Resenha - Desert Land - Narnia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8


Confesso: depois de ouvir algumas músicas (não os cds completos) dos álbuns "Awakening" e "Long Live The King", eu fiquei com um certo "ranço" com o Narnia, achava que a banda não era isso tudo que diziam. Pura ilusão.

Epica: belas fotos da bela vocalista Simone SimonsHumor: Roupas de seda? Espadas? Você precisa ser épico!

Meu "ranço" foi embora por completo logo na audição das duas primeiras músicas de "Desert Land". Abandonando um pouco os neo-classicismos dos álbuns anteriores e adotando uma veia mais agressiva e independente, o Narnia acertou em cheio neste trabalho.

"Inner Sanctum" (que refrão!) e "The Witch and The Lion" não deixam pedra sobre pedra. Tudo soa mais pesado, agressivo e direto.

Christian Liljegren parte claramente para uma entonação mais grave e Carl Johan Grimmark (pomposo, o rapaz...) abandona um pouco as levadas hard rock melódicas a là Malmsteen e brinda nossos ouvidos com interpretações metálicas de peso.

Quando a banda diminui o ritmo e aposta em faixas mais cadenciadas (e levemente mais melódicas), o resultado não é tão bom. Mas muito longe de ser ruim, "Falling From The Throne" e "Revolution of Mother Earth" representam esta parte.

Na instrumental "The Light At The End Of The Tunnel", Carl Johan Grimmark (para quem não o conhece, seu posto entre os melhores da atualidade está garantido) não me deixa falar um "a" em relação a ele. Se bem que no estado embasbacante em que fiquei, não iria conseguir mesmo.

"Angels Are Crying" reforça a qualidade e facilidade do grupo em criar bons refrãos, coisa que os seus compatriotas do Hammerfall também fazem muito bem. Depois de uma parte mais morna, a tipicamente speed/power "Walking The Wire" salta aos olhos. A harmonia instrumental desta música é impressionante e seus backing vocals fortes também ajudam.

Desculpe, Carl Johan, mas "Misty Morning", apesar de ser outra bela faixa instrumental e mostrar sua evolução e sensibilidade musical, não convence e se mostra desnecessária. Colocar duas faixas instrumentais em um cd com nove faixas, mesmo sendo boas, pra mim é exagero e estrelismo demais. Cuidado para não cometer os mesmos erros de sua influência maior, né, Yngwie Malmsteen?
A longa "Trapped in This Age" é um apanhado do hard rock classicista de guitarras pesadas que o grupo pratica, com influências notáveis de Uriah Reep, Dio, Rainbow e Royal Hunt. Pende para o melódico/power em alguns momentos do cd.

"Desert Land" mostra uma evolução considerável aos álbuns anteriores, e abre um novo e sábio caminho mais pesado escolhido pelo grupo, mas que ainda derrapa em pequenos detalhes que poderiam ser resolvidos facilmente. Mesmo assim é um álbum muito indicado para todos que gostem dos estilos, sub estilos e influências aqui citados.

Formação:
Christian Liljegren (vocal)
Carl Johan Grimmark (guitarra)
Jakob Person (baixo)
Andreas Jonhansson (bateria)
Martin Claesson (teclados)

Lançado em território nacional pela Nuclear Blast.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Narnia"


Epica: belas fotos da bela vocalista Simone SimonsEpica
Belas fotos da bela vocalista Simone Simons

Humor: Roupas de seda? Espadas? Você precisa ser épico!Humor
Roupas de seda? Espadas? Você precisa ser épico!


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336