Black Sabbath: As curiosidades sobre o álbum Paranoid

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alcides S. Maia Júnior
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Paranoid" foi gravado no Regent Sound com produção de Rodger Bain (como no primeiro álbum). Lançado em 18 de setembro de 1970 na Inglaterra e em 1º de janeiro de 1971 nos Estados Unidos. O álbum foi gravado em quatro dias, o dobro do segundo álbum. Só foi possível gravar em tão pouco tempo porque a banda já tinha o repertório praticamente pronto ao entrar no estúdio. Uma característica marcante do Sabbath no começo, eram as longas jams que costumavam tocar para preencher o repertório de suas apresentações na época. Dessas jams extraíram a maior parte do repertório.

"Paranoid" se tornou o álbum mais popular da banda, tornando-os uma das bandas mais influentes da história. Mesmo com todos os percalços comuns às bandas iniciantes que começavam a superar depois do lançamento de seu álbum homônimo.

Metallica: os fantasticos carros de James HetfieldAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora eles tinham que enfrentar uma gravadora que os censurou e as críticas depreciativas da imprensa musical, que os acusavam de ser pessimistas e pouco sofisticados. A história mostrou que eles se equivocaram.

Em Paranoid, o Sabbath seguiu em frente, como o Homem de Aço de uma de suas canções mais conhecida, esmagando e destruindo tudo o que havia à sua frente, sabendo que nada os impediria de chegar onde almejavam.

Masters Of Reality

A mudança mais evidente e provavelmente menos comentada entre o primeiro álbum e "Paranoid" foi a mudança nos temas das letras. Em sua estreia a banda cantou sobre o sobrenatural, o oculto. A ideia surgiu ao refletir sobre os motivos que levavam as pessoas a pagarem para sentir medo ao assistir um filme de terror. Após o sucesso de seu álbum de estreia era natural que a banda seguisse o mesmo caminho. As primeiras sessões no estúdio quando gravaram as primeiras versões de "War Pigs" (chamada Wallpurgis) indicavam isso, mas algo mudou no meio do caminho.

No começo eles atraíram uma grande quantidade de seguidores e loucos de todos os tipos que achavam erroneamente que a banda era satânica e realizava rituais no palco. Em determinado momento eles ficaram com medo dessas pessoas o que os levou a usarem as cruzes de alumínio feitas pelo pai de Ozzy. Mas não foi o medo que fez o Sabbath mudar os temas de sua música. É provável que a repercussão do assassinato da atriz Sharon Tate em agosto de 1969 pelos loucos da "Família Manson" tenha influenciado na decisão.

A mudança no direcionamento das letras poderia sugerir que a banda perderia a atmosfera sombria característica de seu álbum de estreia, mas a realidade de uma geração que cresceu no pós guerra e que encarava o auge da Guerra Fria, provou ser muito mais sombria que a ficção.

Conquistando a América

Como bons ingleses, a imagem que os integrantes do Black Sabbath tinham dos Estados Unidos era das multidões à espera para ver um show dos Beatles ou dos Rolling Stones quando da invasão britânica nos anos 60. Ao saberem que iriam excursionar pela primeira vez na América, todos ficaram empolgados pensando em tocar em lugares míticos como o Madison Square Garden, mas essa realidade ainda estava distante. Embora "Paranoid" estivesse no 1º lugar nas paradas inglesas e em 12º nas paradas americanas eles começaram tocando em lugares pequenos, para 300, 400 pessoas. A primeira apresentação nos Estados Unidos foi em um lugar chamado Ungano em Nova Iorque, onde os seus amplificadores explodiram ao ligarem o equipamento sem verificar a diferença de voltagem. Sem que soubessem, a platéia dessa primeira apresentação estava repleta de agentes e executivos de gravadoras que foram assistir a apresentação para decidir se agendariam mais datas com a banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após 8 meses excursionando estavam exaustos com as longas distâncias percorridas. Com a turnê em andamento passaram a tocar em lugares maiores e famosos como o Filmore West em São Francisco e Whisky a Go Go em Los Angeles, abrindo para Canned Heat, Fleetwood Mac, Jethro Tull, Emerson Lake & Palmer, Rod Stewart, Alice Cooper, entre outros.

Durante um show como a banda principal no East Town Theater em Detroit, Ozzy e Bill se irritaram com a indiferença da plateia e saíram do palco xingando o seu comportamento, seguidos de Tony e Geezer. O fato fez a platéia "acordar", seguindo-se então um show memorável. As notícias com relação a apresentação se espalharam e acabaram mudando os rumos da turnê.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em poucas semanas, mesmo exaustos, eles estavam de volta para uma segunda turnê, como atração principal no Fillmore East. Duas noites depois tocaram na arena Forum, em Los Angeles, com a abertura do Grand Funk Railroad.

Com mais de 25 datas, a turnê terminaria com um show como atração principal no Spectrum Theater, na Filadélfia, em 2 de abril, com abertura de Humble Pie e Mountain.

Capa

Criada por Marcus Keef, fotógrafo responsável pelas capas e a arte gráfica de diversos selos como Neon, Nepentha e o mais famoso deles, o Vertigo (especializado em bandas de rock experimental e underground). Seu nome verdadeiro é Keith MacMillan, mas adotou Marcus Keef como nome artístico porque havia outro fotógrafo famoso com o mesmo nome.

Seu primeiro trabalho para o selo foi a capa de "Valentyne Suite" da banda de rock progressivo Colosseum. Seu trabalho acabou ganhando reconhecimento através das capas dos primeiros três álbuns do Sabbath e de artistas como Rod Stewart, Al Stewart, David Bowie, Status Quo, entre outros. Tendo feito milhares de capas (muitas sem ser devidamente creditado), ele decide trabalhar com edição de vídeo no final da década de 70 para artistas como Paul McCartney, Blondie, Pat Benatar, Kate Bush e The Who.

Marcus Keef
Marcus Keef

Keef usava em muitos de seus trabalhos um filme infravermelho (em especial o Kodak Aerochrome) para captar a luz infravermelha. Essa luz não é visível a olho nu porque o comprimento da onda é maior do que o da luz visível pelo olho humano. O filme que usava isola os comprimentos de onda infravermelha dando à imagem um efeito de cor falsa muito distintivo (notadamente o tom avermelhado nas folhas verdes), o que ajudava a criar uma atmosfera psicodélica ou sombria como a capa do primeiro álbum do Sabbath.

Foto do moinho que apareceu no primeiro álbum sem o efeito infravermelho
Foto do moinho que apareceu no primeiro álbum sem o efeito infravermelho

No caso de "Paranoid" a capa continha um sujeito (mais parecido com uma versão humana da Formiga Atômica) saindo de trás de uma árvore com um escudo e um capacete, representando um dos "Porcos da Guerra" do título original. Foi usada uma técnica onde o obturador da câmera é acionado em uma velocidade lenta, resultando em uma longa exposição e ocasionando o rastro que dá uma sensação de "movimento" ao personagem.

Só faltou o escudo, a espada e o bigodinho
Só faltou o escudo, a espada e o bigodinho
Foto do moinho que apareceu no primeiro álbum com o efeito infravermelho
Foto do moinho que apareceu no primeiro álbum com o efeito infravermelho

A exemplo de seu álbum de estreia não há informações sobre quem era o personagem da capa, nem de quem foi a ideia. O que se sabe é que ela foi criada quando o álbum ainda se chamava "War Pigs" e não houve tempo hábil para mudá-la quando a gravadora alterou o título para "Paranoid".

Entre os trabalhos mais conhecidos de Marcus Keef estão as capas dos seguintes álbuns:

The Man Who Sold The World - David Bowie.

Gasoline Alley e An Old Raincoat Won't Ever Let You Down - Rod Stewart.

Orange - Al Stewart.

On The Level - Status Quo.

War Pigs

Originalmente a canção se chamava Walpurgis (Noite de Santa Valburga), uma festa cristã de origem pagã celebrada na noite de 30 de abril e 1º de maio. Também conhecida como "Noite das Bruxas", é celebrada hoje em dia em diversos países do Norte e Centro da Europa por comunidades cristãs e não cristãs. No paganismo celebravam-se diversos rituais em celebração à chegada da Primavera. Com o tempo as celebrações cristãs e pagãs se misturaram dando origem à festividade atual.

Celebração da noite de Walpurgis nos dias atuais
Celebração da noite de Walpurgis nos dias atuais

Durante os festejos são feitas grandes fogueiras com o objetivo de afastar os espíritos malignos e as almas penadas que vagueiam por entre os vivos, é costumeiro também queimar um boneco representando uma bruxa. A festa tem características diferentes dependendo da região onde é celebrada. Nos países germânicos havia a crença de que na noite de 30 de abril as bruxas e os demônios se reuniam nas montanhas para celebrarem o Sabbat. Nessa noite a santa Valburga, uma missionária anglo-saxã que atuou no Reino Franco, foi levada pelo diabo à montanha e chegando lá pregou com tanto fervor que por pouco não converteu o próprio diabo. Entre as comunidades celtas celebrava-se nesta noite o Festival de Beltaine em honra a Belenos, o deus do fogo, com o intuito de purificar o gado e protegê-lo de doenças. Na Finlândia a festa se tornou uma espécie de carnaval com comida e bebidas em fartura, com os festejos se prolongando pelo dia 1º e se tornando um dos seus principais feriados.

Uma representação artística de Walpurgis
Uma representação artística de Walpurgis

A letra original de "Walpurgis" foi alterada para o que se tornou "War Pigs", segue a letra original.

Witches gather at black masses
Bodies burning in red ashes
On the hill the church in ruin
Is the scene of evil doings
It's a place for all bad sinners
Watch them eating dead rats' innards
I guess it's the same whereever you may go
Oh Lord yeah

Carry banners which denounce the lord
See me rocking in my grave
See them anoint my head with dead rat's blood
See them stick the stake through me
Oh

Don't hold me back cause I've just gotta go
They've got a hold of my soul now
Lords got my brain instinct with blood obscene (not sure about this line)
Look in my eyes I'm there enough
Yeah

On the scene a priest appears
Sinners falling at his knees
Satan sends out funeral pyre
Casts the priest into the fire
It's the place for all bad sinners
Watch them eating dead rats' innards
I guess it's the same whereever you may go
Oh lord yeah

"War Pigs" foi a faixa escolhida para abrir e dar título ao álbum, mas a Vertigo Records não aceitou a escolha por achar que seria uma agressão aos americanos envolvidos na Guerra do Vietnã. Eles até tentaram convencer a banda a nem sequer lançá-la, mas eles se recusaram a aceitar o pedido, convencidos de que aquela era uma de suas melhores e mais marcantes composições. O produtor Roger Bain se rebelou, tachando a atitude de "crime artístico". A gravadora então sugeriu que a música fosse colocada no final do lado B do vinil, o que foi recusado pelo empresário Jim Simpson. Depois de muita discussão a gravadora aceitou o pedido com ressalvas e "War Pigs" passou a ser a faixa de abertura. A condição era que se o álbum não vendesse uma certa quantidade de cópias prevista nas primeiras três semanas, as próximas tiragens seriam prensadas conforme a vontade deles, com a canção no final do lado B.

Soldados americanos no campo de batalha
Soldados americanos no campo de batalha

Embora tenha sido inspirada pela Guerra do Vietnã, "War Pigs" é sobretudo uma canção anti-bélica, sobre todas as guerras. É sobre como os políticos manipulam as massas, muitas vezes por motivos escusos e como os pobres é que acabam morrendo nos campos de batalha, movidos pela lavagem cerebral que sofreram.

