Aerosmith: Tudo que esconderam de você - Parte I

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos rock Show
Enviar correções  |  Comentários  | 

Aerosmith 1986
Aerosmith 1986

É 1º de novembro de 2009. Em um local dos bastidores a uma considerável distância do resto de seus colegas do AEROSMITH, STEVEN TYLER está em algum lugar do Ferrari Stadium em Abu Dhabi. Steven está contando à revista inglesa Classic Rock sobre seus planos futuros. ‘Vou Fazer algo Steven Tyler, trabalhando na minha marca – a marca Steven Tyler,’ ele diz. ‘Não tenho certeza do que vou fazer, mas muita coisa veio e vai deixar a banda puta da vida. Vamos ver o que rola.’

Isso é notícia. Até esta noite, a banda e os empresários têm tido comunicação limitada, revelando apenas retalhos de (des)informação, indicando que o Aerosmith ia dar um tempo e deixaria que Tyler fosse atrás de suas ambições solo.

O termo ‘dar um tempo’ é geralmente o código do departamento de relações públicas para uma variedade de cenários, incluindo uma recaída nas drogas, um membro da banda se internando numa clínica de reabilitação, a banda despedir o empresário, a banda despedir um membro, a gravadora se recusar a lançar um álbum ou um membro sair.

Tudo isso e muito mais aconteceu na conturbada história do Aerosmith e hoje uma mistura de boatos e fatos se espalha rapidamente: Steven Tyler teve uma recaída. Há relatos preocupantes que a hepatite C dele atacou de novo. Tyler quer dar um tempo e lançar um disco solo, mas o que se diz é que a gravadora não vai permitir que isso aconteça até que o Aerosmith grave um novo disco – o último deles para a Sony Music. Tyler despediu os empresários e seguiu com o amigo e grande fã Jason Flom da UEG «e depois os dispensa para contratar Allen Kovac da 10th Street Entertainment, que cuida dos interesses do Mötley Crüe e do Buckcherry».

Joe Perry em Abu Dhabi
Joe Perry em Abu Dhabi

Então enquanto a divisão de controle de danos levanta as mãos e grita: ‘Hiato!’, em algum outro lugar de Abu Dhabi, o resto da banda não está com humor para dourar a pílula.

‘A gente tem agüentado as palhaçadas de Steven por 40 anos’, diz o baterista Joey Kramer, que em seu livro de memórias, ‘Hit Hard’, explicou que ‘a banda era minha vida, mas também era a fonte de dor, humilhação e abuso. Steve era punitivo e crítico quando suas expectativas não eram atendidas. ’

“Tyler não é a pessoa mais fácil de conversar,” concorda o guitarrista Brad Whitford. “No momento, eu não ia querer falar com ele. Ele está bravo e. eu não sei o que está rolando com ele. É tudo muito deprimente…”

O modesto Ferrari Stadium em Abu Dhabi
O modesto Ferrari Stadium em Abu Dhabi

Um mês depois, Steven Tyler se internou na reabilitação e Joe Perry anunciou que a banda estava procurando um novo vocalista.

Então o que exatamente se passava no mundo do Aerosmith?

Nova Iorque, 1986. Já faz quase dois anos que a reformação do Aerosmith e o fedor do vício, ressentimento e disfunção generalizada ainda permeia os frágeis fios que seguram essa outrora lendária instituição estadunidense do rock. A banda inteira tem seus pequenos pecados e hábitos, mas Steven Tyler, como de costume, é a bala perdida. Com shows cancelados e entrevistas constrangedoras para a imprensa – nas quais o obviamente inebriado vocalista gaba-se das virtudes de sua ‘recém-encontrada sobriedade’ – está ficando evidente que essa antes esperada reunião vai se apagar de maneira patética.

O disco da volta, ‘Done With Mirrors’, é feito nas coxas, vende pouco e deixa o novo chefe de sua gravadora, o temido David Geffen, furioso.

A redenção vem quando Tyler e Perry são convidados do trio de rap de NYC RUN DMC na versão hip hop de ‘Walk This Way’, apresentando o Aerosmith a uma nova geração inteira pela MTV.

Infelizmente, Tyler (e outros membros da banda) não está em condição de tirar proveito dessa oportunidade de ouro, já que ele deposita todas suas energias em um vício caro em opióides. Como último recurso, o mais recente empresário da banda – Tim Collins – decide organizar uma intervenção (onde, numa última e desesperada tentativa, os viciados/alcoólatras são confrontados por família, amigos e um profissional) enganando o noiado frontman a ir até seu escritório às 6 da manhã sob a pretensa de fazer uma entrevista com uma estação de rádio britânica, sofrendo de uma abstinência aguda «era cedo demais para poder coletar sua receita na clínica de metadona do governo», Tyler se vê confrontado por seus colegas de banda que disparam sua lista de mágoas e dão um ultimato.

