Resenha - Amnesiac - Radiohead

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Como uma banda pode agradar tanto alguns, ser odiada por muitos e continuar vendendo tanto? Como uma banda pode manter seu lugar na mídia sendo tão alternativa, talvez até revolucionária, estando 100 anos a frente da grande maioria das bandas de hoje, ainda fazendo músicas que são confusas e desconexas para quase a totalidade dos seus ouvintes?

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãKing Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Poderíamos dizer que o Radiohead é "patrocinado" por uma gravadora grande com um marketing que não deixa seu nome desaparecer do mercado por muito tempo, mas esquecer a qualidade da banda é impossível.
O clássico "OK Computer" (1997) levou o Radiohead a outro patamar, mas ninguém esperava nada tão "novo" quanto "Kid A", que mostrou que ainda vinha muita coisa pela frente.

"Amnesiac" foi gravado junto com "Kid A", na mesma época, no mesmo lugar, e sendo assim traz o mesmo direcionamento de seu antecessor de menos de um ano: muitas partes praticamente eletrônicas, produção impecável, melodias doentias de tão estranhas, linhas instrumentais idem e uma personalidade e inovação de fazer inveja a quase tudo que ouvimos hoje em dia. Só um detalhe: "Amnesiac" é ainda mais radical.

Difícil explicar porque é tão bom, até porquê se você que está lendo esse review agora acha horrível, está mais que certo. "Amnesiac" é tão intragável que parece que entala no seu cérebro durante dois meses até você diluir o que está ouvindo e começar a achar que o CD inteiro é simplesmente excelente. E é mesmo.

Desde a entrada com a neurótica "Packt Like Sardines In A Crushd Tin Box", a bela "Pyramid Song" (os vocais de Thom Yorke continuam perfeitos), a completamente caótica/eletrônica "Pull/Pulk Revolving Doors" (como eles ainda conseguem vender algum CD?), a linda "Knives Out" (talvez a melhor do disco) e a excêntrica "Life in a Glass House" (que traz vários músicos convidados tocando instrumentos como clarineta e trombone), que fecha "Amnesiac" de um jeito no mínimo paranóico.

Se você achou essa crítica meio complexa, talvez meio confusa, com umas opiniões conflitantes, ela é mesmo. É um reflexo do que se ouve em "Amnesiac". Se Thom Yorke é um gênio ou um grande lunático só o tempo vai dizer, mas não precisamos esperar 100 anos para ouvir né?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Radiohead"


Time Magazine: os 100 maiores álbuns de todos os temposTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos

Rate Your Music: os melhores discos de todos os temposRate Your Music
Os melhores discos de todos os tempos


Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adGoo336