Resenha - Waking The Fury - Annihilator

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Faria
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Como é bom ouvir o bom e velho thrash metal executado com perfeição por um dos seus principais nomes: o Annihilator. Nada de saudosismo não, é thrash sim, mas com elementos atuais e com uma sonoridade bastante contemporânea.

Annihilator: banda lança sua nova música "I Am Warfare"; confiraAxl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

Isso graças ao novo som de guitarra (bastante estridente!) de Jeff Waters, em que a distorção é levada ao extremo, criando um som vigoroso, pesado e matador. Waters, que também cuidou da produção do disco, continua um mestre na arte de criar solos empolgantes e riffs ferozes, sem contar a impressionante velocidade que o cara tem na mão direita, apresentando palhetadas insanas. Músicas como "Ultramotion", "Striker", "Cold Blooded" deixam qualquer um com o queixo caído.

Em "Waking The Fury" pela primeira vez o Annihilator conta com o mesmo vocalista em dois CDs consecutivos, com exceção dos álbuns que o próprio Jeff Waters gravou os vocais. Joe Comeau (ex-Overkill) já tinha mostrado seu talento em "Carnival Diablos", de 2001, e agora dá um passo adiante neste novo álbum. Cantando de forma muito convincente, ele demonstra ser versátil, adequando-se facilmente às composições de Waters. Fato que fica evidente principalmente nas faixas "Nothing To Me" e "Shallow Grave" (faixa do CD anterior, aqui em versão ao vivo) que soam diferentes do restante do álbum já que têm uma levada mais Rock and Roll, lembrando o AC/DC.

Outro destaque é o trabalho desenvolvido pelo habilidoso batera Randy Black, substituto de Ray Hartman, que contribuiu para que a velocidade seja umas das marcas deste CD. Ele ainda faz um solo bastante competente no meio da faixa "Striker".

Os canadenses do Annihilator certamente criaram um dos seus discos mais pesados. Depois de dar uma desacelerada em "Carnival Diablos", Jeff Waters resolveu presentear os fãs com um álbum feroz, veloz, intenso e agressivo. Uma raridade nos dias de hoje em se tratando das bandas remanescentes da cena thrash norte-americana dos anos 80.

Track List:

01. Ultra motion
02. Torn
03. My precious lunatic asylum
04. Striker
05. Ritual
06. Prime Time Killing
07. The Blackest Day
08. Nothing to me
09. Fire Power
10. Cold Blooded

Faixas Bônus disponíveis na versão européia

11. Shallow Grave (ao vivo)
12. Nothing To Me (versão editada)

Banda:

Joe Comeau: vocal
Jeff Waters: guitarra
Randy Black: bateria
Curran Murphy: guitarra
Russell Berquist: baixo

No Brasil, esse álbum será lançado pela Century Media Records. Confira em: http://www.centurymedia.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Annihilator"


Annihilator: banda lança sua nova música "I Am Warfare"; confira

Annihilator: A cena está crescendo, mas precisa de um novo MetallicaAnnihilator
"A cena está crescendo, mas precisa de um novo Metallica"

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1989Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1989

Propriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com um dono sóPropriedade privada
5 bandas de hard rock e metal com "um dono só"


Axl Rose: como ele pegava todas as garotas que Slash conquistavaAxl Rose
Como ele pegava todas as garotas que Slash conquistava

Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Top 500: as melhores de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

Vinnie Vincent: músico fala sobre os processos contra o KissVinnie Vincent
Músico fala sobre os processos contra o Kiss

Joey Jordison: Nunca serei tão bom quanto Lars UlrichJoey Jordison
"Nunca serei tão bom quanto Lars Ulrich"


Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336