Tradução - Ashes - Tristania

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Tradução - Ashes - Tristania

Traduzido por Fagner A. Almeida

  | Comentários:
Imagem

Libre

Encapsulate the night!
Wrap up the truth in candy-striped paper
And throw us a blood-sodden
Torn and holey rotten through the core party

I stand with you now, my friend
My razor tongue
Is licking your rosy cheeks
And battered ears
I whisper sordid secrets
That are neither true nor false
I hold your hand in defiance
Amplify your feeble voice against evil
I hold your spine
And shake most violently

The silver light is overthrown
Rejoice with me
For we have denominated the devil
(And I shall get to fulfil my own)

When I die, I slay a hundred
When I die, I raise a thousand

Rejoice with me
For we have denominated the devil
(And I shall get to fulfil my own)

Every bullet hole in our holy town
Is an orifice for me to rape
Every woman slain is my whore
And every precious child crying
A golden orb of fire

I stand with you now, my friend
I nibble at your earlobes
Till they bleed the truth divine
Smear my name in their fearful faces
I hold your hand in vengeance
Your muffled words are a horrid
Choir across the sea
This licking pyre cannot be douted
By their tears

Balança

Condense a noite!
Embrulhe a verdade em papel listrado
E jogue-nos uma festa encharcada de sangue
Rasgada, perfurada e podre até o caroço

Eu fico com você agora, meu amigo
Minha língua afiada
Está lambendo suas bochechas róseas
E orelhas surradas
Eu sussurro segredos sórdidos
Que não são verdadeiros nem falsos
Eu seguro sua mão em desafio
Aumente sua voz fraca contra o mal
Eu seguro sua espinha
E a agito violentamente

A luz prateada fora derrubada
Regozije-se comigo
Por termos denominado o demônio
(E eu devo conseguir satisfazer a mim próprio)

Quando eu morro, eu mato uma centena
Quando eu morro, eu ressuscito milhares

Regozije-se comigo
Por termos denominado o demônio
(E eu devo conseguir satisfazer a mim próprio)

Cada buraco de bala em nossa sagrada cidade
É um orifício para eu violar
Cada mulher assassinada é minha prostituta
E cada criança preciosa chorando
Um dourado orbe de fogo

Eu fico com você agora, meu amigo
Eu belisco os lóbulos das suas orelhas
Até elas sangrarem a verdade divina
Ofende meu nome em suas faces amedrontadas
Eu seguro sua mão em vingança
Suas palavras silenciadas são repugnantes
Coros cruzando o mar
Esta pira intensa não pode ser duvidada
Por suas lágrimas

Equilibrium

This is the slowest dance
The dance of a thousand years
The dance of the frozen statues
Clinging together in tears

This is the darkest fight
The fight of a thousand years
The pounding of blood
Through our veins
In our veins
In our eyes
The circles of fear

I cling to you
So cold, so bright
Cling to me through the night

Motionless faces
Park of the wasted
In the pale gloom
I hang on to you
In the pale gloom
I am safe and cool

I swim in you
In your dark rivers
Dive in your mind
Search for your monsters
Search for resistance
Sink into the mud
Dance in the halls of insanity
Yet madness is
Your highest deed
Your vanity

Mistress - you made me
Mistress - you saved me
In your cold hands
I am just a tool

Mistress – you made me
Mistress - you saved me
In your cold hands
I am safe and cool

Equilíbrio

Esta é a dança mais lenta
A dança de mil anos
A dança das estátuas congeladas
Juntas agarradas em lágrimas

Esta é a luta mais negra
A luta de mil anos
O correr do sangue
Por nossas veias
Em nossas veias
Em nossos olhos
Os círculos de medo

Eu me agarro a você
Tão frio, tão claro
Segure-se em mim pela noite

Faces inertes
Parque da ruína
Na pálida escuridão
Eu me agarro em você
Na pálida escuridão
Estou seguro e calmo

Eu nado em você
Em seus negros rios
Mergulho em sua mente
Procuro por seus monstros
Procuro por resistência
Afundando na lama
Danço nos corredores da insanidade
Contudo a loucura é
Sua maior proeza
Sua ostentação

Mestra – você me fez
Mestra - você me salvou
Em suas mãos frias
Eu sou apenas um instrumento

Mestra – você me fez
Mestra - você me salvou
Em suas mãos frias
Estou seguro e calmo

The Wretched

Welcome, my friend
(Now) It's you and I
Do you sense the eye that watches you?
Can you feel her muted scream?
This is our very own horrid dream

Can you hear her hollow cry?
From the other side
You can't see her - you can't reach her
But you feel her watching you

Now she sings her lullaby
The sun has died
This is the voyage that never ends

A black light
The lost souls are craving
Clinging to their last glimpse of hope
The restless won’t leave you alone
You cannot set them free
The blood flows
Your fear grows
Awaiting an accident
Veiled eyes
See right through your darkened mind
You cannot set them free

The song of demons plays on the wind
Can you hear the wretched’s call?
Their shuffling feet
Your pounding heart
Now you know you're falling
Chanting words you do not catch
Their cries for help you never sensed
An organic mass of despair
This nightly mare

They cry your name, which is silence
They play their game, which is violence

Unsound.

