Resenha - Gathered By... - Serpent Rise

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

Quando o batera Júlio, o vocal Agnaldo e o guitarra Diogo combinaram suas influências individuais, em 1993, nasceu o Serpent Rise. O tempo de sete anos foi o necessário para lançar um CD, mas ei-lo, enfim.

Monsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King DiamondNirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O debute contém sete músicas, que seguem fiéis ao que a banda se propõe fazer: o mais puro Doom Metal atmosférico. E, aliás, que trabalhozinho pra lá de bem-feito. A começar pela capa, que é bem legal e se você desdobrar o encarte, descobre um pequeno poster do grupo (como um "Louder Than Hell" do Manowar). Na verdade, quando recebi esse CD em mãos cheguei a pensar que fosse uma banda gringa, pois não há um só errinho de inglês e o som que o conjunto faz é impressionantemente bem-feito.

Logo no começo, com "In the Cosmic Sea", já dá pra sacar o profissionalismo e competência dos caras. Excelente melodia e arranjos. Vocalização idem. O que, aliás, acontece com "...Kharma", faixa seguinte. O comecinho lento digno de um bom My Dying Bride cola facilmente na cabeça e não larga até que os vocais de Agnaldo chegam, com uma sonoridade visivelmente (ou melhor, 'audivelmente') estéreo. A coisa toda é realmente muito bem-feita.

"Mistress of my Paradise" não foge ao estilo e muito menos "Reflex in the last Mirror", "Betrayer God", "Travelling Free..." ou "During the Eternity", que se mostram pratos cheios pra quem gosta do estilo, sem exagero. Mas o ponto alto do disco vai mesmo para "...Kharma".

De qualquer modo, o som dos caras é realmente bem-feito, com raízes nas grandes bandas do estilo. O único hiato é a produção sonora, que poderia ter sido um pouquinho melhor. Por outro lado, vale ressalvar que não há disparidades entre a sonoridade dos instrumentos (um lá embaixo, outro lá em cima), pelo contrário: estão todos linearizados e muito bem entrosados entre si e com o vocal. Ponto para os caras nesse quesito (além da competência deles pra fazer esse tipo de som, é claro).

Quem gosta de My Dying Bride, Paradise Lost e afins pode ir atrás do Serpent Rise que é dinheiro bem aplicado.

Material cedido por:
Megahard Records
Cx. Postal 41.698 - São Paulo - 05422-970 - Brasil
Fax: 0055 11 852-1454
Tel: 0055 11 881-5150




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Serpent Rise"


Monsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King DiamondMonsters of Rock
A feijoada que quase derrubou King Diamond

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336