Matérias Mais Lidas

imagemTico Santta Cruz sai em defesa de Juliette na polêmica com Samantha Schmutz

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemOzzy achou que integrantes do Metallica estavam tirando uma com sua cara durante turnê

imagemMetallica divulga vídeo de "Whiskey In The Jar" ao vivo em Curitiba

imagemLes Claypool, do Primus, explica por que não se tornou baixista do Metallica

imagemClassic Rock lista 15 músicas do saudoso Chris Cornell que você precisa conhecer

imagemComo o Lollapalooza desmereceu Ozzy Osbourne e ele deu a volta por cima

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemJames LaBrie explica como Elon Musk ajudou Dream Theater a vencer um Grammy

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemDiretor afirma que Ozzy e Sharon não liberaram imagens para documentário de Randy Rhoads


PRB

Resenha - Exordium - After Forever

Por Sílvio Costa
Em 19/04/04

Cercado de muita expectativa, este mini-CD do After Forever não decepciona aqueles que se acostumaram a sempre esperar muita qualidade técnica e só vem atestar a maturidade da banda e dos músicos. De cara, duas mudanças significativas. Em primeiro lugar, o processo de composição ficou mais "democrático", envolvendo todos os músicos da banda. Além disso, a saída de Mark Jansen, por outro lado, não prejudicou a sonoridade da banda.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O After Forever fez um disco menos calcado no gótico e, mesmo explorando sonoridades comuns aos seus dois álbuns anteriores, este Exordium traz como principal diferencial o acréscimo de peso e a diminuição das intervenções da orquestra - comuns nos dois discos anteriores.

As duas primeiras faixas são unidas, sendo que "Line of Thoughts" serve de introdução instrumental para a bela "Beneath". A interpretação de Floor Jansen continua soberba, embora ela tenha abandonado um pouco a postura "rocker" do último álbum (Decipher, de 2002), em nome de explorar mais o seu lado "soprano". Em seguida, uma faixa mais lenta, "My Choice", cujo video clipe se encontra no DVD que vem como bônus. É uma bela balada, bem heavy, com um grande trabalho do tecladista Lando Van Gils e, claro, de Floor Jansen. Na seqüência, vem uma faixa com aquelas características que eu, pessoalmente, mais aprecio no After Forever: velocidade e vocais guturais (a cargo do guitarrista Samder Gommans). "Glorifying Means" tem tudo aquilo que é mais típico no After Forever: guitarras pesadas e melódicas, vocalizações grandiosas por parte de Floor Jansen e uma letra muito inteligente.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Mas a melhor de todas as surpresas vem em seguida. Trata-se de "The Evil that Men Do". Que esta é uma das mais difíceis e belas canções do Maiden ninguém duvida. Mas eu duvidei que ela ficaria legal com teclados, vocal feminino e atmosfera gótica. Ficou impressionante. Só ouvindo para crer.

Este mini disco é a maior prova de que o After Forever deixou de ser uma promessa há muito tempo. É uma grande banda, com músicos talentosos e uma vocalista que não se contenta apenas em fazer belas poses para fotos. Agora é só aguardar o álbum "de verdade".


Outras resenhas de Exordium - After Forever

Resenha - Exordium - After Forever

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa.