Ultraje A Rigor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

Retirada do Site Oficial do Ultraje a Rigor

Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Por que Ultraje a Rigor?

O Ultraje a Rigor foi formado no final de 1980, inicialmente como uma banda de covers, principalmente Beatles, rock dos anos 60, punk e new wave. Depois de algumas formações provisórias, Roger, Leôspa, Sílvio e Edgard começaram a se apresentar em festas e barzinhos. Em 1982, ainda sem um nome fixo, decidiram por Ultraje a Rigor, já que nunca eram muito fiéis às versões originais dos covers que faziam, frequentemente avacalhados ou distorcidos. O nome Ultraje a Rigor foi escolhido meio por acaso. Roger e Leôspa estavam tentando achar um nome durante uma festa em que se apresentavam. Roger sugeriu Ultraje, mas achava meio punk demais (para a época, pelo menos). Roger então perguntou a Edgard, que chegou no meio da conversa, o que ele achava de Ultraje. Edgard, sem entender direito a pergunta, disse: "Que traje? O traje a rigor?" Roger e Leôspa adoraram e adotaram então este nome. Logo depois, Sílvio sairia, entrando Maurício em seu lugar

Inútil

Com esta formação, em abril de 1983 participaram do projeto Bôca no Trombone, do Teatro Lira Paulistana, em São Paulo, seu primeiro show só com composições próprias. Foram contratados após uma das apresentações pelo produtor Pena Schmidt, na época contratando grupos para a WEA. Gravaram seu primeiro compacto, "Inútil/Mim quer tocar", que, por problemas com a Censura, só saiu em outubro daquele ano. Após a gravação do compacto, agora fazendo mais shows, Edgard, já na época com o Ira (ainda sem ponto de exclamação), não pôde mais dividir-se entre os dois grupos. Para o seu lugar foi chamado Carlinhos. Com esta formação, gravaram seu segundo compacto, "Eu me amo/Rebelde sem Causa" em 1984. "Eu me amo" foi bem nas rádios, impulsionado um pouco pela polêmica coincidência de refrões com a música Egotrip, da Blitz. Mas o lado B do compacto, que começou a tocar no começo de 1985 foi que detonou a explosão do Ultraje.

Nós vamos invadir sua praia

Seu primeiro LP, "Nós Vamos Invadir Sua Praia", lançado a seguir e puxado inicialmente por "Ciúme", foi um enorme sucesso. Foi o primeiro LP de rock nacional a conseguir discos de ouro e platina. Das onze músicas do disco, nove foram amplamente executadas e o Ultraje quebrou recordes de público em diversas casas de shows no Brasil inteiro. No começo de 1986 gravaram um EP chamado "Liberdade para Marylou", com uma versão remixada de "Nós Vamos Invadir Sua Praia", o "Hino dos Cafajestes" e a música "Marylou" gravada em ritmo de carnaval e com as frases censuradas substituídas por frases de trombone. "Marylou" arrebentou nos bailes de carnaval daquele ano e até hoje continua sendo tocada quase como um clássico de carnaval.

Já em 1987 gravaram seu segundo LP, "Sexo!!". Durante a gravação deste disco, Carlinhos, que já pensava em mudar-se para Los Angeles para formar sua própria banda (o que acabou fazendo), saiu para dar lugar a Sérgio Serra na guitarra. O disco foi tão bem sucedido quanto o primeiro, quebrando um tabu da indústria fonográfica, que ditava que um primeiro disco que vendesse muito bem era sempre sucedido por um fracasso. Isso não aconteceu. O disco foi lançado com um show-surpresa histórico na Avenida Paulista, uma das principais avenidas de S. Paulo, provocando um congestionamento de vários quilômetros. Nova turnê por todo o Brasil, novas músicas estouradas nas rádios e nada de férias, desde 1984.

Stress

Em 1989, amadurecidos e um pouco estressados pelas longas turnês, gravaram "Crescendo", seu terceiro LP. O disco vendeu bem, mas a mídia já não estava tão interessada no Ultraje, após 4 anos de sucesso ininterrupto. Mesmo assim, o Ultraje ainda provocava polêmica, ao provocar o anunciado fim da Censura oficial com a música "Filha da Puta". Palavrões não eram coisa comum naquela época, muito menos num refrão. Logicamente, a música foi censurada extra oficialmente em diversas rádios e em programas de TV, o que também atrapalhou na divulgação do disco. Outras músicas, com palavrões leves ou temas picantes, como "O Chiclete" e "Volta Comigo", que fala de adultério, também tiveram a execução prejudicada.

Em 1990 o Ultraje volta às origens e lança "Por Quê Ultraje a Rigor?", um disco de covers que faziam parte de seu repertório original. Maurício, casado com uma americana, muda-se para Miami (onde vive até hoje) e Andria Busic entra em seu lugar provisoriamente, sendo substituído por Oswaldo um mês depois. Quase um ano de turnê depois, e Roger percebe que o Ultraje já não era a mesma coisa. Leôspa, casado, já não tinha mais a mesma disposição para viajar e ensaiar, Sérgio Serra queria sair para formar sua própria banda e Oswaldo preferia trabalhar em seu estúdio profissional. Após uma conversa com Leôspa (que hoje mora em Ubatuba), decide procurar novos integrantes que quisessem continuar o Ultraje a rigor.

A Nova Formação

Procurando em bares e shows de bandas iniciantes, encontra Flávio Suete, baterista que tocava com a banda Nem e com o Central Scrutinizer Band, cover de Frank Zappa. Flávio indica Serginho Petroni, baixista com o Zappa cover. Juntos, começam a fazer audições para novos guitarristas. Após meses de ensaio e procura, acabam encontrando Heraldo Paarmann, por meio de um anúncio informal na rádio Brasil 2000. Continuam com os ensaios e uns poucos shows para entrosamento.

Em 1992, contra a vontade do grupo, a gravadora lança uma coletânea, "O Mundo Encantado do Ultraje a Rigor", sendo a palavra "encantado" uma ironia de Roger com relação ao encanto dos primeiros anos e as dificuldades com a gravadora, em relação a novos projetos. Apesar de ser uma coletânea, o disco tem duas faixas inéditas gravadas com esta formação, além de algumas gravações diferentes de sucessos anteriormente lançados.

Ainda em 1992, revoltados com o descaso da gravadora com o grupo, gravam de maneira independente "Ah, Se Eu Fôsse Homem", uma divertida divagação sobre as dificuldades encontradas pelos homens frente à nova posição da mulher pós-movimentos feministas. A fita com esta música, distribuída às rádios pelo próprio grupo, acaba provocando a reação esperada.

Em 1993, num clima já tenso com a gravadora, lançam "Ó!", seu sexto LP, o quarto com músicas inéditas, gravado às pressas e com orçamento pequeno, por imposição da gravadora. Foi um disco um pouco estranho, ainda pouco entrosado com relação a estilo e praticamente ignorado pelo departamento de divulgação da Warner. Teve um clip de sucesso na MTV, "(Acontece Toda Vez Que Eu Fico) Apaixonado" e sucesso discreto na mídia e nas lojas, embora tenha agradado seus fãs mais fiéis e conseguido alguns novos fãs. Em 1995, nova coletânea, dessa vez sem nem o conhecimento do grupo, foi lançada. Faz parte de uma série chamada "Geração Pop".

Em 1996, também de surpresa para a banda, lançaram uma série chamada "O melhor do Ultraje a Rigor/Dois é Demais!", reunindo os dois primeiros LPs do Ultraje, sem as faixas bônus dos CDs originais. Sem nunca se incomodar em avisar a banda, mas já não "de surpresa", a Warner lança mais duas coletâneas, em 1997 "Pop Brasil", na verdade uma reedição do Geração Pop com menos músicas e em 1998 "Ultraje a Rigor Vol. 2 / 2 é Demais!" com o terceiro e quarto discos da banda reunidos em um CD e, mais uma vez, sem as faixas bônus originais.

No início de 1999 Serginho deixa a banda para seguir carreira como Engenheiro Químico. Mingau assume o baixo. Logo depois, o Ultraje a rigor assina contrato com a Deckdisc/Abril Music para lançar "18 Anos Sem Tirar!", um disco ao vivo, com algumas canções inéditas gravadas em estúdio. O CD é muito bem recebido por público e crítica e recebe o disco de ouro por vendagens acima de 100.000 cópias, estourando a faixa "Nada a Declarar", que critica o tédio e a falta de assunto geral do cenário musical e da juventude em especial.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Ultraje A Rigor"


Ultraje A Rigor: achava que se durasse 5 anos, seria muito, diz RogerUltraje A Rigor
"achava que se durasse 5 anos, seria muito", diz Roger

Batanga: seis roqueiros que fizeram do rock nacional uma decepçãoBatanga
Seis roqueiros que fizeram do rock nacional uma decepção

Roger Moreira: chamando Pitty de imbecil via rede socialRoger Moreira
Chamando Pitty de "imbecil" via rede social


Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasSteven Tyler
Primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas

Metallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupoMetallica
NME elege as 10 melhores músicas do grupo

Axl Rose: a primeira ficha policial aos 18 anosAxl Rose
A primeira ficha policial aos 18 anos

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosComo ajudar a financiar o Whiplash.Net?Metallica: as duas ocasiões em que eles tocaram músicas do SlayerPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: H. P. Lovecraft