Resenha - Angels Cry - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Brasil. 1992. O Heavy Metal Melódico a pouco estourava em todo o mundo e dava inicio à sua próspera trajetória com o Helloween. Bandas e mais bandas começavam a surgir. Em terras brasileiras, André Matos, Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt, Luis Mariutti e Ricardo Confessori dariam início a uma das entidades metálicas brasileiras de maior respeito lá fora. Charlie Bauerfeind e Sascha Paeth foram os homens que minimizaram a inexperiência do quinteto.
1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosHeavy Metal Fail: os Trues também saem mal na foto

Com Alex Holzwarth assumindo as baquetas (Confessori entraria tempos mais tarde), participações de Kai Hansen, Thomas Nack e Dirk Schlachter (todos do Gamma Ray), produção perfeita, detalhada e cuidadosa (aliado ao perfeccionismo declarado de André Matos), composições transbordando criatividade, talento, técnica, ritmos brasileiros incorporados ao metal melódico, clássico, pesado e com uma atuação irretocável de todos os músicos, “Angels Cry” veio e se tornou um clássico imortal do metal melódico mundial.

Disco de ouro no Japão, muito bem vendido na Europa e América do Sul, “Angels Cry” foi um fenômeno. Imprensa embasbacada, shows lotados... Um clima de euforia e entusiasmo cercava os rapazes e eles corresponderam muito, muito bem. São clássicos atrás de clássicos, músicas de qualidade altíssimas, tudo executado com perfeição e brilhantismo.

“Unfinished Allegro”/“Carry On”, a dobradinha mais famosa do metal melódico, é o maior clássico do grupo até hoje. Após a introdução, a velocidade, melodia e empolgação de “Carry On” invadem o ambiente sem que você se dê conta. Êxtase é o que melhor define a sensação de ouvi-la, a maior referência, o maior exemplo do som criado pelo grupo, A N G R A, com todas as letras.

“Time”, “Angels Cry” e “Stand Away” são composições recheadas de tudo que o Angra tem de melhor: melodia; influências clássicas; guitarras dobradas, em harmonia ou em perfeito contraponto; peso; violões; backing vocals sentimentalistas; passagens instrumentais que te fazem pensar duas vezes se aquilo é real. São balanceados momentos mais pesados com mais melódicos, aliando emoção e classicismo, técnica com talento, criatividade com agressividade, ritmos brasileiros com heavy metal e tudo de melhor que você pode esperar.

“Never Understand” exigiu demonstrações para que Alex Holzwarth pegasse o jeito da coisa. Temos de concordar que baião com metal não é muito comum, foi o primeiro experimento dentro do estilo, e, portanto, foi difícil para um alemão entender. “Wuthering Heights”, cover de Kate Bush, não destoa do cd, foi colocada no lugar certo, e personalizada com o devido cuidado pela banda. “Streets of Tomorrow” tem riffs pesados e destruidores, é a composição mais pesada do álbum. E se você começa em estado êxtase, “Lasting Child” te leva ao nirvana, intimista e clássica, emotiva e tocante, perfeita para fechar a obra.

As letras são maravilhosas, poéticas e realistas, “Angels Cry” (a música) aborda o sofrimento das crianças brasileiras, são exemplos de magnificência de André Matos como compositor.

Um álbum que virou referência de metal melódico em todo o mundo, que influenciou muitos músicos e que maravilhou muitos ouvintes, “Angels Cry” soa ontem, hoje e sempre, insuperável.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Angels Cry - Angra

5000 acessosResenha - Angels Cry - Angra5000 acessosTradução - Angels Cry - Angra

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons874 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1842 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2564 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

RhapsodyRhapsody
O Angra reabriu as portas do metal, diz Luca Turilli

Collectors RoomCollectors Room
Posters, bonecos e Coca-Cola na coleção de Aquiles Priester

AvantasiaAvantasia
Andre Matos devolve os elogios de Tobias Sammet

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Heavy Metal FailHeavy Metal Fail
Os Trues também saem mal na foto

Motley CrueMotley Crue
Como a banda aperfeiçoou a arte de beber e se drogar

Legião UrbanaLegião Urbana
O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

5000 acessosGhost: De quais bandas brasileiras eles gostam?5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosJim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Regina Duarte4771 acessosScorpions: a trágica história por trás da música "Lorelei"5000 acessosTool: as crianças que farão você voltar a ter esperança na banda

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online