Paranoid

Durante um ensaio no estúdio, Ozzy começou a improvisar uma letra que remetia ao fim de seu relacionamento com uma garota com quem tivera um caso em Birmingham, quando eles ainda se chamavam "Earth". A garota chamada Suzy, vivia reclamando que Ozzy não se endireitava e nunca seria alguém na vida, o que o deixou magoado.

"Terminei com minha mulher
Porque ela não podia me ajudar com minha mente."

Capa do single de Paranoid
Capa do single de Paranoid

Assim que Ozzy terminou de cantar todos já a apelidaram de "Paranoid", composta em menos de cinco minutos, o engenheiro de som, Tom Allon pediu que a banda a tocasse novamente para que ele pudesse gravar a canção de modo apropriado, pedindo que eles só tocassem a parte mais rápida, deixando-a mais curta para que pudesse ser usada só para preencher um espaço em um dos lados do álbum, caso fosse necessário.

Foi a última canção a ser gravada e no começo eles não queriam incluí-la no álbum, especialmente Geezer que a achava muito parecida com "Communication Breakdown" do Led Zeppelin. Embora os integrantes das duas bandas fossem amigos, ele queria evitar comparações.

Planet Caravan

Desde os primórdios o homem sempre buscou superar suas limitações (para o bem e para o mal). Pense por exemplo na cena de abertura do filme "2001 Uma Odisséia no Espaço". O macaco descobre um osso e o utiliza como uma ferramenta até lançá-lo em direção ao espaço fazendo uma viagem de milhões de anos, como que resumindo a evolução humana de seu estado primitivo até o ápice representado pela conquista do espaço.

Yuri Gagarin - o primeiro homem a viajar para o espaço
Yuri Gagarin - o primeiro homem a viajar para o espaço

Quando a canção foi escrita era o auge da corrida espacial. A exploração e a conquista do espaço eram vistas como fundamentais para a segurança nacional e para a supremacia ideológica e tecnológica das superpotências mundiais. Em 1961 o russo Yuri Gagarin entrou para a história como o primeiro homem a viajar para o espaço em um vôo orbital. Em consequência dos feitos russos os americanos aceleraram seu programa espacial culminando na viagem à Lua em 1969. Com todos os avanços tecnológicos muitos acreditavam que seria possível em um futuro próximo viajar ao espaço com a mesma facilidade com que se viaja de avião. O tempo mostrou que o sonho ficou só na ficção, retratada em diversas obras incluindo cinema, música, livros e etc.

A Corrida Espacial possibilitou que o homem pudesse viajar ao espaço
A Corrida Espacial possibilitou que o homem pudesse viajar ao espaço

Planet Caravan foi composta quando Tony Iommi improvisava o riff inicial no violão durante as sessões de gravação. Bill então começou a tocar percussão para acompanhá-lo. Posteriormente o engenheiro de som Tom Allon acrescentou alguns efeitos como o Leslie Speaker (efeito geralmente usado com um órgão Hammond para replicar o som de um órgão de tubos) na voz de Ozzy para criar o clima espacial e lisérgico da canção, além de tocar piano na faixa.

Para a letra, Geezer teve a ideia de escrever uma canção romântica que fugisse dos clichês das outras canções da época. Ela retrata um casal contemplando os planetas e as estrelas em uma viagem pelo espaço.

"Nós velejamos por céus infinitos
As estrelas brilham como os olhos
A noite escura suspira"

Iron Man

Não se trata do famoso personagem da Marvel (embora tenha sido usada no trailer do primeiro filme lançado em 2008). É sobre um homem que viaja para o futuro e vê o apocalipse. Ao retornar ele atravessa um campo magnético que o transforma em um "Homem de Ferro". Incapaz de se comunicar verbalmente com as pessoas sobre a iminente destruição, ele acaba sendo alvo de desprezo e zombaria, ele se enfurece e decide então se vingar delas, percebendo que ele mesmo foi o causador da destruição no futuro. A ideia para a letra surgiu de um comentário de Ozzy, que ao ouvir seu riff, falou que ele parecia um grande bloco de aço andando pela cidade. Geezer gostou do comentário que o inspirou a criar a letra.