O Desprezível

Bem-vindo, meu amigo
(Agora) é você e eu
Você percebe o olho que te observa?
Você pode sentir o grito mudo dela?
Este é o nosso próprio sonho horrendo

Você pode ouvir o pranto vazio dela?
Do outro lado
Você não pode vê-la - você não pode alcançá-la
Mas você sente ela te observando

Agora ela canta sua canção de ninar
O sol morreu
Esta é a viagem que nunca termina

Uma luz negra
As almas perdidas estão suplicando
Agarrando-se ao último vislumbre de esperança
O insone não te deixará sozinho
Você não pode libertá-los
O sangue flui
Seu medo cresce
Esperando um acidente
Olhos vedados
Vêem bem através de sua mente escurecida
Você não pode libertá-los

A canção dos demônios toca no vento
Você pode ouvir o chamado do desprezível?
Seus pés se arrastando
Seu coração batendo
Agora você sabe que está caindo
Entoando palavras que você não entende
Seus pedidos por ajuda que você nunca percebeu
Uma massa orgânica de desespero
Esta mare * noturna

Eles bradam seu nome, que é silêncio
Eles jogam seu jogo, que é violência

Doentia.

* Nightly mare = Trocadilho com a palavra ‘nightmare’ (pesadelo). Em astronomia, ‘mare’ é uma região escura de considerável extensão na superfície da lua.

Cure

In your web
The threads entangle
Your prey is dead
Dyed in silence

I'll forever stay with you
At your feet I will kneel
At your will
Dead silent

When I move - I am moved by you
When you rule - All is ruled by you
In your world - There is only you
In my world - There is only you

In your web
The threads entangle
At your will
Dead silent

Your words are shivers down my spine
I'm numb and shapeless
In your web - in your web
My blood runs slow and red like wine
The past is shattered - forever

I serve your will
For I have been bruised and battered and covered
I serve your will
For I have been ordinated your lover

Cura

Em sua teia
Os fios embaraçam
Sua presa está morta
Tingida em silêncio

Para sempre ficarei com você
Aos seus pés irei me ajoelhar
À sua vontade
Morto silenciosamente

Quando me movo - Sou movido por você
Quando você manda - Tudo é governado por você
Em seu mundo - Há apenas você
Em meu mundo - Há apenas você

Em sua teia
Os fios embaraçam
À sua vontade
Morto silenciosamente

Suas palavras são calafrios em minha espinha
Estou entorpecido e disforme
Em sua teia - em sua teia
Meu sangue corre devagar e vermelho como vinho
O passado é despedaçado - para sempre

Eu sirvo sua vontade
Por eu ter sido ferido e espancado e coberto
Eu sirvo sua vontade
Por eu ter sido decretado seu amado

Circus

Tied up and gagged
Hooded and tagged
They're all yours to command

I am corpse, I am carrion prey
I have a crow at each brow
Plucking eyes in my mask of death
The darkness is complete

Who's the hooded one, mother mine?
Who is gagged when all are silent?
And bitten when we move

Inflamed! My mask is burning
The night is dead; dark, putrid flesh turning
‘pon a chair in the dying corner
I am your bagful of fear
I’ll commit, I’ll admit
I’ll be the dagger, drive me in
I’ll be all motionless and still
My river runs within - still and deep

I am beast, I am carrion prey
To the cyclops tribe
String me up to a cherry tree
Come one, come all - and hang with me
I'm already hogtied
Entangled in your marionette strings

I am dancing
The embodiment of fear
A shake for every fearful tear
A ruckus for the righteous
In the end
They no longer know
Cast stones into mirrors - onto themselves

Mother mine!
Stab yourself, mother mine
Bleed your own river, dark and wide
Mine runs within, still and deep
Don’t shake me so, it will overflow

Circo

Amarrado e amordaçado
Vedado e pego
Eles estão todos às suas ordens

Eu sou cadáver, eu sou a carniça da presa
Eu tenho um corvo em cada canto
Arrancando os olhos em minha máscara da morte
A escuridão está completa

Quem é o vedado, mãe minha?
Quem é amordaçado quando todos estão quietos?
E mordido quando nos movemos

Inflamada! Minha máscara está queimando
A noite está morta; negra, pútrida carne girando
Sobre uma cadeira no canto moribundo
Eu sou sua sacola de medo
Eu irei confiar, eu irei admitir
Eu serei a adaga, finque-me
Serei todo inerte e imóvel
Meu rio corre por dentro - sereno e profundo

Eu sou cadáver, eu sou a carniça da presa
Para a tribo de ciclopes
Pendure-me em uma cerejeira
Venha um, venham todos - e se pendurem comigo
Já estou amarrado
Emaranhado em suas cordas de marionete

Estou dançando
A personificação do medo
Um terremoto para cada lágrima assustada
Um tumulto para o virtuoso
No fim
Eles já não sabem
Atiram pedras no espelho - neles mesmos

Mãe minha!
Perfure a si mesma, mãe minha
Sangre seu próprio rio, negro e extenso
O meu corre por dentro, sereno e profundo
Não me agite tanto, ele irá transbordar

Shadowman

At night - asleep
Nightmares - not dreams
Drag me through the dirt
There is no place to run - nor hide

He's in my blood
I try to keep him out
He rules the pain
He makes up the ugly thoughts
The rotten words
He distracts my nerves

His claws
His poisoned laughter twists the knife
His long sharp teeth
Motionless silence
Sullen muttering

He holds the blame
He's in my veins

He holds the blame
I try to keep him out
He rules the pain inside
He makes up the ugly thoughts
The rotten words
He distracts my nerves

I've never seen his face
But I have felt his breath so many times
Soaked in sweat
Sleeping pills and cigarettes
But when the day chases the night away…

Homem Sombra

À noite - adormecido
Pesadelos - não sonhos
Arrastam-me pela sujeira
Não há lugar para correr - nem esconder

Ele está em meu sangue
Eu tento mantê-lo afastado
Ele comanda a dor
Ele maquia os pensamentos maus
As palavras podres
Ele distrai meus nervos

Suas garras
Sua gargalhada envenenada retorce a faca
Seus longos e afiados dentes
Silêncio inerte
Murmúrio calado

Ele tem a culpa
Ele está em minhas veias

Ele tem a culpa
Eu tento mantê-lo afastado
Ele comanda a dor interior
Ele maquia os pensamentos maus
As palavras podres
Ele distrai meus nervos

Eu nunca vi sua face
Mas eu senti sua respiração tantas vezes
Encharcado de suor
Soníferos e cigarros
Apenas quando o dia afugenta a noite...

The Gate

An army of ambition
Is moving
And it shakes the ground
Ten thousand hungry hearts
With iron heels
Burns and rapes
Sucks the earth dry
Cuts and slays
All that gets in its way
Mighty forces of destruction
Way beyond control
Nothing sleeps tonight

Decay and sinister silence
Your world ripped in dust and ruins

I shed no tears for your pain
I shed no tears for the past

Unleash all the beasts from imprisonment
And arm them with sticks and stones
Bring them into the land of chaos
Watch mankind’s last gate fall

Trembling hands in fire burned
As we march into the night
Every last stone will be turned
Within the bright daylight

We are the hounds of hell
You will kneel
You will bend
We feast at her grave
In the bloodmist we stand
Victorious

O Portão

Um exército de ambição
Está se movendo
E isso treme a terra
Dez mil corações famintos
Com calcanhares de ferro
Queimam e pilham
Sugam a terra seca
Cortam e matam
Tudo o que fica em seu caminho
Poderosas forças de destruição
Muito além do controle
Nada dorme esta noite

Arruinado e sinistro silêncio
Seu mundo demolido em pó e ruínas

Eu não derramo lágrimas por sua dor
Eu não derramo lágrimas pelo passado

Solte todas as bestas da prisão
E as arme com paus e pedras
Tragam-nas para dentro da terra do caos
Observe o último portão da humanidade cair

Mãos trêmulas em fogo queimado
Conforme marchamos para a noite
Toda última pedra será movida
Dentro da clara luz do dia

Nós somos a matilha do inferno
Você irá se ajoelhar
Você irá se curvar
Nós festejamos no túmulo dela
Na névoa sangrenta nós permanecemos
Vitoriosos

Endogenisis

There is only one way out
One word left to shout
The last little slope to climb
Then my feet slip again
Your threatening voice
Gets me back up on my feet again

I will find the truth within your skin
You keep feeding me distractions
Feeding me lies
But I know the truth is there
In fragments
In bits
And pieces

Tall and slender
But your eyes are lusterless
Your facade may glimmer
Your surface may be smooth silk
You've been convinced of your own illusions
But your weary eyes unveil a sinner

Running...
Steadily you hunt me down
Until my feet collapse
Gasping...
You never rest
Struggling to breathe
You try to sink me in the mud

My dearest enslaved
Shackled
Locked up in my cage
My dearest enslaved
Fragile beauty depraved

Endogenisis *

Há apenas uma saída
Uma palavra faltando pra bradar
A última pequena ladeira para subir
Então meu pé escorrega de novo
Sua voz ameaçadora
Me coloca de volta em pé novamente

Irei encontrar a verdade dentro de sua pele
Você continua me alimentando com distrações
Alimentando-me com mentiras
Mas eu sei que a verdade existe
Em fragmentos
Em partículas
E pedaços

Alto e esbelto
Mas seus olhos são embaçados
Sua fachada pode vislumbrar
Sua superfície pode ser macia como seda
Você foi convencido de suas próprias ilusões
Mas seus olhos cansados revelam um pecador

Correndo...
Firmemente você me persegue
Até meus pés cansarem
Ofegando...
Você nunca descansa
Lutando para respirar
Você tenta me afogar na lama

Meu escravizado mais querido
Algemado
Trancado em minha gaiola
Meu escravizado mais querido
Frágil beleza depravada

* Relativo a endogenia (originado dentro do organismo, crescimento dentro de ou de uma camada interna)

Bird

A friendly push
Off the cliff - is all I need
A sudden change
Or a smile
Could make me feel alive
Anything to take the ignorance away

There is a hole in my chest
Where my heart used to be
If you're looking for emptiness
I'm what you need
Colder and darker and worse
Sometimes life's just a curse

My ashen face
My snow-white skin
Perfect Isolation
Time – slips
My asylum years
Will end in silence
Without tears

All illusions lost
All colours faded
A senseless pain
Transparent
Imperfection
Falling
Like a sparrow to the ground
Leave no trace of life

Music as my ship set sails
Through the window
From the street
Divine
Goodbye

Leave no marks
Upon my skin
Dreamless sleep
The convent walls on fire
Goodbye

Dreams and betrayal - hand in hand
Falling apart
In a drug wonderland
Unable to move and talk
Unable to care at all...

Somebody is knocking at my door
Somebody - I think I have seen before
I'm trembled and shaken and stirred
I wish I could be a bird

Pássaro

Um empurrão amigável
Pra fora do despenhadeiro - é tudo o que preciso
Uma mudança súbita
Ou um sorriso
Poderia me fazer se sentir vivo
Qualquer coisa para levar a ignorância embora

Existe um buraco em meu peito
Onde meu coração costumava estar
Se você está procurando por vazio
Eu sou o que você precisa
Mais frio, mais sombrio e pior
Algumas vezes a vida é apenas uma maldição

Minha face pálida
Minha pele alva
Isolação Perfeita
Tempo – passa despercebido
Meus anos de refúgio
Irão acabar em silêncio
Sem lágrimas

Todas as ilusões perdidas
Todas as cores apagadas
Uma dor insensível
Transparente
Imperfeição
Caindo
Como um pardal ao chão
Não deixa traço de vida

Música enquanto meu navio zarpa
Através da janela
Da rua
Divino
Adeus

Não deixa marcas
Sobre minha pele
Sono sem sonho
Os muros do convento em fogo
Adeus

Sonhos e traição - de mãos dadas
Caindo em pedaços
Em um entorpecente país das maravilhas
Incapaz de agir e falar
Incapaz de se importar de qualquer modo...

Alguém está batendo à minha porta
Alguém - Que eu acho que vi antes
Estou tremulante, abalado e excitado
Eu queria poder ser um pássaro






Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Traduções
Todas as matérias sobre "Tristania"

Tristania: Noruegueses apresentam um show mais maduro agora
Vibeke Stene: comentando gravação do projeto God of Atheists
Tristania: vocalista faz cover acústico do Faith No More
Dani Filth e Mariangela Demurtas: participação no game Karmaflow
Tristania: um metal cheio de pitadas industriais e alternativas
Vibeke Stene: ex-vocal do Tristania ressurge e quebra o silêncio
Tristania: Anders resenha o novo álbum faixa a faixa
Tristania: mais novidades sobre o próximo álbum
Tristania: ouça teaser do novo ábum, Darkest White
Tristania: Anders fala sobre a produção do novo álbum
Tristania: revelada track list de novo álbum
Tristania: tracklist do novo álbum divulgado
Tristania: guitarrista Anders Høyvik Hidle fala sobre novo álbum
Tristania: divulgada a capa e o título do novo álbum
Tristania: presença confirmada em festival costarriquenho

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Fagner A. Almeida

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados.

Caso seja o autor, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Fagner A. Almeida no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas