Resenha - Golden Age of Grotesque - Marilyn Manson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

9


"Barbie, Barbie, Bitch, Bitch, Rebel, Rebel, Party, Party, Sex, Sex and don’t forget the Violence... This is the New Shit!" vocifera Mr. Marilyn Manson na primeira faixa de seu novo cd. "The Golden Age of Grotesque" é o mais novo lançamento de um garoto chamado Brian, que se revoltou contra o mundo e resolveu expor sua revolta através de música. Criou um personagem misturando dois ícones da cultura pop, a estrela de cinema Marilyn Monroe e o assassino Charles Manson. M. Manson já foi Anticristo, popstar, e tudo o que você possa imaginar. Como David Bowie fez nos anos 70, Mr. Manson quer criar personagens e passar sua mensagem, só que de maneira diferente é claro. Agora ele se apresenta como o ditador de um novo mundo, no que isso vai dar???

publicidade

"This is a New Shit" e "mOBSCENE" são exemplos claros de críticas a sociedade comum. Exaltando o mais podre e fétido estereótipo da vida humana, Manson propõe uma nova era, como fica claro em "Use Your Fist and Nut Your Mouth". A música de Manson continua muito similar a seus últimos lançamentos: um som pesado, com base no heavy, mas lotado de elementos eletrônicos e os vocais quase sussurrados de Manson, embora esteja mais próxima da porradaria de seu clássico maior, "The Antichrist Superstar".

publicidade

O cd todo é uma amostra de tudo o que Manson já fez no lado musical: músicas mais eletrônicas com um pé no New Metal como "The Golden Age of Grotesque", "Stuntgarden", uma que só tem o símbolo do Ás de Espadas (? – com uma levada maluca, mas interessante) e "Para-Noir", e músicas aonde a banda capricha no peso e distorção como "Ka-boom,Ka-Boom", "The Bright Young Things" (que lembra o Ministry mais recente) e a melhor de todas, "Vodevil", que remete aos primeiros trabalhos de Mr. Manson, quando ele apenas era o vocalista de uma banda meio maluca. O cd fecha com uma semi-balada, cujo nome chega a ser maior que sua duração, "Obsequey (The Death of Art".

publicidade

No fundo, este é um dos melhores cd’s de Marilyn Manson, não só pelo conceito que é inteligente, embora possa ser contestado por muitos e pela diversidade musical, que foge todo o tempo do dançante e do pesado, procurando sempre estar num meio termo. Para quem já foi Anticristo, Cobaia de Experiências Genéticas, Artista de Hollywood, até que o cara pegou a manha de fazer obras interessantes. De brinde limitado, o cd vem com um DVD, contendo um filme especial feito por Mr. Manson, "Doppleherz", aonde você poderá penetrar mais fundo na mente desse rapaz meio estranho (quem foi ao show de São Paulo que me conteste se puder). Interessante.

publicidade

Line Up:
Marilyn Manson – Vocal
John 5 – Guitarra
M.W. Gacy – Teclados, Eletrônica
Ginger Fish – Bateria

Site oficial: http://www.marilynmanson.com

Lançado em 2003 pela Nothing/Interscope Records.

publicidade


Outras resenhas de Golden Age of Grotesque - Marilyn Manson

Marilyn Manson: 10 anos de "The Golden Age of Grotesque"


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin