Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemHalford relembra o dia que caiu em pegadinha armada por Tony Iommi e Geezer Butler

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira


Stamp

Resenha - Let It Bed - Arnaldo Baptista

Por Anderson Nascimento
Em 15/09/04

Arnaldo está vivo. Me aproprio da forma com a qual Arnaldo nos ensinou a brincar com as palavras para dizer que ele está vivo. Vivo também no sentido de esperto, antenado, corajoso e como sempre, revolucionário.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Let It Bed, seu novo disco (que gostoso falar que é o seu novo disco), deve ser ouvido livre de qualquer preconceito que a música há muito tempo carrega. Ele traz um Arnaldo bem mais curado que o mesmo Arnaldo de 1987, quando lançou o sofrido "Disco Voador".

Neste novo disco, Arnaldo toca todos os instrumentos e o produtor John (Pato Fu) procurou se envolver o mínimo possível, para deixar a obra exatamente do jeito que o Arnaldo queria, deixando o resultado final com cara de um tremendo caos criativo. E é aí que talvez muitas pessoas podem ficar com uma impressão estranha sobre o álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum tem sim o nonsense da época dos Mutantes, tem sim um pouco da dor que o Arnaldo carregou em seus dois primeiros álbuns solo e traz, além disso tudo, um artista que olha para frente sem se esquecer do passado.

O álbum abre com uma canção folclórica aclimatada com sons da selva, resgatada lá do fundo da memória do compositor, "Gurum Gudum", segundo Arnaldo, era cantada pelo seu avô ele ainda era um menino. Segue com uma versão para uma música tirada do desenho do Pica-Pau, apropriada por Arnaldo, "Evereybody Thinks I’m Crazy", tem além do tradicional piano, um acompanhamento de gaita. "LSD", ao contrário do que possa parecer, é uma canção de exaltação à música "Louvado Seja Deus, que nos deu o Rock’n’Roll", é profunda, e apesar da letra, soa dramática, Arnaldo sussurra as frases da música falando em Deus, Cristo, clone e Rock. "To Burn or Not To Burn", a quarta faixa é super interessante, embalada em um baixo ultra pulsante (o próprio Arnaldo é quem diz "Esse é o meu lado baixista falando alto!"), a música funcionaria perfeitamente em uma pista de dança! "Bailarina", a próxima música, já é um novo clássico no cancioneiro do ex-Mutante, a letra é puro lirismo "...eu sei que você ao se deixar tocar, me dará o prazer de ser um mortal, imortal...", é, sem dúvida, a música que mais me impressionou no álbum, inclusive pela forma que o Arnaldo a canta, senti arrepios ao ouví-la pela primeira vez. "Deve ser amor", te leva diretamente ao som do Arnaldo na Segunda metade dos anos 70, Arnaldo Baptista dá outro show no baixo, a música começa no piano e acaba virando um rockão psicodélico, juro que lembra "What’s a shame Mary Jane" do Beatles. Antes de entrar em "Cacilda", Arnaldo faz uma adaptação de uma música Gospel americana. Aliás "Cacilda" e "Tacape" são duas músicas resgatadas do baú do Arnaldo, chamado pelos fãs de "Elo mais que perdido", neste cd elas receberam um tratamento especial para sair do anonimato, antes só conhecidas através de uma velha fita K7. "Cacilda" um Rock lisérgico e crescente, não possui nem mesmo data certa da gravação, cabendo no encarte somente a informação de que foi gravada no fim dos anos 70 e início dos 80. Já "Tacape", foi gravada ao vivo em 1981 no Teatro da Universidade Católica de São Paulo, e é bastante aplaudida. O disco segue com "Imagino", uma reflexão sobre a sua própria existência. "Ai Garupa" tomou os produtores do disco de assalto, um dia Arnaldo chegou e falou que tinha ensaiado muito uma música e queria gravá-la naquele dia, e aí saiu a música, que traz a participação de Lucinha, esposa de Arnaldo, a pedido dos próprios produtores. Em "Encantamento", onde o forte é novamente a letra, Arnaldo volta a citar o gosto pela sua "loucura", "...sou louco e gosto de sê-lo assim...".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse é o Arnaldo que conhecíamos e o Arnaldo que queremos. Louvado seja Deus por nos proporcionar este momento.


Outras resenhas de Let It Bed - Arnaldo Baptista

Resenha - Let It Bed - Arnaldo Baptista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Anderson Nascimento

Anderson Nascimento é Analista de Sistema e Professor Universitário de profissão, tendo cursado Pós-Graduação em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas na PUC-RJ. Sua grande paixão é a música, começou a colecionar discos ainda na época do vinil, em 1986, com o álbum Abbey Road dos Beatles. Esse foi o primeiro passo para esse hobby que viria a se tornar tão importante em sua vida. Entre as várias atividades no meio musical, Anderson é compositor e integrou a banda de rock Projeto:Paradoxo entre 1996 e 2004. Anderson é um ávido colecionador de discos e também escreveu sobre música em vários veículos de comunicação.

Mais matérias de Anderson Nascimento.