Resenha - Remedy Lane - Pain Of Salvation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Não quero dar uma de profeta do acontecido, mas desde que ouvi o debute do Pain Of Salvation - "Entropia" (1997) -, semanas após o seu lançamento, sabia que algo de especial havia nessa banda e que muito barulho seria feito em torno dela. Nem se trata de mérito perceptivo meu. Apenas se torna algo óbvio quando surge um ser como Daniel Gildenlöw, no qual ocorre união de vasto conhecimento teórico musical, genialidade estrutural, criatividade extrema, e capacidade máxima de interpretação e expressão de sentimentos, seja através dos instrumentos sonoros ou das letras e conceitos dos álbuns.

Mike Terrana: "Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"Metal Up Your Ass: Os primórdios do Metallica

O que realmente me pegou de surpresa e ainda o faz a cada material novo destes suecos, é que eles parecem não ter limites. Quando você imagina que chegaram ao ápice, provam-te o contrário. Dar qualificação total a qualquer trabalho deles é um perigo, pois provavelmente no próximo disco haverá mais uma prova irrefutável de superação, a qual fará você pensar seriamente em dar nota onze ou doze num limite de dez.

"Remedy Lane" é o quarto torpedo atirado pelo grupo a favor do metal progressivo, estremecendo paradigmas importunadores caracterizados pelos clones irremediáveis de Dream Theater, Symphony X & cia. E sabe o que é melhor? A forma que o conjunto achou para apresentar suas novas tendências de prática e leitura do estilo é tão única, íntima e pessoal, que dificulta ao máximo o aparecimento de cópias e bandinhas sanguessugas.

Desmembrar o conceito do disco seria agredir a individualidade de cada leitor desta crítica. A imensidão e profundidade das idéias, e as reflexões que estas podem gerar, não permitem uma análise generalizante. São necessárias percepção e captação próprias, do ouvinte por si só. De maneira bem abrangente, digamos que se trata de uma história sobre relações afetivas humanas e sexualidade.

O álbum, envolvido numa produção incrível, é em si, creio eu e espero que eles me desmintam novamente no futuro, o balanço perfeito encontrado pelo Pain Of Salvation. Consiste na junção harmoniosa da abstrusidade escancarada e avassaladora audível especialmente em "Entropia" (1997) e "One Hour By The Concrete Lake" (1998), e a complexidade meticulosa e acessível de "The Perfect Element Part I" (2000). Contudo, ultrapassa os limites desse colossal terreno, e se engaja em novos experimentos, com elementos até então pouco explorados pelo grupo, como o folclórico escandinavo.

Para finalizar e comentar músicas como "This Heart Of Mine (I Pledge)" e "Undertow", falando ainda sobre as interpretações de Daniel Gildenlöw nos vocais, uso da expressão de um grande amigo ao contemplar "Brave" do Marillion: "só faltou vir acompanhado por lágrimas".

Site Oficial - http://www.painofsalvation.com

Formação:

Daniel Gildenlöw (Vocais - Guitarra)
Johan Hallgren (Guitarra - Vocais)
Fredrik Hermansson (Teclados)
Kristoffer Gildenlöw (Baixo - Vocais)
Johan Langell (Bateria - Vocais)

Material cedido por:

Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua Dr. João Maia, 199 - Aclimação
CEP: 04109-130 - São Paulo / SP - BRASIL
Tel: (0xx11) 5539-7415 / 5083-2727 / 5083-9797
Fax: (0xx11) 5083-3077
Email: hellion@uol.com.br


Outras resenhas de Remedy Lane - Pain Of Salvation

Resenha - Remedy Lane - Pain Of Salvation




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Pain Of Salvation"


Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Pain Of Salvation: A opinião de Gildenlöw sobre os MamonasPain Of Salvation
A opinião de Gildenlöw sobre os Mamonas

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002


Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Metal Up Your Ass: Os primórdios do MetallicaMetal Up Your Ass
Os primórdios do Metallica

Bruce Dickinson: sua coleção de clássicos do MetallicaBruce Dickinson
Sua coleção de clássicos do Metallica

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Led Zeppelin: as referências em Rock and RollLed Zeppelin
As referências em "Rock and Roll"

Bon Jovi: A coleção do paulista Flávio CelestinoBon Jovi
A coleção do paulista Flávio Celestino


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336