Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Airbourne 2022

Resenha - W.A.S.P. - W.A.S.P.

Por Ben Ami Scopinho
Em 30/06/04

O debut da banda W.A.S.P., lançado em 1984 é lembrado com muito respeito até os dias atuais por inúmeros músicos do hard rock e até mesmo o heavy metal extremo.

Desde o início de sua carreira em Los Angeles, o W.A.S.P., com sua proposta musical e teatral com muito sangue, sadomasoquismo, mulheres seminuas "assassinadas" durante as apresentações, visual cuidadosamente agressivo e politicamente incorreto já chamavam muito a atenção, tanto de apaixonados pela música pesada como pelas entidades que visavam a preservação dos valores e bons costumes da sociedade norte-americana. Com o passar dos mais de vinte anos a banda foi boicotada, taxada de sexista, satanista, seu vocalista foi baleado, problemas com drogas e bebidas de alguns membros, freqüentes trocas de integrantes, etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas também no decorrer deste período, graças a Blackie Lawless, sua força de vontade e disciplina quase militar no que diz respeito às composições e apresentações ao vivo, sempre produziu trabalhos que são muito acima da média do que se vê por aí, sem contar que Blackie é o tipo de artista que sabe o que dizer em suas músicas com letras geralmente controversas e bem politizadas, não perdoando nada nem ninguém com suas críticas ácidas.

Quanto ao disco homônimo em questão, lançado em 1984, Blackie Lawless, vocalista, baixista e insano mentor, juntamente com Randy Piper e Chris Holmes nas guitarras e o excelente baterista Tony Richards tiveram imensos problemas com esse seu primeiro trabalho, tanto que passaram por diversos estúdios até gravarem todo o álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A faixa de abertura é um de seus maiores clássicos, "I Wanna be Somebody", velocíssima para os padrões da época, inclusive após o solo vem a típica passagem só com a bateria e vozes cantando o refrão, quantas bandas não usaram desse método em seus discos nesta época! A próxima é outro clássico, "L.O.V.E. Machine", com riffs matadores e o disco segue com "The Flame", com umas bases de rock n´roll tão pesado que chega a confundir com metal mesmo; "B.A.D.", quase arrastada e "School Daze", que começa com vozes de alunos em sala de aula enaltecendo os EUA, interrompidas pelas tradicionais guitarras pesadíssimas. Em "Hellion", Blackie põe os pulmões para fora, riffs rasgados e Tony, como em todo o ábum, destrói nas baquetas; "Sleeping (in the Fire)", a balada pesada e soturna que é tocada até hoje em suas apresentações. A próxima faixa, "Tormentor", começa com ruídos de correntes, quebrado pela entrada de todos os instrumentos tocados numa precisão e cadência impressionantes. O disco fecha com "The Tortures Never Stops", que quebra o rítmo violento do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este é um disco como poucos que foram lançados pelo mercado norte-americano na primeira metade da década de 80, com excelentes bases e solos de guitarras que se alternam entre os músicos e, como já foi citado, um excelente trabalho de bateria, além dos vocais rasgados e característicos de Blackie Lawless. Tudo isso aliado às composições que não tem como cativar o ouvinte.

Como curiosidade: W.A.S.P. tentou lançar antes deste debut um single "Animal (Fuck Like a Beast)", que foi recusado pela gravadora Capitol Records, só vindo a ser colocada no mercado algum tempo depois pela gravadora Music for Nations, saindo como vinil pic-disc no formato da cabeça de um porco monstruoso e com etiqueta de advertência sobre o conteúdo das letras, hoje um item raríssimo de colecionador.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Banda

Blackie Lawless - Voz e Contrabaixo
Randy Piper - Guitarra
Chris Holmes - Guitarra
Tony Richards - Bateria

W.A.S.P. - W.A.S.P. - (1984) – Capitol Records

- I Wanna be Somebody
- L.O.V.E. Machine
- The Flame
- B.A.D.
- School Daze
- Hellion
- Sleeping (in the Fire)
- On Your Knees
- Tormentor
- The Torture Never Stops


Outras resenhas de W.A.S.P. - W.A.S.P.

Resenha - W.A.S.P. - W.A.S.P.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Mad Max: inspirando W.A.S.P., Violator, Biohazard e outros

W.A.S.P.: como Lawless foi parar no filme do Village People e deixou produtor confuso

W.A.S.P.: o casamenteiro de Lita Ford e Chris Holmes!


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.