O personagem dos quadrinhos só viria a ter relação com a música, no lançamento do primeiro filme
O personagem dos quadrinhos só viria a ter relação com a música, no lançamento do primeiro filme

"Agora é hora
Do homem de ferro espalhar o medo
Vingança vinda do túmulo
Mata as pessoas que uma vez ele salvou"

Electric Funeral

A nuvem em forma de cogumelo causada pela explosão da bomba atômica de Nagasaki
A nuvem em forma de cogumelo causada pela explosão da bomba atômica de Nagasaki

Uma canção sobre a destruição do mundo pelas mãos do homem em decorrência de uma guerra nuclear. A explosão das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki na segunda guerra mundial inaugurou a chamada era do medo. Até aquele momento nenhuma arma tinha tanto poder de destruição quanto a bomba atômica. Com a Guerra Fria veio a Corrida Armamentista e o aumento nas tensões entre os Estados Unidos e a União Soviética faziam crer que uma guerra nuclear era uma questão de tempo. O auge das tensões entre as duas superpotências ocorreu na chamada "Crise dos mísseis de Cuba". Tudo começou em abril de 1961 quando um grupo paramilitar treinado pela CIA, formado por cubanos exilados nos Estados Unidos, invadiu o sul de Cuba no episódio conhecido como "invasão da Baía dos Porcos", operação que tinha o objetivo de derrubar o governo comunista recém formado e assassinar Fidel Castro. A operação fracassou e temendo um nova invasão, Fidel Castro apoiou a ideia dos soviéticos de instalar mísseis nucleares no país.

Ocorrido entre 16 e 28 de outubro de 1962 a "Crise dos Mísseis" começou com a descoberta de instalações de lançamento de mísseis nucleares por um avião espião modelo Lockheed U-2. Os americanos estabeleceram um bloqueio naval à ilha afim de evitar que mais mísseis entrassem no país. A tensão aumentou com a aproximação de uma frota de navios soviéticos junto aos navios americanos.

Charge de John Kennedy em uma guerra de braço com Nikita Khrushchev
Charge de John Kennedy em uma guerra de braço com Nikita Khrushchev

Enquanto as duas superpotências negociavam, um dos aviões U-2 que sobrevoavam a ilha foi abatido no dia 27 de outubro pela artilharia antiaérea cubana, provocando a morte do piloto. O chamado "Sábado Negro" representou o momento mais tenso do impasse, até que no dia 28 de outubro, Nikita Khruschev se comprometeu a retirar os mísseis de Cuba. Enquanto os americanos secretamente se comprometeram a desativar as suas instalações de mísseis implantadas na Turquia e Itália.

Outro episódio que poderia ter causado uma guerra nuclear ocorreu em 1983 mas por conta de questões políticas permaneceu em segredo até 1998. Em 26 de setembro de 1983 pouco após a meia-noite, o tenente soviético Stanislav Petrov avistou no radar um míssil se movendo em direção à União Soviética. Petrov deduziu que havia um erro com o equipamento, acreditando que os americanos não lançariam apenas um míssil e sim vários ao mesmo tempo no caso de um ataque. No caso de um ataque o procedimento que Petrov deveria seguir era avisar seus superiores que seguiriam a Doutrina Destruição Mútua Assegurada, que prevê a retaliação imediata ao ataque. Pouco tempo depois, o radar indicava que um segundo míssil tinha sido lançado, seguido do terceiro, do quarto e do quinto. Diante desse cenário Petrov deveria seguir o protocolo e retaliar o ataque, mas sabendo que a confiabilidade do sistema por satélite já havia sido questionada anteriormente e o radar terrestre só detectaria os mísseis quando fosse tarde demais, só haviam duas opções, avisar seus superiores, o que resultaria em uma imediata retaliação ou seguir seus instintos e esperar. Petrov decidiu esperar acreditando ser um alarme falso do sistema, o que evitou um desastre nuclear.

Stanislav Petrov
Stanislav Petrov

Petrov não obteve reconhecimento do exército soviético pelo seu feito, muito pelo contrário, acabou recebendo uma advertência por desobedecer o protocolo militar e ter deixado seus superiores, cientistas e engenheiros em maus lençóis por expor as imperfeições do sistema, acabou sendo transferido para um cargo de menor importância até se retirar do serviço militar. Continuou vivendo em pobreza na cidade russa de Fryazino. Apesar de não se considerar um herói Petrov acabou recebendo o prêmio World Citizen Award da associação californiana Association of World Citizens em reconhecimento pelo seu feito.

Hand of Doom

Canção sobre o consumo de drogas, em especial de heroína na Guerra do Vietnã. Baseada em relatos de soldados à Geezer Butler quando a banda tocou em duas bases americanas, uma na Inglaterra e uma na Alemanha.

O uso de entorpecentes lícitos e ilícitos no campo de batalha não é uma novidade da Guerra do Vietnã. Há mais de 4 mil anos drogas são usadas nos campos de batalha. Antes do surgimento das drogas sintéticas, plantas como haxixe e folha de coca, cogumelos e ervas, chá de ayahuasca, álcool, tabaco e maconha eram amplamente utilizadas nos campos de batalha. Com os avanços da química no final do século XIX as drogas sintéticas como anfetaminas e metanfetaminas passaram a ser as substâncias preferidas dos militares por aumentar as capacidades físicas e psíquicas dos soldados.

Voltando à Guerra do Vietnã, as drogas utilizadas pelos soldados incluíam além da heroína, lsd, ópio, maconha e barbitúricos. Os próprios soldados tinham uma espécie de ranking onde eram categorizados pela droga que usavam. No topo estavam os que usavam maconha, considerados os mais legais e confiáveis. Os que usavam alucinógenos como o lsd estavam no ranking mais baixo por serem considerados pouco confiáveis, porque nunca se sabia o que seriam capazes de fazer quando usavam a droga. Os que usavam anfetaminas eram evitados por ficarem hiperativos após o uso da droga. Os usuários de heroína ficavam em uma posição intermediária no ranking porque o uso dela os deixava fora de combate, mas não representavam uma ameaça aos outros soldados.

No início dos anos 70 congressistas elaboraram um relatório que estimava que 15% à 25% dos soldados que serviam na guerra consumiam heroína regularmente. Uma reportagem do New York Times de maio de 1971 intitulada "Epidemia de viciados em heroína no Vietnã" escancarou o problema publicamente, aumentando a pressão da opinião pública que pedia o fim da guerra com protestos ocorrendo nas ruas dos Estados Unidos.

Richard Nixon declarou o uso de drogas como inimigo nº 1 dos Estados Unidos
Richard Nixon declarou o uso de drogas como inimigo nº 1 dos Estados Unidos

Toda essa pressão fez o presidente Richard Nixon declarar o uso de drogas como o inimigo nº 1 da nação, superando até mesmo a luta contra o comunismo. Para combater o problema o governo criou o "Special Action Office For Drug Abuse Prevention" (Escritório Especial de Ação para Prevenção do Abuso de Drogas). Um teste de urina foi criado para flagrar os soldados que usavam drogas. Chamado de Operation Golden Flow (Operação Fluxo Dourado) o teste era aplicado esporadicamente enquanto os soldados estavam em combate. Se detectada alguma substância ilícita o soldado era impedido de voltar aos Estados Unidos sendo enviado à um tratamento por uma semana até ficar "limpo".

O governo comemorou os resultados da Operação anunciando que o problema havia sido controlado. Mas como costuma acontecer na chamada guerra às drogas o consumo não diminuiu, o que ocorreu é que o sistema foi burlado. Para conseguirem ficar "limpos" os usuários trocavam as amostras de urina por amostras de soldados que não usavam drogas ou ficavam quatro dias sem usá-las para conseguir passar no teste.

Não só o sistema foi burlado como se voltou contra si mesmo. Uma dose que custava U$$ 2 no Vietnã valia U$$ 100 nos Estados Unidos criando uma grande oportunidade de negócio. Os soldados liberados permaneciam nas regiões próximas ao Vietnã e ganhavam a vida vendendo a droga para os soldados em combate ou enviando remessas para os Estados Unidos em cartas, pacotes e suprimentos. O exército era conivente com o tráfico fazendo "vista grossa", visando conquistar apoio entre os locais em troca de apoio contra os comunistas do Norte, com um esquema que envolvia altos escalões de políticos, militares e líderes do Vietnã do Sul.

O fim da guerra também acarretou uma grande mudança social. A heroína, até então restrita a guetos da comunidade negra, caiu nas graças da classe média americana. Entre os soldados, muitos dos veteranos que retornaram da guerra não receberam nenhum tratamento para o vício e o assunto virou tabu, com muitos deles defendendo que o número de viciados não era tão grande quanto o que se anunciava.

Rat Salad

Canção instrumental baseada em solos que Bill Ward costumava improvisar por cerca de 45 minutos quando a banda estava na estrada no começo de carreira. Como ainda não tinham muitas músicas, eles precisavam preencher suas apresentações com jams que no futuro dariam origem a várias músicas. Em "Rat Salad", Geezer e Tony tocavam a introdução e saiam para o bar enquanto Bill ficava improvisando até que todos voltassem a tocar. A versão de Paranoid é basicamente uma versão destes improvisos condensada em pouco mais de dois minutos. O título surgiu de uma brincadeira de Ozzy sem um motivo aparente.

Fairies Wear Boots

Após um show no Weston Super Mare na Inglaterra, Geezer Butler foi receber o pagamento quando o gerente do local alegou que ele já havia sido feito ao seu empresário. Geezer então saiu para telefonar para o empresário e verificar se a história era verdadeira quando se viu cercado por um grupo de cerca de 20 skinheads. Eles gritaram "Matem o hippie". Geezer saiu correndo de volta ao local do show para pedir ajuda aos outros integrantes. O que se seguiu a uma briga generalizada com todo tipo de objeto servindo de arma, com destaque para Tony Iommi que segundo o relato de seus companheiros, fez jus à sua fama de briguento dos tempos de escola, embora tenha machucado o braço direito, o que obrigou a banda a cancelar uma apresentação no dia seguinte.

Extras

. Curiosamente as versões americanas dos quatro primeiros álbuns traziam um subtítulo junto às faixas como "Jack The Striper" e "Luke's Wall" em homenagem aos roadies Geoff Lucas e Spock Wall.

. O empresário Jim Simpson foi dispensado pela banda às vésperas do lançamento do álbum. A banda achava que precisava de um gerenciamento mais profissional para alcançar o próximo nível. Um grupo de indivíduos chamados de "Al Capones do Pop" liderados por Don Arden (futuro sogro de Ozzy), Wilf Pine e Patrick Meehan passou a gerenciar a carreira do Black Sabbath.

. Quando excursionaram pelo Estados Unidos para divulgar o álbum, Joe Smith (executivo da Warner Bros) ordenou que todos os cartazes de divulgação tivessem a inscrição "Mais alto que o Led Zeppelin".

