraquezas e fragilidades de Vai enquanto músico ficam evidenciadas em carne viva. Megalomaníaco, grava (na sétima faixa, "Lotus Feet") com a mesma orquestra que acompanhou o guitarrista e amigo pessoal Mike Keneally, em seu último e obrigatório álbum, "The Universe Will Provide", já resenhado no Whiplash!. Escreve canções para serem cantadas por um vocalista, ao passo que o próprio imagina sê-lo. Não o é. Fica a saudade de Devin Townsend. Ouça "I'm Your Secrets" e tenha coradas as maçãs do rosto. Compõe música pesada instrumental seguindo a cartilha de Joe Satriani para contar historinhas metafísicas, em "Building The Church", a faixa de abertura.

Os experimentos são quase bem-intencionados. Senão vejamos: o talkbox em "Yai Yai" garante bons momentos e as brincadeiras com scat vocals em "Firewall" também são bacanas. E só. Sobram funks murchos (na própria "Firewall"), latinices de araque (na auto-indulgente "Freak Show Excess", de título auto-explicativo) e hard rocks que, caso fossem servidos com arroz e feijão, garantiriam o sorriso besta da família no domingo. Os fãs, em sua maioria desprovidos de qualquer senso crítico em relação ao próprio objeto de devoção, deverão aplaudir efusivamente a nova empreitada de Steve Vai. A técnica privilegiada (não por Deus - algum mérito ele tem) continua lá, com solos cada vez mais abusivos. A famosa fusão de escalas, a produção cuidadosa, os slides monumentais: tudo continua ali, firme e forte. Já a musicalidade... Esta fica em segundo plano, surrada e maltratada no canto do estúdio.

Steve Vai consegue, em "Real Illusions: Reflections", o mesmo que os irmãos Wachowski conseguiram com "Matrix": um grande aparato técnico para disfarçar suas próprias deficiências. Na aléia dos artistas, os três estão excluídos, ao mesmo tempo em que gozam de grande reputação junto ao público. Vai não faz arte, faz entretenimento. Como tal, é manipulador e estrategista. Não é sensível. Usa alegoria como estandarte e se dá bem.

Site oficial: www.vai.com


Outras resenhas de Real Illusions: Reflections - Steve Vai

Resenha - Real Illusions: Reflections - Steve Vai




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Steve Vai"


Steve Vai: anunciado lançamento para setembro

Steve Vai: as lições na guitarra com Joe SatrianiSteve Vai
As lições na guitarra com Joe Satriani

Steve Vai: tocar com Yngwie Malmsteen é o auge de sua experiência de turnêSteve Vai
Tocar com Yngwie Malmsteen é o "auge de sua experiência de turnê"

G3: Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todosG3
Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todos


Aerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiroAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Batom, laquê...: Como formar uma banda de Hard Rock em 69 liçõesBatom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Cristina Scabbia: Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!Cristina Scabbia
"Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Atores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce WillisAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Megadeth: vídeo mostra Dystopia pela primeira vez ao vivoMegadeth
Vídeo mostra "Dystopia" pela primeira vez ao vivo

Grandes covers: cinco versões para a inesquecível Stairway To HeavenGrandes covers
Cinco versões para a inesquecível "Stairway To Heaven"


Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!

Mais matérias de Nelson Endebo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336