Resenha - Microscopic View of A Telescopic Realm - Tourniquet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurígio Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


A entrada de Luke Easter no Tourniquet mudou muita coisa na banda. Quem poderia imaginar que o mesmo Tourniquet de seus três primeiros álbuns (os melhores), gravaria coisas como Crawl To China e Carry The Wounded? O novo frontman abriu uma imensidão de novas possibilidades para a mente criativa de Ted Kirkpatrick. Vanishing Lessons de 1994 já mostrava uma sonoridade imensamente diferente dos álbuns anteriores, Crawl To China de 1997 foi o maior experimento da banda, destoando de toda a sua obra até aquele momento.

Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?Morreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy Kilmister

Baladas melosas como When The Love Is Right e If I Was There seriam inimagináveis anteriormente, seus vocais extremamente versáteis e camaleônicos permitiram ao grupo explorar várias vertentes do metal.

Microscopic View of a Telescopic Realm, o 4º trabalho de estúdio de Luke, veio para resgatar a brutalidade daquele thrash metal único dos primórdios, só que complementado por intervenções e passagens clássicas bem pesadas e próprias, e um toque reconhecidamente hardcore.

Besprinkle in Scarlet Horror, é uma ode à criatividade. Como é bom ouvir Luke fazendo os seus vocais mais brutais e agressivos desde a sua entrada na banda. É ótimo ouvir Ted destruindo os dois bumbos e seu kit como há tempos não fazia. E é quase orgástico reconhecer aquele timbre denso, rasgado e pesado de guitarra, cozinha devastadora, bateria incansável, toneladas de criatividade e mudanças de andamentos, climas, vocais, solos, riffs, música clássica, hardcore, e uma variedade impressionante de vocais por parte de Luke. O bom, velho e sempre surpreendente Tourniquet voltava a fazer nossos ouvidos sangrarem, e mais uma vez mostrava ao metal mundial que é possível ser criativo sem recorrer a clichês pré-fabricados e influências descaradas. O Tourniquet nunca se contentou em manter a mesma sonoridade; sua disparidade é a prova de sua competência, talento e originalidade.

Divido este álbum em duas partes. A primeira compreende as músicas mais longas e quebradas, que termina em Erratic Palpitations of the Human Spirit, a 6º faixa. Os riffs criativos, funcionais e empolgantes transbordam pelas músicas. Luke Easter destrói, humilha, mostra toda sua técnica em interpretações perfeitas, brutais sem soar forçado, melódico sem soar chato, belo sem parecer falso, rápido com naturalidade e lento com perfeição. Ou seja, faz tudo aquilo que pouquíssimos vocalistas no planeta conseguem reunir em um álbum só.

As percussões (muito interessantes e bem colocadas) e principalmente os solos, ah! os solos, Aaron Guerra poderia tocar o que quisesse depois deste álbum que sua reputação estaria intocada, seu nível de originalidade, pegada e criação neste cd ultrapassa o limite do compreensível.

Como resistir a coisinhas ultramente brutais, melódicas, técnicas e progressivas como Drinking From The Poisoned Well, The Tomb Of Gilgamesh e a faixa título? Simplesmente não dá.

As letras de Ted se mostram mais complexas, profundas e cerebrais do que nunca.

A segunda parte do cd tem inicio com Martyr's Pose, que para nós brasileiros tem um atrativo a mais, o uso de um legítimo berimbau "made in Brazil" na sua introdução, fora que a música é um thrash-hardcore dos melhores, dotado de um refrão muito acertado.

Immunity Vector é um instrumental criado especialmente para fascinar a comunidade metálica, guitarra, baixo e bateria dão show o tempo todo. Thrash progressivo como quase ninguém é capaz de criar, tem até flauta no meio!

The Skeezix Dilemma Part II mostra-se bem superior a sua primeira parte (encontrada no álbum Pathogenic Ocular Dissonance), a mais clássica e completa de todas, emocionante e perfeita do inicio ao fim.

Pra mim, este álbum é simplesmente o melhor de toda a história do Tourniquet até agora, o que não é pouca coisa, por toda a experiência, técnica e estilos musicais aqui reunidos de forma brilhante. Merece um 10, um 10 redondo, dado com prazer.

Histórico. Indispensável.

Formação:
Luke Easter (vocais)
Aaron Guerra (guitarra, vocais)
Ted Kirkpatrick (bateria)

Track List:
01. Besprinkled In Scarlet Horror
02. Drinking From The Poisoned Well
03. Microscopic View From A Telescopic Realm
04. The Tomb Of Gilgamesh
05. Servant Of The Bones
06. Erratic Palpitations Of The Human Spirit
07. Martyr's Pose
08. Immunity Vector
09. Indulgence By Proxy
10. Caixa De Raiva
11. The Skeezix Dilemma Part II (The Improbable Testimony Of The Pipsisewah)

Tempo Total: 70:00 min.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tourniquet"


Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?Vinil
Quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Morreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy KilmisterMorreu Dormindo
As últimas horas de vida de Lemmy Kilmister


Sobre Maurígio Gomes Angelo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336