Resenha - No Gravity - Kiko Loureiro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

8


Falar que Kiko Loureiro é um excelente guitarrista é chover no molhado. Seus trabalhos com o Angra estão aí para ratificar seu talento e habilidade. Se o sucesso em sua banda já é fato consumado, Kiko agora parte para uma carreira solo concreta (antes ele já havia lançado algumas vídeo-aulas) com este primeiro cd solo. Acompanhado por ninguém menos que Mike Terrana (Rage) na bateria e com a produção competentíssima de Dennis Ward (falar que o Angra alavancou sua carreira como produtor é chover no molhado), Kiko coloca para fora todas as suas influências musicais, num cd interessante e até certo ponto polêmico.

Nitidamente Kiko é influenciado por guitarristas como Joe Satriani, como comprovam as duas primeiras faixas, "Enferno" e "Endangered Species". Kiko deixa sua guitarra "falar", com o auxílio da bateria monstro de Terrana. "Escaping" chega a ser tão Satriani que alguns poderão confundí-la com "Summer Song" (do cd "The Extremist"), aonde Kiko deixa as notas fluírem com menor velocidade, mas com extremo controle da melodia.

publicidade

O cd é um apanhado de momentos heavy, intercalados com nuances pop e elementos regionais. "No Gravity" é uma balada que novamente remete a Satriani ("Always With Me, Always With You"), enquanto que "Pau de Arara", "Trapping Into My" e "Beautiful Language" incorporam com bastante habilidade elementos percussivos e ritmos regionais brasileiros. Curiosamente estes são os melhores momentos do cd, pois Kiko algumas vezes se prende demais ao estilo de seus guitarristas favoritos. "Dilemma" lembra muito Yngwie Malmsteen, enquanto que "Choro de Criança" poderia embalar uma roda de viola sem problemas.

publicidade

Kiko nitidamente procura mostrar um estilo próprio como guitarrista, mas ainda está preso ao trabalho de guitarristas solos mais antigos e estáveis, daí a polêmica. Porém, a competência demonstrada em algumas faixas, principalmente quando ele se solta de seus "mentores" e nitidamente experimenta sem medo, mostra que o cara está no caminho certo. Um bom cd, para fãs do Angra, para guitarristas, para fãs de heavy metal... mas olha... posso estar errado... mas guardem minhas palavras, foi só o começo. O melhor ainda está por vir.

publicidade

Site Oficial: Http://www.kikoloureiro.com.br

Hellion Records - 2005


Outras resenhas de No Gravity - Kiko Loureiro

Kiko Loureiro: Um guitarrista daqui e de todo lugar (Parte II)

Kiko Loureiro: Um guitarrista daqui e de todo lugar (Parte I)

Resenha - No Gravity - Kiko Loureiro




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

Ozzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-laOzzy Osbourne
Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin