Steve Perry no Journey: 30 anos de AOR!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em 1971, insatisfeito ao lado do grupo de Carlos Santana, Gregg Rolie (teclado e vocal) resolve deixar a banda do guitarrista latino. Pouco tempo depois, seu ex-parceiro de banda, Neal Schon (guitarra), toma a mesma decisão. Incentivados a formar uma nova banda, a dupla convida George Tickner (guitarra), Prairie Prince (bateria) e Ross Valory (baixo) para esta nova empreitada. Em 1973, após a gravação de algumas ‘demos-tapes’, a banda resolve adotar o nome Journey.

4134 acessosJourney: Steve Perry era um fenômeno humano, diz baixista do Styx5000 acessosRock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Prince resolve deixar o posto de baterista antes mesmo do primeiro registro do grupo. Em seu lugar, foi chamado Aynsley Dunbar (bateria), que participou das gravações do primeiro CD “Journey”, lançado em 1975. Musicalmente, o álbum contém influências de rock, jazz e toques progressivos. Essas características também são comuns aos dois álbuns seguintes, “Look Into the Future” e “Next” - uma fase em que o Journey se reduziu a um quarteto, com a saída de Tickner.

Com vendagens apenas medianas, a banda fez novas alterações em seu ‘line-up’. O vocalista Robert Fleischman chegou a ser contratado, mas durou pouco tempo na banda, tendo gravado apenas a música “For You”, lançada depois unicamente no ‘box-set’ “Time 3”.

Faltava aquele “algo mais” para catapultar o nome do Journey ao estrelato. Eles precisavam de um vocalista único e especial. Em 1977 uma fita demo de uma desconhecida banda de blues e rock chamada "Alien Project" chegou às mãos de Herbie Herbert, que coincidentemente procurava por um vocalista para o Journey., que logo contatou Steve. Na Segunda metade daquele mesmo ano, mais precisamente no dia 10 de outubro, Steve tornou-se o vocalista do Journey mudando assim o curso do estilo que convencionou-se a chamar de Art Oriented Rock – AOR.

Steve recebeu o apelido de "The Voice" pelos fãs, críticos e colegas músicos pela voz forte, melodiosa e capaz de atingir notas altas com grande facilidade. Ele ainda toca guitarra, piano e bateria, e cita Sam Cooke, Jackie Wilson e Marvin Gaye como sua inspiração musical.

Steve Perry gravou no ano seguinte, em 1978, seu primeiro álbum ao lado do Journey, “Infinity” - o último com Aynsley Dunbar na bateria. O disco, clássico total, contava com uma sonoridade diferente dos álbuns anteriores, sendo mais acessível, melódico e menos experimental. O sucesso comercial foi muito gratificante.

“Evolution”, o disco seguinte e já contando com Steve Smith no posto de baterista, foi impulsionado pelo bem-sucedido ‘single’ Lovin’, Touchin’, Squeezin, superado apenas pelo hino "Don’t Stop Believin' ". Da mesma forma, foram lançados “Departure” e o ao vivo “Captured”, ambos com ótimas vendagens e elevando o nome e a música do Journey aos quatro cantos do planeta. Tudo parecia perfeito, mas o grupo sofre uma grande perda nesta época: desgastado pelas freqüentes turnês, o fundador da banda, o injustiçado Gregg Rolie (escute os álbuns solo deste cara e observe que primor!) sai da banda, dando lugar ao tecladista Jonathan Cain que, além de ótimo instrumentista, era também um exímio compositor.

Com isso o ápice da carreira do Journey veio a seguir em 1981, com o lançamento de “Escape”. Recheado de ‘hits’, a maioria contando com Cain compondo, o álbum chegou ao primeiro lugar nos ‘charts’ americanos. Da gigantesca turnê em promoção deste disco saiu o DVD Live in Houston. Ali via-se um grupo coeso, talentoso e cheio de personalidade. E quem disse que se acomodaram? Mandaram ver com o passo seguinte, o também multi-platinado “Frontiers”. Este disco carimbou de vez a banda como A banda de AOR (isso mesmo, com o “A” maiúsculo). A importância foi tamanha que serviu para batizar a maior gravadora do estilo (a Frontiers, da Itália), é mole?!


Mas como nem tudo são flores, mais mudanças na formação: Ross Valory e Steve Smith deixam surpreendentemente a banda. Ninguém imaginaria que pudéssem sair justamente no melhor momento do Journey. E Steve Perry continuava destruindo tudo com sua voz cada vez mais potente. Novas idéias, novos rumos e então saem do estúdio com o que viria a ser o último lançamento de inéditas dos anos 80 do Journey: “Raised on Radio”. Lançado em 1986, o disco contava, além de Perry, Schon e Cain, com Larrie Londin - bateria e percussão e Randy Jackson no baixo e vocal. Mesmo com o sucesso do álbum, Perry, que havia assumido o controle total do grupo, decide dar fim às atividades do Journey.

Após um hiato de 10 anos, o Journey volta à ativa novamente com a formação de maior sucesso que já teve: Steve Perry, Nean Schon, Jonathan Cain, Steve Smith e Ross Valory, com o lançamento de “Trial By Fire” que teve grandes vendagens logo em sua primeira semana de lançamento. Turnê em andamento, disco vendendo como água, um apanhado de canções marcantes e bem construídas, mas o que é bom dura pouco (perdoem o clichê absurdo!) e Perry precisa deixar o Journey, desta vez por motivos de saúde, (Steve Perry sofreu um acidente no Havaí enquanto praticava alpinismo e machucou-se seriamente, depois estava sofrendo de artrite, devido ao acidente no Havaí e necessitava urgentemente de cirurgia).

Os remanescentes não quiseram esperar por sua recuperação e chamaram o ex-Tyketto Steve Augeri, bom cantor, mas totalmente “na cola” de Perry. Entretanto, isso já é outra história.

Fontes utilizadas:
http://www.journeymusic.com
http://steveperryonline.net
http://steveperryfanclub.homestead.com

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 24 de março de 2013
Post de 04 de novembro de 2014

JourneyJourney
Steve Perry era um fenômeno humano, diz baixista do Styx

1879 acessosJourney: Neal Schon reclama de Jonathan Cain nas redes0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Journey"

Steve PerrySteve Perry
Ex-vocalista do Journey revela ter tido câncer

BateristasBateristas
Alguns que usam a pegada tradicional para tocar

Steve PerrySteve Perry
Cinco fatos curiosos sobre o ex-vocal do Journey

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Journey"

Rock e MetalRock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Collectors RoomCollectors Room
Baixos, guitarras, calcinhas, e máquina de pinball do Kiss?

EnjauladosEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

5000 acessosU2: as 10 melhores músicas de todos os tempos da banda5000 acessosMarilyn Manson: é do cantor o vídeo mais assustador5000 acessosLemmy Kilmister: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha5000 acessosMegadeth: porque tantos foram demitidos? Mustaine tenta explicar5000 acessosMegadeth: com quantas baquetas se faz um álbum de estúdio?5000 acessosMetallica: Hetfield revela faixa que deveria ter ficado de fora do "Ride The Lightning"

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Europa, onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar Napalm Death, seguido de algo do New Order ou Depeche Mode, daí viajar com Deep Purple, bailar com Journey, dar um tapa na Bay Area e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online