Resenha - Cosmovision - Nightmare

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


É engraçado um país da importância e grandeza da França, não ter a mínima tradição em qualquer que seja a vertente do metal. Esse fato torna-se ainda mais intrigante se considerarmos a presença, nos arredores do território francês, de Alemanha e Itália, dois expressivos representantes do estilo. De qualquer maneira, a falta de tradição não significa baixa qualidade e grupos como o Nightmare são provas concretas disso.

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaAndre Matos: confira o incrível alcance do vocalista

A história desta banda é bem conturbada, e começa em 1979, quando a linha adotada era a da NWOBHM. De lá pra cá, foram cinco discos lançados, sendo que dos dois primeiros aos três recentes, houve um intervalo de quatorze anos.

O cenário metálico mudou, as modas variaram e o Nightmare se adaptou, contudo sem perder essência e sinceridade, tanto no som, quanto nas letras. Nos últimos tempos, e "Cosmovision" é a melhor amostra disso, estes franceses vêm obtendo ótimos resultados, praticando power metal com corais e algumas orquestrações.

Apesar de estar explorando um estilo saturado, o conjunto soube achar espaços para um toque próprio, original. Os vocais de Jo Amore são os principais responsáveis por isto, já que ele, antigo baterista, que se encarregou dos vocais após a morte de Jean Marie-Box, apresenta uma voz potente, agressiva, não deixando a música melosa e repetitiva, como temos visto ultimamente em alguns clones infinitos.

As composições não chegam a extasiar, mas mantêm uma boa regularidade, contendo certos instantes inspirados. Pra completar, trabalharam no álbum: Terje Refsnes (produção - Tristania, Alastis, Morgul, entre outros), Jean-Pascal Fournier (capa - Edguy, Immortal, Avantasia) e Patrick Rondat (convidado especial - guitarra solo na faixa "Spirits Of The Sunset"). Só gente de alto nível, com vocês podem ver. Definitivamente não é o que podemos chamar de indispensável, mas vale bem a pena.

Site Oficial:
http://www.nightmaremusic.com

Jo Amore (Vocais)
Nicolas De Dominicis (Guitarras & Vocais)
Jeannot Strippoli (Guitarras & Vocais)
Yves Campion (Baixo & Vocais)
David Amore (Bateria & Vocais)

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua Dr. João Maia, 199 - Aclimação
CEP: 04109-130 - São Paulo / SP - BRASIL
Tel: (0xx11) 5539-7415 / 5083-2727 / 5083-9797
Fax: (0xx11) 5083-3077
Email: hellion@uol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Nightmare"


Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola

Andre Matos: confira o incrível alcance do vocalistaAndre Matos
Confira o incrível alcance do vocalista

Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaMotivação
10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

Cristina Scabbia: Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!Cristina Scabbia
"Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"

Atores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce WillisAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Slayer: as músicas mais difíceis de tocar na guitarra baseSlayer
As músicas mais difíceis de tocar na guitarra base

Nirvana: baterista do Tool chamou Kurt de drogado morto em 1996Nirvana
Baterista do Tool chamou Kurt de "drogado morto" em 1996


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.