Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemNoel Gallagher relembra o dia em que foi ao show de uma banda cover de Oasis

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemO hit do Blind Guardian inspirado em história que deixou banda de queixo caído

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera


Samael Hypocrisy
Stamp

Resenha - 90125 - Yes

Por Rafael Ferrara
Postado em 24 de fevereiro de 2004

Desde seu lançamento até hoje, este sempre foi considerado o álbum mais pop do Yes, mas em nenhum momento podemos considerar como um trabalho diferente da linha progressiva que em toda sua carreira foi facilmente percebida. Está certo que na maioria das vezes que alguém o escutava era única e exclusivamente devido ao hit Owner of a lonely heart. Até mesmo porque existia um grande preconceito com a formação neste álbum, a ausência de Rick Wakeman ainda não havia sido aceita, o mesmo pode ser dito de Steve Howe que também não está presente. Estes são substituídos respectivamente por Tony Kaye e Trevor Rabin. O primeiro não deixa a desejar fazendo o básico, deixando a atenção sobre os demais. Já Trevor mostra todas as suas qualidades, desde do peso na guitarra a solos precisos, ele também exibe grande competência na parte vocal, em que supera com grande facilidade Steve Howe. Tanto que posteriormente em sua carreira solo ele se torna um gigante quando se trata de fazer trilha sonora, o que podemos notar facilmente em "Rockstar" no qual toda a trilha é de sua autoria. Sua capacidade de criação é tão grande que em todas as músicas deste álbum possui uma participação sua. Quanto aos demais não tem nada que possa ser comentado de diferente, eles se mantêm na mesma eficiência que exibem desde os seus primeiros trabalhos. Joh Anderson continua mantendo sua voz, tecnicamente perfeita, como a marca registrada do Yes. Já Chris Squire deixa suas principais marcas registradas, seu poderio fazendo backing vocals, seu potente baixo fazendo uma excelente base e sua participação criativa em quase todas as músicas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Durante todo o álbum percebe-se uma constante como em toda historia do Yes. A parte vocal continua de forma bem forte, desde de um simples refrão até a capela, como na faixa Leavet it na qual ambas ficam evidentes.
Em It can happen, Changes e Our song temos ótimas faixas com o mais puro rock progressivo ao estilo do Yes, no qual Cinema com um ar de faixa interlude completa toda a postura deste álbum como progressivo. A presença reconhecida de Trevor na criação de Hold on mostra uma certa diferença entre as demais faixas, mas mantendo ainda assim uma regularidade e não perdendo a base progressiva presente de forma igual entre as outras.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Temos que concordar com a fama de mais pop de todos os trabalhos do Yes, City of love e a falsa baladinha Hearts não nos deixa mentir, apesar de serem as duas últimas e que sendo assim podem ser facilmente esquecidas. Porém, completando a fama adquirida, temos o super hit Owner of a lonely heart que se não bastasse ter a postura mais pop dentro das demais, ainda por cima abre o cd criando uma falsa expectativa que logo é consertada pela seqüência do mais puro rock progressivo que acaba sendo estragada pelas duas últimas faixas pop que encerram o trabalho.

Mesmo não sendo a formação mais clássica do Yes e não possuir uma presença progressiva em todo o trabalho, 90125 é um álbum agradável, no qual até o mais crítico dos ouvintes pode apreciá-lo sem muitas dificuldades. No entanto, possui uma curta duração nas faixas comparado com os demais álbuns do Yes, deixando-o assim longe de se tornar um dos melhores já lançados por eles.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Playlist:
01 - Owner of a lonely heart
02 - Hold on
03 - It can happen
04 - Changes
05 - Cinema
06 - Leave it
07 - Our song
08 - City of love
09 - Hearts


Outras resenhas de 90125 - Yes

Resenha - 90125 - Yes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Steve Howe conta que só agora o Yes toca "Close to the Edge" como ela foi escrita

Yes: as dez melhores performances de Chris Squire

1978: 70 discos de rock e metal lançados há 40 anos

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Rafael Ferrara

Rafael Ferrara é locutor da Rádio Catedral do Rock (90,1 FM - Petropólis - RJ) onde apresenta o programa Arquivo do Rock todos os sábados às 14 horas. Ele também apresenta o podcast Faixa a Faixa com Jorge Felipe Coelho. Apaixonado por música, Rafael Ferrara acredita que música é memória afetiva porque preenche os espaços da vida. Seu Instagram é @ferrararcr

Mais matérias de Rafael Ferrara.