Resenha - Of Human Bondage - Angel Dust

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


A insatisfação humana é uma base real da existência. Na música, essa idéia não foge à regra. Quando uma banda se repete ou faz algo semelhante a outra, falamos de sua pouca originalidade e unicidade. Por outro lado, na hora que os músicos resolvem variar, surge uma patrulha de humanos ferozes com as mudanças. O Angel Dust é o alvo da vez.

História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosExcessos: como os rockstars gastam os seus milhões

Um grupo que sobrevive a uma parada de dez anos, depois de boa repercussão nos anos 80, com "Into The Dark Past" (1986) e "To Dust You Will Decay" (1988), e retorna detonando e lançando álbuns fantásticos, merece, no mínimo, respeito e valorização devida.

O problema, pra alguns murrinhas, obviamente, é que o Angel Dust mudou. "Bleed" (1999) e "Enlighten The Darkness" (2000) já davam sinais disso, e "Of Human Bondage" explicitou sem margem de dúvidas. Tem gente descabelando à-toa, pois a pancadaria continua e os experimentos foram amplamente aprovados.

Não é mais aquele grupo de thrash / speed de começo de carreira. Agora há toques progressivos aqui e ali, e o principal, melodias marcantes, as quais me fazem crer que superam aqueles rememoráveis refrões do disco precedente. Exemplos disso estão em "Inhuman", "Disbeliever", "The Cultman", "Freedom Awaits" e em outras partes das seis faixas restantes.

Quer aproveitar "Of Human Bondage"? Então se prepare para teclados pesados e intensos, riffs agressivos, - contando agora com a colaboração de Ritchie Wilkison (guitarrista de turnê do Demons & Wizards) - e vocais tensos, tenebrosos e altamente melodiosos ao mesmo tempo. Além, é claro, de uma bela versão para "Killer" do Seal.

Banda predestinada e mais do que nunca, no caminho certo. Acertaram em cheio e com adesão, têm ótimas chances de ir ainda além.

Site Oficial - http://www.angel-dust.de

Formação:

Dirk Thurisch (Vocais)
Ritchie Wilkison (Guitarras)
Steven Banx (Teclados)
Frank Banx (Baixo)
Dirk Assmuth (Bateria)

Material cedido por:
Century Media Records - http://www.centurymedia.com.br
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: brasil@centurymedia.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Angel Dust"


Metal: dez álbuns provam que 1986 foi o ano do ThrashMetal
Dez álbuns provam que 1986 foi o ano do Thrash


História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosHistória do rock
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

Excessos: como os rockstars gastam os seus milhõesExcessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Duff McKagan: ensinando quem não pode beber a beberDuff McKagan
Ensinando quem não pode beber a beber

Metallica: 'St. Anger' foi um ponto baixo, diz HetfieldMetallica
"'St. Anger' foi um ponto baixo", diz Hetfield


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336