Resenha - Neon God Part I; The Rise - W.A.S.P.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

10


Certas bandas carregam um enorme peso em suas costas como representantes máximos de um estilo ou ocupando uma posição objetal na qual são cobradas por uma postura política que noutros tempos assumiram e, desta forma, supostamente, deveriam persistir, tratando de assuntos cotidianos, atuais, através de sua música. O W.A.S.P. é um dos poucos conjuntos do planeta que sofre demanda dos dois motivos citados, além de ter todo um valor especial a tantos fãs de metal, os quais passaram a admirar o estilo e iniciaram suas ‘vidas’ nele após clássicos como "The Last Command" (1985).

publicidade

Com responsabilidade tamanha e em momento tão crítico em termos mundiais, o ultrajante Blackie Lawless lidera uma agrupação que não só deve responder aos querelantes, como também dar a volta por cima depois de um lançamento fraco como "Dying For The World" (2002).

Inacreditavelmente o W.A.S.P. consegue dar resposta a todos e sem assumir tão francamente uma posição política. Não que esta função social da banda tenha ficado de lado, mas "The Neon God Part I – The Rise" segue um percurso mais introspectivo que ofensivo, apesar de ser eficiente em ‘ataques’ quando assim deseja. Em vários aspectos, incluindo o conceito circundante, poderíamos dizer que o disco assemelha-se a "The Crimson Idol" (1992).

publicidade

O instrumental é incontestável. Um dos melhores de toda a carreira do grupo e, muito disto, deve-se à entrada do excelente Darrell Roberts no lugar do carismático Chris Holmes. As guitarras estão mais precisas, soam melhor.

Os arranjos e o balanceamento do CD são obras de um mestre. As faixas guiam-te pela história, interpretando-a de maneira perfeita. Raivosas e agressivas quando têm que ser. Cadenciadas noutros instantes. E, de maneira alguma, perde-se a intensidade em qualquer passagem.

publicidade

Grandioso, ainda que ponderado, maduro ainda que revolto, emotivo acima de qualquer coisa. W.A.S.P. e nada mais é preciso dizer.

Site Oficial – http://www.waspnation.com

Blackie Lawless (Vocais – Guitarras – Baixo – Teclados – Bateria)
Darrell Roberts (Guitarra solo – Vocais – Bateria)
Mike Duda (Baixo – Vocais)
Frankie Banali (Bateria – Percussão)
Stet Howland (Bateria em "Wishing Well")

publicidade

Material cedido por:
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br
Caixa Postal 1240 São Paulo SP 01059-970 BRASIL
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bob Kulick: causa da morte do guitarrista, enfim, é divulgada - e não foi suicídioBob Kulick
Causa da morte do guitarrista, enfim, é divulgada - e não foi suicídio

Rodz Online: Os 36 anos do álbum de estreia do WASP (vídeo)

Blackie Lawless: por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet RiotBlackie Lawless
Por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet Riot

Frankie Banali: baterista do Quiet Riot, W.A.S.P. e outros morre aos 68 anosFrankie Banali
Baterista do Quiet Riot, W.A.S.P. e outros morre aos 68 anos

Aquiles Priester: A trajetória coberta em entrevista à Revista FreakAquiles Priester
A trajetória coberta em entrevista à Revista Freak

WASP: A tentativa de ser levado a sério com o álbum Headless Children


W.A.S.P.: o casamenteiro de Lita Ford e Chris Holmes!W.A.S.P.
O casamenteiro de Lita Ford e Chris Holmes!

W.A.S.P.: Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In BlackW.A.S.P.
Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In Black


Metallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaMetallica
Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

Cinema: As 10 melhores aparições de bandas em filmesCinema
As 10 melhores aparições de bandas em filmes


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin