Resenha - House Of Atreus; Part II - Virgin Steele

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar Correções  

10


Bandas grandes são aquelas que conseguem a façanha de lançar discos clássicos em seqüência. Lógico que tudo tem um limite, e não é fácil ultrapassar a marca de sucesso e vitória que certos discos deixam gravados no mármore reluzente do passado de um grupo. Por isso mesmo, é extremamente surpreendente o fato de um conjunto com nomes como "Marriage of Heaven and Hell" e "Invictus" no currículo se exceder em sua busca da evolução e ser capaz de mostrar ainda mais potencial do que foi-se apresentado no decorrer da carreira. E mais pungente ainda é perceber que, ao discorrer sobre a primeira parte da saga, "The House of Atreus Act I", tinha-se pensado que não haveria meios de surgir com um disco que fosse tão bom quanto ele. Melhor ainda? Impossível. Ou melhor, quase impossível. Porque a verdade está aí para que todos vejam: David DeFeis conseguiu novamente.

publicidade

É difícil acreditar, contudo este é realmente o fastígio definitivo do Virgin Steele. O refocilamento de seus integrantes - em especial de DeFeis - explica a dilação de "Act II". Muito provavelmente a contumácia do vocalista em construir um trabalho que superasse todas as expectativas foi a principal razão para esse procrastinamento, de certa forma, acentuado. Todavia, os fins justificam os meios, e o novo petardo estabelece-se como a nova força Steeliana.

publicidade

A parte lírica do álbum é imaculável. A história dos descendentes de Atreu é contada de modo fenomenal; os jogos de intriga e prevaricação são narradas em destreza nababesca; o relato da queda da casa de Atreu é chacinante. A parte melódica, por sua vez, apenas corrobora o predicado insofismável de todo o esforço colocado na realização desse disco. E, impressionantemente, disco esse que, na verdade, são dois.

publicidade

"Act II" impõe-se, hirsuto, a qualquer um que ouse desafiá-lo a ouvi-lo e não gostar do que está presente. Com um set de 10 músicas perfeitas na primeira parte da história (ou chame de 'primeiro CD', se quiser), chega a ser engraçado o modo como as 12 faixas do segundo disco exibem igual nível.

Um CD perfeito é, supostamente, algo impossível de existir. Mas quando se tem nas mãos 23 músicas, dentre as quais não há sequer uma única ruim, e uma história forte relatada num nível de iguais proporções, fica difícil dar menos do que isso - principalmente quando se deu 9 no "capítulo" (ou diga "disco", se quiser) anterior, e vê-se facilmente que o novo, "Act II", é melhor que aquele. Perdoem-me os mais radicais, mas esse álbum merece. O único problema nessa estória toda foi fazer um review a altura desse petardo. Ainda bem que DeFeis não sabe português...

publicidade



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: as 10 capas mais de macho de todos os temposHeavy Metal
As 10 capas mais "de macho" de todos os tempos

David DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalistaDavid DeFeis
Os álbuns que marcaram o vocalista


Led Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da bandaLed Zeppelin
A controvérsia sobre as origens do nome da banda

Velocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multadoVelocidade
Top 10 de músicas de Metal para ser multado


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin