Resenha - Something to Write Home About - Get Up Kids

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Valença
Enviar correções  |  Ver Acessos


Este novo disco do The GetUp Kids mostra que a banda considera a velha máxima de que em time que está ganhando não se mexe. Com grandes influências de Pixies, Weezer e outras guitar bands, os garotos mostram que realmente são bons no que fazem e mantém a boa pegada já mostrada em outras gravações.

Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoFotos de Infância: Robert Plant, do Led Zeppelin

Red Letter Day é um belo disco, com letras cheias de emoção e lirismo, guitarras que se alternam levando peso e serenidade às melodias, o baixo marcando o ritmo e a bateria clara e precisa, tanto nas baladas quanto nas músicas mais rápidas e pulantyes, que se alternam ao longo desses quase 45 minutos de música e 12 canções.

O CD começa com Holiday, uma daquelas músicas que nos fazem pular e querer dançar enquanto ouvimos. Parado, impossível. Na seqüência Action & Action mantém o mesmo peso, mas agora auxiliados por um sintetizador que sola ao longo do belo refrão.

Depois desses dois petardos vêm as baladas, com Valentine, Red Letter Day (cuja versão que saiu no single de mesmo nome é mais rápida), Out of reach e Ten Minutes, momento em que o disco retoma o peso inicial. Vale a pena ressaltar os backin' vocals das músicas, que saem como um coro de vozes entrando de forma precisa.

The Company Dime e My Apologies são outras baladas que voltam a mostrar a boa fonte de onde a banda bebe. Letras de amor, guitarras combinadas para fazerem "vozes além das vozes".

I'm a Loner Dottie, a Rebel já joga um pouco mais com um swing, arriscando até um baixo mais jazzístico mas com as guitarras seguindo a trilha das melhores guitar bands. Long Goodnight volta a puxar o ritmo para baixo, em mais uma composição lenta. O disco acaba com Close to Home e I'll Catch you, duas músicas bem distintas. A primeira, rápida e cheia de peso. A segunda, parece que prevendo o final do disco, melancólica e bela.

É uma bela obra, sem contar a capa, com desenhos singelos de dois robôs apaixonados. Esse é o espírito da banda. E, nas próprias palavras deles, "There's room to believe, out of mind, out of sight, out of reach. Start over is no way to begin"...

Formação
Jim Suptic
Ryan Pope
James Dewees
Robert Pope
Matthew Pryor



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Get Up Kids"


Bandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palcoBandas Novas
10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco

Fotos de Infância: Robert Plant, do Led ZeppelinFotos de Infância
Robert Plant, do Led Zeppelin


Sobre Marcelo Valença

Estudante de Direito na PUC-Rio. Ouve Ska, Surf Music, HC, Guitar e Punk Rock, tocava baixo no Milhouse. Não dispensa um bom bate boca. Está preparando o lançamento de sua nova banda, Peter Gunn & The Neighbor's Rockin' Band. Bandas favoritas: Weezer, Ramones, Queers, Ira!, MxPx, Pixies, Brian Setzer Orchestra, NUFAN, Bouncing Souls, Specials, Madness, Hillvalleys, Autoramas, Randal Grave, Dumbs e Stukas Lazy.

Mais matérias de Marcelo Valença no Whiplash.Net.