Resenha - Train Of Thought - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Raphael Crespo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Texto originalmente publicado no

JB Online e no Blog Reviews & Textos.

Antes de mais nada, um aviso: gostar de Dream Theater não é para qualquer um. Formada em Nova York, no final da década de 80, a banda é conhecida pelo virtuosimo de seus integrantes e pelas músicas longas, progressivas, cheias de nuances e melodias extremamente elaboradas. Seria algo como o dinossauro canadense Rush, só que mais pesado. É preciso ter estômago e muita paciência para ouvir músicas de até 14 minutos. Mas, os que gostam sabem que trata-se de uma das maiores e mais fantásticas bandas do metal progressivo em todos os tempos.

Em Train of Thought, mais recente álbum de estúdio, o Dream Theater aparece mais pesado que nunca, mas nem um pouco direto, como é o costume do grupo. Em quase 70 minutos de CD, apenas sete músicas foram gravadas. Algo para fazer o consumidor se sentir enganado e pedir seu dinheiro de volta? Não! Novamente, gostar da banda não é para qualquer um. É preciso ter estômago. E os que têm e são fãs antigos, certamente vão se deliciar com este trabalho, apesar de claras influências, em alguns momentos, do famigerado new metal, que, no entanto, ficam longe de comprometer.

No megalômano e ótimo duplo de estúdio Six Degrees of Inner Turbulence (2002), álbum anterior, a banda já incorporou diferentes influências em seu som, principalmente no primeiro dos CDs, enquanto o segundo trazia oito divisões da faixa-título, num estilo mais do Dream Theater antigo. O novo Train of Thoug é uma mistura dos novos elementos com o som que a banda fazia na época de álbuns como Images & Words (1992) e Awake (1994).

As I am é a belíssima faixa de abertura, com um riff maravilhoso do guitarrista John Petrucci, sem dúvida um dos melhores do mundo, e a sempre perfeita cozinha do baixista John Myung e do baterista Mike Portnoy, que, apesar da repetição, deve-se dizer, também é um dos maiores em seu instrumento. O refrão é cantado de forma magistral pelo vocalista James LaBrie.

This Dying Soul, em que o tecladista Jordan Rudness despeja seu talento, dá início à sequência de faixas com dez ou mais minutos, quebrada apenas pela baladinha Vacant, quinta música, com menos de três minutos, que vem depois de Honor thy father, a melhor do álbum, e abre caminho para Stream of consciousness, longa e pesada instrumental, uma tradição nos álbuns do Dream Theater, quando a banda mostra todo o seu virtuosismo. O CD termina com a épica In the name of God, que, apesar de 14 minutos, deixa um gosto de quero mais.


Outras resenhas de Train Of Thought - Dream Theater

Dream Theater: Train Of Thought é jornada longa, pesada e sombriaDream Theater
Train Of Thought é jornada longa, pesada e sombria

Resenha - Train Of Thought - Dream TheaterResenha - Train Of Thought - Dream TheaterDream Theater: Train of Thought é rico e repleto de qualidades




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dream Theater"


Dream Theater: 30 anos depois, Charlie Dominici publica video raro da bandaDream Theater
30 anos depois, Charlie Dominici publica video raro da banda

Mike Portnoy: compartilhando imagens com a mãe, falecida tragicamenteMike Portnoy
Compartilhando imagens com a mãe, falecida tragicamente

Dream Theater: Mike Portnoy diz que precisava de um tempo da bandaDream Theater
Mike Portnoy diz que "precisava de um tempo" da banda

Dream Theater: fãs queriam Pull Me Under fora dos shows, crê James LaBrieDream Theater
Fãs queriam Pull Me Under fora dos shows, crê James LaBrie

Sons of Apollo: novo álbum MMXX será lançado em janeiro de 2020; veja teaserSons of Apollo
Novo álbum MMXX será lançado em janeiro de 2020; veja teaser

Mike Portnoy: no colo do Papai Noel e reclamando de horários de shows no BrasilMike Portnoy
No colo do Papai Noel e reclamando de horários de shows no Brasil

Mike Portnoy: como estão sendo os shows com Noturnall e Edu Falaschi no BrasilMike Portnoy
Como estão sendo os shows com Noturnall e Edu Falaschi no Brasil

Em 04/11/1956: nascia o tecladista Jordan Rudess

Mike Portnoy: assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileirosMike Portnoy
Assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileiros

Em 26/10/1999: Dream Theater lançava Metropolis Pt. 2 Scenes from a Memory

Mangini: Toda noite agradeço por estar no Dream TheaterMangini
"Toda noite agradeço por estar no Dream Theater"

Mike Portnoy: ele sabe que não é o melhor baterista de todosMike Portnoy
Ele sabe que não é o melhor baterista de todos


Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Whiplash.Net: O site protege algumas bandas e prejudica outras?Whiplash.Net
O site protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Raphael Crespo

Raphael Crespo é jornalista, carioca, tem 25 anos, e sempre trabalhou na área esportiva, com passagens pelo jornal LANCE! e pelo LANCENET!. Atualmente, é editor de esportes do JB Online, mas seu gosto por heavy metal o levou a colaborar com a seção de musicalidade do site do Jornal do Brasil, com críticas de CDs e algumas matérias especiais, que também estão reunidas em seu blog (http://www.reviews.blogger.com.br). Sua preferência é pelo thrash metal oitentista, mas qualquer coisa em termos de som pesado é só levantar na área que ele mata no peito e chuta. Gosta também de outros tipos de som, como MPB, jazz e blues, mas só se atreve a escrever sobre o que conhece melhor: o metal.

Mais matérias de Raphael Crespo no Whiplash.Net.

adGoo336