Resenha - W.A.S.P. - W.A.S.P.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos


O debut da banda W.A.S.P., lançado em 1984 é lembrado com muito respeito até os dias atuais por inúmeros músicos do hard rock e até mesmo o heavy metal extremo.

W.A.S.P.: álbum tributo traz brasileiros do Vengeance of Mine, The UnhaliGäst e TyrannoQueen: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Desde o início de sua carreira em Los Angeles, o W.A.S.P., com sua proposta musical e teatral com muito sangue, sadomasoquismo, mulheres seminuas "assassinadas" durante as apresentações, visual cuidadosamente agressivo e politicamente incorreto já chamavam muito a atenção, tanto de apaixonados pela música pesada como pelas entidades que visavam a preservação dos valores e bons costumes da sociedade norte-americana. Com o passar dos mais de vinte anos a banda foi boicotada, taxada de sexista, satanista, seu vocalista foi baleado, problemas com drogas e bebidas de alguns membros, freqüentes trocas de integrantes, etc.

Mas também no decorrer deste período, graças a Blackie Lawless, sua força de vontade e disciplina quase militar no que diz respeito às composições e apresentações ao vivo, sempre produziu trabalhos que são muito acima da média do que se vê por aí, sem contar que Blackie é o tipo de artista que sabe o que dizer em suas músicas com letras geralmente controversas e bem politizadas, não perdoando nada nem ninguém com suas críticas ácidas.

Quanto ao disco homônimo em questão, lançado em 1984, Blackie Lawless, vocalista, baixista e insano mentor, juntamente com Randy Piper e Chris Holmes nas guitarras e o excelente baterista Tony Richards tiveram imensos problemas com esse seu primeiro trabalho, tanto que passaram por diversos estúdios até gravarem todo o álbum.

A faixa de abertura é um de seus maiores clássicos, "I Wanna be Somebody", velocíssima para os padrões da época, inclusive após o solo vem a típica passagem só com a bateria e vozes cantando o refrão, quantas bandas não usaram desse método em seus discos nesta época! A próxima é outro clássico, "L.O.V.E. Machine", com riffs matadores e o disco segue com "The Flame", com umas bases de rock n'roll tão pesado que chega a confundir com metal mesmo; "B.A.D.", quase arrastada e "School Daze", que começa com vozes de alunos em sala de aula enaltecendo os EUA, interrompidas pelas tradicionais guitarras pesadíssimas. Em "Hellion", Blackie põe os pulmões para fora, riffs rasgados e Tony, como em todo o ábum, destrói nas baquetas; "Sleeping (in the Fire)", a balada pesada e soturna que é tocada até hoje em suas apresentações. A próxima faixa, "Tormentor", começa com ruídos de correntes, quebrado pela entrada de todos os instrumentos tocados numa precisão e cadência impressionantes. O disco fecha com "The Tortures Never Stops", que quebra o rítmo violento do álbum.

Este é um disco como poucos que foram lançados pelo mercado norte-americano na primeira metade da década de 80, com excelentes bases e solos de guitarras que se alternam entre os músicos e, como já foi citado, um excelente trabalho de bateria, além dos vocais rasgados e característicos de Blackie Lawless. Tudo isso aliado às composições que não tem como cativar o ouvinte.

Como curiosidade: W.A.S.P. tentou lançar antes deste debut um single "Animal (Fuck Like a Beast)", que foi recusado pela gravadora Capitol Records, só vindo a ser colocada no mercado algum tempo depois pela gravadora Music for Nations, saindo como vinil pic-disc no formato da cabeça de um porco monstruoso e com etiqueta de advertência sobre o conteúdo das letras, hoje um item raríssimo de colecionador.

Banda

Blackie Lawless - Voz e Contrabaixo
Randy Piper - Guitarra
Chris Holmes - Guitarra
Tony Richards - Bateria

W.A.S.P. - W.A.S.P. - (1984) - Capitol Records

- I Wanna be Somebody
- L.O.V.E. Machine
- The Flame
- B.A.D.
- School Daze
- Hellion
- Sleeping (in the Fire)
- On Your Knees
- Tormentor
- The Torture Never Stops


Outras resenhas de W.A.S.P. - W.A.S.P.

W.A.S.P.: a clássica estreia da banda norte-americana




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "W.A.S.P."


W.A.S.P.: álbum tributo traz brasileiros do Vengeance of Mine, The UnhaliGäst e TyrannoW.A.S.P.: turnê em 2020 trará apenas músicas dos quatro primeiros álbuns

W.A.S.P. e Accept: bandas confirmam show único no Brasil em GuarulhosW.A.S.P. e Accept
Bandas confirmam show único no Brasil em Guarulhos

WASP: Por que eles não tocam mais Animal (Fuck Like A Beast)?WASP
Por que eles não tocam mais "Animal (Fuck Like A Beast)"?

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal


Queen: Perguntas e respostas e curiosidades diversasQueen
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adGoo336