“Eu tive que ouvir todos meus amigos – com os quais eu tinha me drogado um dia antes – me dizerem que eu era um trouxa e que baita presepão eu tinha virado!”, Tyler lembrou na autobiografia da banda, ‘Walk This Way’. “Sou grato porque eu fiquei sóbrio, mas até hoje eu rumino a maneira que aquilo aconteceu.”

‘Walk This Way’, que relata a ascensão, queda e milagrosa ressurreição do Aerosmith, teve um papel significante na credibilidade restaurada da banda como símbolos de sobriedade. Tyler foi o primeiro membro a se internar (o baixista Tom Hamilton foi o último), e quando a banda voltou a excursionar, Tim Collins fez tudo que podia para certificar-se que eles ficassem longe da tentação «os frigobares dos hotéis era esvaziados e a equipe técnica não tinha permissão para beber ou se drogar em frente à banda».

Quando o GUNS N’ ROSES (apadrinhado tanto na música como no consumo de químicos) veio como banda de abertura graças à insistência da gravadora, Collins racionalmente temeu pelo pior e fez com que o GN’R estivesse longe do local do show antes que a banda principal chegasse. O Aerosmith ganhou uma reputação de nazistas da sobriedade e para dar um tom mais leve à situação, a banda fez algumas camisetas com uma lista de todas as clínicas de desintoxicação pelas quais eles tinham passado, ao invés das datas dos shows.

Essa imagem de limpos e saudáveis foi plantada no Aerosmith para ganhar a confiança dos profissionais da indústria? O livro ‘Walk This Way’ teria sido parte de uma elaborada campanha de relações públicas?

“Você vai notar que eu quase não contribuí com nada para aquele livro,” diz o baterista Joey Kramer hoje em dia. “Isso porque eu não estava contente com aquilo. Aquilo foi idéia do Tim Collins.”

Balela??
Balela??

“Tornar nossos problemas públicos serviu para provar que estávamos de volta,” elabora o guitarrista Joe Perry. “Nós fomos uma das primeiras bandas a vir e dizer que chegamos ao limite. Agora as pessoas podiam ver que você realmente podia passar por tempos terríveis, voltar e ter alguma sanidade em sua vida novamente. Mas isso começou a se desgastar depois de um tempo, a notícia ficou velha e perdeu importância e nós só queríamos ser conhecidos como o Aerosmith.”

Tendo sobrevivido quatro décadas de brigas, tretas e acidentes, nós últimos meses as notícias antigas sobre o Aerosmith tornaram-se atuais de novo. Steven Tyler, mais uma vez, teve uma recaída «além de cair do palco em Sturgis, Dakota do Norte em agosto de 2009» espetacular e sob vários aspectos, o Aerosmith parecia estar no mesmo exato momento que estava em 1986.

Dessa vez, Tyler se internou por vontade própria na desintoxicação e, ao invés da banda comemorar seu quadragésimo aniversário, o Aerosmith pareceu entrar numa crise da meia-idade.

Estaria o Aerosmith nas últimas?

Los Angeles, 23 de Novembro de 2009. Joe Perry remove seus óculos estilo ‘Mad Max’. “OK”, ele diz, “Então é oficial: o Aerosmith está procurando por um novo vocalista.”

Leia a segunda parte da matéria no link a seguir.
5000 acessosAerosmith: Tudo que esconderam de você - Parte II

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Top 20Top 20
Os discos e singles mais odiados do rock, segundo o UCR

417 acessosSteven Tyler: "Dude (Looks Like A Lady)" com Caitlyn Jenner?392 acessosLoja de Discos do Cassio: Aerosmith no Rock in Rio557 acessosAerosmith: tres vídeos retrospectivos de shows recentes0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Aerosmith"

Classic RockClassic Rock
100 grandes discos da década de 1980 segundo a revista inglesa

AerosmithAerosmith
Slash fez o desenho do encarte de álbum

AerosmithAerosmith
"Justin Bieber é um punk", diz Joey Kramer

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Aerosmith"

Lars UlrichLars Ulrich
Vomitando no camarim do Guns N' Roses

NirvanaNirvana
Lendário show no Hollywood Rock completa 20 anos

MetallicaMetallica
As 10 melhores músicas segundo a Loudwire

5000 acessosMichael Kiske: "O Iron Maiden vende a morte às pessoas!"5000 acessosBeatles: tocando "Stairway To Heaven" no YouTube?5000 acessosEm 16/01/1993: o Nirvana fazia um show catastrófico no Brasil3937 acessosHeavy Metal: as dez melhores bandas sul-americanas do gênero3022 acessosDimebag Darrel: Um raro vídeo de solo aos 18 anos5000 acessosOut: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online