Resenha - Against the World - Frontline

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Quem disse que da Alemanha só vêm os vices e heavy metal? Este quinteto alemão, que já tem 3 cd's lançados, chega ao seu quarto cd investindo no bom e velho hard-rock, com claras influências de Dokken e Journey (principalmente nas partes mais pesadas). Uma boa surpresa ver que o cenário hard rock vem reaparecendo aos poucos, e se tornando uma constante, afinal, vivemos os anos 80 com o hard de bandas como Poison, Motley Crue, Dokken, Cinderella, e esse som não podia ser esquecido. E o Frontline chega com seu melhor cd, sem sombra de dúvida, trazendo tudo o que uma banda de hard rock precisa ter: músicas melódicas, vocais bem colocados, refrões que grudam na mente, e baladas cativantes.

Guns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseG.G. Allin: o extremo dos extremos

Ouvir faixas como a pesada "Against the World" e a comercial (mas muito boa) "My Destiny" é um bálsamo para relaxar e curtir uma banda bem entrosada e um trabalho de guitarras muito bem feito, com um vocalista correto. Baladas como "Lignting Eyes" (lembra muito o Dokken fase "Back for Attack") e a melosa "Man with a Broken Heart" (com seu pique "Whitesnakiano") relembram os anos 80 de forma perfeita, com aquela sensação nostálgica. Mas o cd não é só melodia e balada. Pancadarias como "Time Stood Still" , "I don't Know" e "You Shoud Know me" honram qualquer fã de rock, mostrando que o estilo também tem peso e agressividade, com riffs potentes e bateria agressiva.

O destaque especial fica para a "Journeyiana" "Don't Break my Heart", cujo refrão gruda na primeira audição de tão legal, e para a "agressiva" "Change His Life", aonde a banda mostra todo seu virtuosismo em criar boas melodias, com riffs pesados e um trabalho de vocal e backings surpreendente. A versão japonesa vêm com duas bônus: a pesada "Any Other Way", que merecia estar no disco dado o fato de ser a mais pesada de todas, e mais uma balada, a melosa "Shelter Me", talvez o único pequeno pecado do cd, por ser melosa demais. Nem pra cigarro serviria... ;)

Quem disser que as músicas são todas parecidas não chega a estar de todo errado, mas são todas muito boas e competentes, valendo a pena comprar para conferir, afinal, é hard rock voltando à cena!!!

Site oficial: www.frontline-music.com

Formação:

Robert Boebel - Guitarras, Teclados
Stephan Kaemmerer - Vocais
Thomas Bauer - Baixo
Rami Ali: Bateria
Chris Lausmann: Guitarra e Teclado

Lançado pela Point Music - Licenciamento para o Japão pela Avalon Music.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Frontline"


Guns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseGuns N' Roses
A família brasileira de Axl Rose

G.G. Allin: o extremo dos extremosG.G. Allin
O extremo dos extremos

Metal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?Metal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Motley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy LeeMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

Dream Theater: semelhanças na capa de álbum?Dream Theater
Semelhanças na capa de álbum?

Vinnie Vincent: músico fala sobre os processos contra o KissVinnie Vincent
Músico fala sobre os processos contra o Kiss

Joey Jordison: Nunca serei tão bom quanto Lars UlrichJoey Jordison
"Nunca serei tão bom quanto Lars Ulrich"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336