Resenha - Burning Down the Opera; Live - Edguy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


"Mandrake" foi definitivamente um cd importantíssimo para o Edguy. Além do reconhecimento que a banda obteve como um dos nomes do power-metal mundial, propiciou aos rapazes uma turnê extensa, que inclusive passou pelo Brasil em 2001. Este CD ao vivo foi retirado de vários shows da turnê, e segundo a própria banda, alguns "overdubs" (gravações de estúdio) foram usados para correção de erros, uma atitude corajosa que muitos deveriam assumir, afinal, se você vai mesmo usar porque ficar negando como muitos fazem?

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboMetallica: o video game da banda que nunca foi lançado

Logo de início a banda emenda as excelentes "Fallen Angels" e "Tears of Mandrake", dando seqüência com "Babylon" (uma das mais empolgantes do cd "Theater of Salvation") e "Land of Miracle". Além destas os destaques do primeiro cd ficam para a excelente e cadenciada "The Headless Game" e negativamente para a boa "The Pharaoh" que apesar de ser uma boa composição, fica meio cansativa em seus dez minutos, podendo ser substituída por várias músicas que preeencheriam o espaço com mais empolgação.

No segundo CD as coisas começam bem com "Vain Glory Opera" (do CD de mesmo título), com uma boa levada que contagia o público (que parece meio ausente por várias vezes) seguida de um solo de bateria simples e correto e não muito longo. A inclusão do solo é uma boa pedida, desde que o mesmo não se torne entediante e cansativo, e o Edguy até que não fez feio. "Save Us Now", com seu jeito Helloween de ser salva o jogo, mas o maior destaque ficam para os dois temas do projeto "Avanthasia" (criado por Tobbias Sammet), "Inside" (aonde sente-se a falta dos vocais em falsete de André Matos) e a faixa título, que faz o público explodir, sendo bem executada pela banda, se bem que os "overdubs" nas vozes devem ter sido bem colocados, pois os coros estão perfeitos, e a banda tinha uma boa dificuldade em executá-los. "Out of Control" encerra o show com competência.

A banda é competente e coesa. Tobbias Sammet se mostra um bom vocalista e um bom "frontman" (embora em alguns momentos ele dê umas pisadas na bola que eu prefiro não citar, descubra você mesmo), tem uma voz limitada, mas usa habilmente seus recursos, e o trabalho de guitarras é eficiente, complementado por uma cozinha bem entrosada. Um bom trabalho, que peca pela ausência do público em vários momentos e pela escolha das músicas, que poderia ter privilegiado trabalhos mais antigos, como mais temas do cd "Kingdom of Madness" por exemplo. Mas vale conferir.

Site oficial: Http://www.edguy.net

Line Up:
Tobbias Sammet - Vocais
Jens Ludwig - Guitarras
Dirk Sauer - Guitarras
Tobias Exxel - Baixo
Felix Bohnke - Bateria

Lançado pela Rock Brigade Records em 2003.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Edguy"


1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos

Avantasia: Andre Matos devolve os elogios de Tobias SammetAvantasia
Andre Matos devolve os elogios de Tobias Sammet


Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Metallica: o video game da banda que nunca foi lançadoMetallica
O video game da banda que nunca foi lançado


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336