Resenha - Falange Canibal - Lenine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


O músico de MPB mais rock do Brasil está de volta com sua "Falange Canibal". Depois de obras-primas da música brasileira como "O Dia Em Que Faremos Contato" e "Na Pressão", a curiosidade era grande para saber o que poderíamos esperar de seu novo álbum. LENINE não decepciona.

Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadGlen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro

Algumas mudanças são latentes logo nas primeiras faixas: há uma maior tendência eletrônica do que nos CDs anteriores e uma apresentação mais "moderna" em todas composições, sem perder a visão do passado. As letras continuam brilhantes e a poética do compositor continua intacta.

"Ecos do Ao" abre a série de músicas que faz o ouvinte refletir, relaxar, apreciar e aprender com um dos maiores músicos da atualidade, respeitado aqui dentro e lá fora, em toda sua complexidade, em momentos lindos, emocionantes e sinceros.

"Lavadeira do Rio" lembra seus antigos clássicos, enquanto "Quadro-Negro" traz uma realidade dura que Lenine tenta nos mostrar. "Falange Canibal" fecha com a excelente "Rosebud (o Verbo e a Verba)" e "O Homem Dos Olhos de Raios X" (que já tem clipe rolando) . Além disso o CD ainda traz convidados especialíssimos (constante nos discos de Lenine), entre eles o Living Colour (a banda inteira) e a cantora Ani DiFranco. "Falange Canibal" conseguiu êxito na sua procura, é realmente uma grande zona franca de arte. Vida longa a Lenine.

Imperdível.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lenine"


Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Metallica: a lista de exigências da banda em 1983Metallica
A lista de exigências da banda em 1983

Corey Taylor: não comprem a playboy da Lindsay LohanCorey Taylor
"não comprem a playboy da Lindsay Lohan"

Slash: Adele é uma injeção no braço da indústriaSlash
"Adele é uma injeção no braço da indústria"

Ozzy Osbourne: quem manda no Black Sabbath é o Tony IommiOzzy Osbourne
Quem manda no Black Sabbath é o Tony Iommi


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336