Resenha - New Obscurantis Order - Anorexia Nervosa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


A França nunca foi uma potência em termos de som pesado. Além do Misantrhope e do Adagio eu não consigo me lembrar de mais nenhuma outra banda proveniente daquele país. Além destes que citei, existe uma trupe de músicos extremamente competentes e criativos que resolveu se juntar e tocar black metal. Eles nomearam a horda com o nome de um transtorno alimentar de origem psicológica que leva o doente a rejeitar a ingestão de alimentos (rock 'n' roll também é cultura...). Pois bem, o som do Anorexia Nervosa é um black metal muito original, que mistura elementos da velha escola (tipo Celtic Frost, Venom e Bathory) com o black sinfônico, cuja maior referência é o Dimmu Borgir, ao lado do Cradle of Filth. Este New Obscurantis Order é o terceiro álbum da banda, lançado pela Osmose Records.

Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

O disco é um deleite para os fãs das diversas vertentes do black metal. Cheio de variações, indo de melodias soturnas a ataques de brutalidade numa mesma faixa (exemplo: "Black Death Nonetheless", a melhor do disco na minha opinião). É impressionante o trabalho de Nilcas Vant (D), que consegue ser veloz, melódico e criativo simultaneamente, lembrando os grandes bateristas do estilo, como Nicholas Barker. O figuraça Mr. Hreidmarr (V) é uma espécie de versão black metal do Ville Valo, do H.I.M. Versátil e muito posudo, o rapaz é uma mistura muito bem sacada de Legion (ex-Marduk) com Shagrath (Dimmu Borgir). O estilo da banda ajuda muito no desenvolvimento de vocalizações diferentes sem que isto se torne chato ou derivativo demais. Em suma: o Anorexia Nervosa é uma banda que esbanja personalidade. Os climas que Mr. Xort (K) cria em faixas como a já citada "Black Death Nonetheless" ou na porrada que abre o CD ("Mother Anorexia") são impressionantes. O cara consegue se destacar mesmo em meio à porradaria que predomina nas dez faixas deste grande disco. Para ter uma idéia do que estou falando, ouça "Hail Tyranny", uma peça instrumental com clima meio Chopin (um piano magnificamente bem tocado), que é emendada com a pesadíssima "Ordo ab Chao: The Scarlet Communion", cheia de melodias incríveis, mas sem perder em nenhum instante a pegada furiosa da banda. O disco termina com uma belíssima versão para "Solitude" do imortal Candlemass e outra para "Metal Meltdown" do Judas Priest. A banda se saiu muitíssimo bem em ambas, deixando-as com a cara do Anorexia Nervosa.

O Anorexia Nervosa é uma banda de black metal muito diferente de tudo aquilo a que estamos acostumados. Tomara que algum selo brasileiro se interesse em lançar o material deles por aqui, pois, com toda certeza, seria um excelente investimento. Detalhe que não pode passar despercebido: Que capa!

Line up:
Maître Stefan Bayle - guitarra
Pier Couquet - baixo
Nilcas Vant - bateria
Mr. Xort - teclados
Mr. Hreidmarr - voz

Site oficial:
http://www.mother-anorexia.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Anorexia Nervosa"


Black Metal: lista de cinco bandas do lado sinfônico do satanismoBlack Metal
Lista de cinco bandas do lado sinfônico do satanismo


Quatro filhos: rockabilly, pop rock, prog rock e hard rockQuatro filhos
Rockabilly, pop rock, prog rock e hard rock

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adGoo336