Resenha - Train Of Thought - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar Correções  


Texto originalmente publicado no

JB Online e no Blog Reviews & Textos.

publicidade

Antes de mais nada, um aviso: gostar de Dream Theater não é para qualquer um. Formada em Nova York, no final da década de 80, a banda é conhecida pelo virtuosimo de seus integrantes e pelas músicas longas, progressivas, cheias de nuances e melodias extremamente elaboradas. Seria algo como o dinossauro canadense Rush, só que mais pesado. É preciso ter estômago e muita paciência para ouvir músicas de até 14 minutos. Mas, os que gostam sabem que trata-se de uma das maiores e mais fantásticas bandas do metal progressivo em todos os tempos.

publicidade

Em Train of Thought, mais recente álbum de estúdio, o Dream Theater aparece mais pesado que nunca, mas nem um pouco direto, como é o costume do grupo. Em quase 70 minutos de CD, apenas sete músicas foram gravadas. Algo para fazer o consumidor se sentir enganado e pedir seu dinheiro de volta? Não! Novamente, gostar da banda não é para qualquer um. É preciso ter estômago. E os que têm e são fãs antigos, certamente vão se deliciar com este trabalho, apesar de claras influências, em alguns momentos, do famigerado new metal, que, no entanto, ficam longe de comprometer.

publicidade

No megalômano e ótimo duplo de estúdio Six Degrees of Inner Turbulence (2002), álbum anterior, a banda já incorporou diferentes influências em seu som, principalmente no primeiro dos CDs, enquanto o segundo trazia oito divisões da faixa-título, num estilo mais do Dream Theater antigo. O novo Train of Thoug é uma mistura dos novos elementos com o som que a banda fazia na época de álbuns como Images & Words (1992) e Awake (1994).

publicidade

As I am é a belíssima faixa de abertura, com um riff maravilhoso do guitarrista John Petrucci, sem dúvida um dos melhores do mundo, e a sempre perfeita cozinha do baixista John Myung e do baterista Mike Portnoy, que, apesar da repetição, deve-se dizer, também é um dos maiores em seu instrumento. O refrão é cantado de forma magistral pelo vocalista James LaBrie.

publicidade

This Dying Soul, em que o tecladista Jordan Rudness despeja seu talento, dá início à sequência de faixas com dez ou mais minutos, quebrada apenas pela baladinha Vacant, quinta música, com menos de três minutos, que vem depois de Honor thy father, a melhor do álbum, e abre caminho para Stream of consciousness, longa e pesada instrumental, uma tradição nos álbuns do Dream Theater, quando a banda mostra todo o seu virtuosismo. O CD termina com a épica In the name of God, que, apesar de 14 minutos, deixa um gosto de quero mais.

publicidade


Outras resenhas de Train Of Thought - Dream Theater

Dream Theater: Train Of Thought é jornada longa, pesada e sombriaDream Theater
Train Of Thought é jornada longa, pesada e sombria

Resenha - Train Of Thought - Dream Theater

Resenha - Train Of Thought - Dream Theater

Dream Theater: Train of Thought é rico e repleto de qualidades




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


John Petrucci: guitarrista lança marca de produtos especiais para barbaJohn Petrucci
Guitarrista lança marca de produtos especiais para barba

Gustavo Carmo: brasileiro lança EP com Rudy Sarzo, Derek Sherinian e Brian Tichy

Derek Sherinian: Não sou um grande fã de rock progressivoDerek Sherinian
"Não sou um grande fã de rock progressivo"

John Petrucci: Eu adoro subir no palco e tocar guitarraJohn Petrucci
"Eu adoro subir no palco e tocar guitarra"

Dream Theater: banda anuncia nono (!) álbum ao vivo da carreira; confira capa e vídeoDream Theater
Banda anuncia nono (!) álbum ao vivo da carreira; confira capa e vídeo

Dream Theater: fãs se surpreendem nas redes com vídeo de John Myung falandoDream Theater
Fãs se surpreendem nas redes com vídeo de John Myung falando

Dream Theater: Petrucci diz que banda tenta fazer algo único a cada disco novoDream Theater
Petrucci diz que banda tenta fazer algo único a cada disco novo

John Petrucci: álbum solo é ótimo, mas longe de ser seu augeJohn Petrucci
álbum solo é ótimo, mas longe de ser seu auge

The Progressive Souls Collective: Aquiles Priester e ex-Dream Theater em supergrupoThe Progressive Souls Collective
Aquiles Priester e ex-Dream Theater em supergrupo

John Petrucci: como ele lida com a barba gigante que cultivaJohn Petrucci
Como ele lida com a barba gigante que cultiva


Tom Grosset: O mais rápido baterista do mundo segundo o GuinnessTom Grosset
O mais rápido baterista do mundo segundo o Guinness

Prog metal: os 25 maiores álbuns da história, segundo o LoudwireProg metal
Os 25 maiores álbuns da história, segundo o Loudwire


Vocalistas: cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy MetalVocalistas
Cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy Metal

Spin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os temposSpin
Os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin