Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas


Stamp

Toe Fat: os dedos gordos do Rock

Por Edson Medeiros
Fonte: Acid Experience
Em 18/09/13

publicidade

Além de ser uma das bandas pioneiras a misturar o Hard e o Prog, o TOE FAT ainda serviu como vitrine musical para que seus integrantes pudessem sair do underground londrino e entrassem de vez no mainstream quando posteriormente fizeram parte de uma dezena de outros grandes grupos, como o URIAH HEEP e o BEE GEES.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seu valor pode ter sido reconhecido apenas tardiamente, mas o TOE FAT será sempre lembrado como uma das melhores bandas injustiçadas de todos os tempos.

THE GODS e CLIFF BENNETT & THE REBEL ROUSERS

Em 1969, duas promissoras bandas inglesas estavam acabadas: o combo de R&B chamado REBEL ROUSERS que acompanhava o vocalista CLIFF BENNETT e a banda londrina THE GODS. Ambas nunca chegaram a alcançar boas posições nas paradas de sucesso e nem conquistaram uma grande legião de fãs, mas ao menos serviram para que diversos músicos (mais tarde consagrados) saíssem do underground e entrassem num meio mais profissional da música.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O CLIFF BENNETT & THE REBEL ROUSERS esteve ativo por quase uma década, tornando seu frontman uma espécie de celebridade no Reino Unido, em seu período de atividade lançaram dois álbuns, dois EP’s e uma dezena de singles que só atingiram posições medianas nas paradas britânicas; já o THE GODS se manteve ativo por aproximadamente 4 anos, um curto período onde lançaram somente quatro singles, colocaram dois discos no mercado e ganharam notoriedade nos Pubs da fria Londres.

A formação do TOE FAT

Influenciado pela nova cena que surgia com bandas como o LED ZEPPELIN e o HUMBLE PIE que elevavam o movimento Heavy/Blues criado pelo CREAM a níveis altíssimos de distorção e peso, BENNETT resolve começar uma nova banda nestes moldes e saí à procura de músicos experientes para se juntarem a ele, foi apresentado ao multi-instrumentista KEN HENSLEY (ex-THE GODS) por seu empresário que agendou um jantar de negócios entre os dois, onde firmaram o acerto de formarem uma nova banda, naquela mesma noite escolheram o nome TOE FAT, uma esdrúxula sugestão do manager que queria o nome mais repulsivo possível.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Graças a alguns contatos e amizades que BENNETT havia cultivado durante seus tempos no REBEL ROUSERS logo ele descolaria um contrato para a gravação de dois álbuns, no Reino Unido pelo selo Parlophone e nos EUA pela Rare Earth, um braço mais Rocker da Motown.

Com a maioria dos detalhes acertados, só faltava mesmo gente para ajudar a colocar o projeto pra frente, enquanto HENSLEY convida o baterista LEE KERSLAKE com quem havia tocado no THE GODS, o baixista JOHN KONAS seria escolhido para o posto após algumas audições, mas não durou muito no cargo e acabou se demitindo pouco antes do início das gravações devido aos vários desentendimentos com BENNETT, quem acabou ficando com seu posto foi JOHN GLASCOCK (outro ex-membro do THE GODS).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A estréia em vinil – BENNETT vs. HENSLEY

As gravações do álbum de estreia do grupo duraram até o inicio de 1970, sendo concluídas sob muitas confusões envolvendo BENNETT e HENSLEY, duas personalidades fortes demais para aceitarem as opiniões um do outro, o principal motivo de discórdia entre eles era a direção musical que o grupo deveria tomar, enquanto BENNETT tentava fazer algo mais denso e pesado, HENSLEY pendia para uma música mais Soft e Progressiva, o que culminou na expulsão do guitarrista pouquíssimo tempo após o lançamento do LP TOE FAT, tudo isso em meio a tour de promoção do álbum na Europa, o que forçou BENNETT a pedir socorro ao guitarrista ALAN KENDALL, um velho conhecido da cena underground de Londres. Após o fim das datas no Velho Mundo, KENDALL foi efetivado como membro da banda e eles viajaram pela primeira vez aos Estados Unidos numa longa tour abrindo para o supergrupo DEREK & THE DOMINOS.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Bad Side of the Moon

Voltando para Londres, começaram a trabalhar em novas composições para o seu segundo álbum (já previsto em um contrato firmado pela banda) e enquanto isso chegaria às lojas o primeiro single do grupo extraído da sua estréia homônima, contendo "Just Like Me" no lado A e "Bad Side of the Moon" (original de ELTON JOHN) como lado B. Curiosamente o lado B acabou fazendo mais sucesso que o carro-chefe do single, o que motivou a Parlophone a colocar um segundo compacto no mercado contendo "Bad Side of the Moon" como lado A e "Working Nights" como lado B. Mesmo com o single alcançando boas posições nas paradas – principalmente nos EUA – o álbum não parecia decolar e a banda é forçada a interromper as gravações do seu segundo disco para tentar fazer dinheiro na estrada, isso devido às pressões da gravadora que ameaçava os despedir se continuassem sem dar o retorno esperado.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Sem conseguir bons shows no Reino Unido, o TOE FAT resolve mesmo é apostar no mercado americano e embarcam novamente para a Terra do Tio Sam, mas agora como banda principal e não abrindo shows para outro grupo.

Novas mudanças

Com o final da nova tour, já em 1971 o ex-TOE FAT – agora membro do URIAH HEEP – KEN HENSLEY convida o baterista LEE KERSLAKE a integrar seu novo grupo, este aceita e sem exitar abandona o grupo em meio as gravações de seu segundo disco, o jeito foi recrutar as pressas o irmão mais novo de JOHN, BRIAN GLASCOCK, ainda inexperiente, tendo tocado apenas em bandas amadoras da época. Com tudo praticamente pronto durante a mixagem do novo álbum – que já tinha até nome: TOE FAT TWO – os executivos da EMI, irritados com a pouca vendagem do primeiro disco resolvem troca-los de selo, jogando o grupo para o menor Regal Zonophone e deixando-os quase sem visibilidade comercial na Inglaterra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O sucesso posterior

Com um novo fracasso comercial foram demitidos pela EMI, o que decretou o fim do grupo, que terminou quase sem nenhum reconhecimento nos dois lados do atlântico a não ser pelo sucesso de "Bad Side of the Moon" nos EUA. Com o passar dos anos o TOE FAT finalmente recebeu algum reconhecimento e admiração por fazer parte de um dos melhores movimentos do Rock, onde se misturavam o Hard e o Progressivo de forma austera e poderosa. Os ex-membros da banda acabaram provando seu valor musical posteriormente, quando passaram por diversos outros grupos como foram os casos de JOHN GLASCOCK com passagens pelo CHICKEN SHACK e o JETHRO TULL, além de ALAN KENDALL e BRIAN GLASCOCK que fariam parte da fase mais gloriosa do BEE GEES. O multi-instrumentista KEN HENSLEY e o baterista LEE KERSLAKE que abandonaram a banda ainda antes do seu fim prematuro, tocaram durante anos no URIAH HEEP, sendo de fundamental importância para o sucesso da banda como uma das grandes do Hard/Prog britânico dos anos 70. Já o vocalista BENNETT reativou seu antigo grupo, o REBEL] ROUUSERS, em mais algumas apresentações antes de sua definitiva aposentadoria.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Discografia:
Toe Fat (1970)
Toe Fat Two (1971)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got Talent