Resenha - Images From The Shady Gallery - Imago Mortis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar Correções  

10

Eis aqui, meus caros amigos, toda a dramaticidade de um heavy metal incrementado pelo doom. Imago Mortis surge como uma das mais promissoras bandas do gênero. Impressionante o resultado de sua produção, pois, cada vez mais, se torna difícil encontrar bandas que sejam altamente profissionais em seu primeiro trabalho. Não poderia ser ao contrário, pois quem assina a produção sonora é o mestre Carlos Lopes(Dorsal Atlântica), que vem se tornando, além de músico e compositor, um produtor de extremo peso e profissionalismo pelas excelentes produções que vem assinando desde então. Images From The shady Gallery é perfeito! Em todos os aspectos. Ouça Bring Out Dead, onde Fernando Sierpe(vocalista) mostra toda a sua versatilidade ao por o máximo de emoção em uma melodia sombria. Desta mesma maneira, ocorre com The Shoemaker que possui ótimo riff e teclados tocados de maneira fantástica. Aliás, os teclados se destacam pelo extremo bom gosto com que Alex Guimarães criou momentos propícios à proposta deste álbum. É impossível não citar todas as músicas. Dying Panthenon, Ultima Visio e Requiem, são interpretações fantásticas, onde as guitarras imperam maravilhosamente. Créditos à Fabrício Lopes(guitars). Aliás, tudo no Imago Mortis é relacionado à interpretação adequada ao clima e proposta que a banda quis passar. Não há como dizer que existe um momento que tire um por cento da nota total, até porque, a banda trabalhou muito para conseguir tal resultado. Porém, é de se destacar a poderosa Res Cogitans, que possui um início bem calmo, mas, que, se torna uma tremenda porrada com a participação especial de Carlos Lopes no vocal, a partir de um certo momento. Temos também toda a tristeza de Empty Cradle, cantada por Andréa Palmieri(Scars Souls), que dá um show à parte. Outra que não pode deixar de ser comentada, é o cover de Deus Lhe Pague(Chico Buarque de Hollanda), onde a banda teve uma imensa coragem para criar algo mais pesado, com uma versão puramente heavy/doom. Bom, mas e as letras? Caso o caro leitor opte por "algo a mais", saiba que a banda, além de tudo, tem inteligência de sobra para poder criar letras de conteúdos inteligentes. Meu recado final é: "Conheça esta banda, já!".

publicidade

Contatos: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chico Buarque: a música que virou a cabeça do Rock NacionalChico Buarque
A música que virou a cabeça do Rock Nacional


Fãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada umFãs de Rock
Você conhece o estilo de se vestir de cada um

Nikki Sixx: transei com a mulher do Bruce DickinsonNikki Sixx
"transei com a mulher do Bruce Dickinson"


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

WhiFin