Resenha - Damage Done - Dark Tranquillity

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A terra de figuras fabulosas como Astrid Lindgren, Greta Garbo, Stefan Edberg e Ingrid Bergman, está colocando seu nome na história mais uma vez. Contudo, desta feita, a marca deixada não é por atrizes, escritores ou esportistas. A Suécia construiu, em tempo recorde, uma cena de música pesada que deverá ser lembrada pelas gerações porvir da mesma forma que a “Bay Area” de São Francisco.
325 acessosDark Tranquillity: show em São Paulo no início de setembro5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Gotemburgo especialmente chama atenção, com um espaço eclético, o qual vai de Freak Kitchen a Evergrey, e ganha fama maior nas bandas do chamado “death melódico” , como At The Gates, In Flames, Soilwork, e este do qual falaremos a seguir, o Dark Tranquillity.

É incrível como o grupo ainda soa como novidade às vezes. Entretanto, são onze anos de estrada, desde a apresentação de “Trail Of Life Decayed” (1991). E esse ‘mais de uma década’ já dá um nome de respeito e um campo de possibilidades de trabalho imenso, protegido pela qualidade dos álbuns lançados e de investidas as quais, mesmo polêmicas, como “Projector” (1999), acabaram bem sucedidas.

“Damage Done” é outra pancada do conjunto, agora menos engajado com a parte eletrônica, contudo aproveitando-se do lado bom que adquiriu na experiência de seu uso, e introduzindo-a de forma esplêndida tanto nas passagens pesadas, quanto nos lances climáticos, transpostos de maneira mais leve.

É inegável que dá um sentimento parco de algo se repetindo aqui e ali. Igualmente, seria ridículo negar a perspicácia dos suecos mesmo em território explorado anteriormente. Basta ouvir “Final Resistance”, “Monochromatic Stains”, “Cathode Ray Sunshine” e finalizar com a inusitada instrumental “Ex Nihilo”, todas em execuções impecáveis.

Certamente, as doze faixas presentes – contando com o vídeo de “Monochromatic Stains” –, fazem deste um dos melhores lançamentos do ano que se passou. E aqueles que acompanharam o alto nível de 2002 estão cientes de que isso é o bastante pra expressar a excelência do CD. Nem era preciso ler os outros parágrafos.

Formação:
Mikael Stanne (Vocais)
Niklas Sundin (Guitarra)
Martin Henriksson (Guitarra)
Michael Nicklasson (Baixo)
Anders Jivarp (Bateria)

Site Oficial – http://www.darktranquillity.com

Material cedido por:
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: brasil@centurymedia.com.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Damage Done - Dark Tranquillity

693 acessosResenha - Damage Done - Dark Tranquillity

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

325 acessosDark Tranquillity: show em São Paulo no início de setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dark Tranquillity"

Metal suecoMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dark Tranquillity"

Danilo GentiliDanilo Gentili
O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

João GordoJoão Gordo
Quais são as bandas que ele ouve hoje em dia?

Gothic MetalGothic Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

5000 acessosRegis Tadeu: explicando por que o Slipknot é tão odiado5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19905000 acessosClassic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 805000 acessosMetallica e Guns N' Roses: Em 1992, a histórica turnê conjunta5000 acessosMike Oldfield: não só "Tubular bells"5000 acessosAC/DC: os últimos dias do vocalista Bon Scott

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online