. A amizade com o Led Zeppelin deu origem a uma lenda de que existiria uma fita chamada "Black Zeppelin Tapes" em que os vocalistas, em uma brincadeira no estúdio trocavam de banda. No começo de carreira o Led Zeppelin sugeriu a contratação do Sabbath para sua gravadora, a Swan Song e de fato chegaram a fazer uma jam no estúdio com Robert Plant, John Paul Jones e John Boham (Jimmy Page não estava presente) mas segundo Ozzy a jam não foi gravada. A lenda teve início quando um editor de livros fez uma visita a um ex-empresário do Sabbath e teria visto em um canto do escritório uma caixa com a inscrição "Black Zeppelin Tapes".

. Por coincidência "Paranoid" foi lançado na data da morte de Jimi Hendrix, 18 de setembro de 1970.

. Em 24 de setembro de 1970 a banda gravou um vídeo para "Paranoid" no Top Of The Pops (programa de tv) e dois dias depois gravou vídeos para "Iron Man" e "Paranoid" para a German Beat Club Tv Show. Os vídeos clipes ainda não existiam e alguns desses vídeos vieram a ser conhecidos mais tarde com o advento da Mtv.

. Com o sucesso do Black Sabbath existem inúmeros covers de diversas bandas. Uma das primeiras bandas a gravar um cover do Black Sabbath foi a banda, "Suck" da África do Sul, que gravou uma versão de "War Pigs" em 1971.

. A música "Paranoid" foi utilizada na trilha sonora de "Rock n Roll Racing" um jogo para Mega Drive, Super Nintendo e Game Boy Advance lançado em 1993.

Referências:

http://www.lomography.com.br/magazine/247425-marcus-keef-mas...

https://www.metal-archives.com/artists/Marcus_Keef/178410

http://rateyourmusic.com/list/alabaster/cover_art_artist_gal...

http://www.cvinyl.com/coverart/marcuskeef.php

http://gaffa.org/reaching/iv79_mc.html

Tradução - Paranoid - Black Sabbath

http://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2016/03/conh...

http://obaudahistoria.blogspot.com.br/2011/04/noite-de-walpu...

http://www.black-sabbath.com/faq/faq.html#faq44

http://www.beatrix.pro.br/mofo/blacksabbath.htm

https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Rodger_Bain&oldid...

http://www.cvinyl.com/coverart/marcuskeef.php

https://www.black-sabbath.com/faq/faq.html#faq05

http://origin.guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-histori...

https://theundisciplined.files.wordpress.com/2014/07/skin-he...

https://theundisciplined.com/2014/07/04/skinhead-the-evoluti...

http://bravewords.com/news/black-sabbath-guitarist-tony-iomm...

Sabbath Bloody Sabbath - Joel McIver - Editora Madras (2012).

Black Sabbath - Destruição Desencadeada - Martin Popoff - Editora Darkside Books (2013).

Iron Man - Minha Jornada com o Black Sabbath - Tony Iommy (T.J Lammers) - Editora Planeta (2011)

Notas de encarte do CD "Paranoid - Super Deluxe Edition" - Kory Grow

Black Sabbath Faq - All Left To Know On The First Name Of Metal - Martin Popoff - Back Beat Books (2011)

Paranoid - Classic Albums - DVD/BluRay - Eagle Vision

Comente: Qual a sua opinião sobre este grande clássico do Sabbath?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Halestorm: a música que fez cada integrante buscar por um instrumentoHalestorm
A música que fez cada integrante buscar por um instrumento

Ozzy Osbourne: qual a música mais assustadora da história para ele?Ozzy Osbourne
Qual a música mais assustadora da história para ele?


Metallica: os fantasticos carros de James HetfieldMetallica
Os fantasticos carros de James Hetfield

AC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de AngusAC/DC
A história do nome e a idéia do uniforme de Angus


Sobre Alcides S. Maia Júnior

Conheceu o rock ainda moleque através do futebol, ao escutar We Are The Champions do Queen, a partir daí foi conhecendo diversas bandas clássicas como Black Sabbath, Deep Purple, Pink Floyd, Led Zeppelin, Rainbow, Judas Priest, Iron Maiden, Candlemass, entre outras.

Mais matérias de Alcides S. Maia Júnior no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280