Cradle Of Filth: Essencial para os fãs do metal extremo

Resenha - Darkly, Darkly, Venus Aversa - Cradle Of Filth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Não há dúvidas de que a ótima repercussão conquistada por “Godspeed on the Devil’s Thunder” (2008) criou certa expectativa ao redor do que viria no próximo disco do CRADLE OF FILTH. O álbum sucessor da banda, intitulado “Darkly, Darkly, Venus Aversa” mantém os mesmos conceitos musicais que se tornaram referência para o black metal na década de noventa e ainda evidencia um fôlego criativo de Dani Filth & Cia. O novo repertório do grupo é suficientemente vigoroso para ser apontado – inclusive – como superior ao seu anterior.
CoF: piada feita após Kanye West usar camiseta da bandaIron Maiden: As 5 músicas mais fracas da carreira da banda

Por mais que a vertente melódica/comercial do black metal tenha se saturado, certas bandas ainda conseguem se destacar em apostas dentro do gênero. O diferencial dos ingleses do CRADLE OF FILTH é justamente não concentrar as suas composições dentro de uma abordagem extremamente sinfônica, mais ou menos como o DIMMU BORGIR vem contornando os seus álbuns mais recentes. A sonoridade da banda liderada por Dani Filth encontra um interessante ponto de intersecção entre o melódico e a agressividade típica dos gêneros mais extremos. “Darkly, Darkly, Venus Aversa” mostra como o Dani Filth (vocal), Paul Allender e James McEllroy (guitarras), Dave Pybus (baixo), Ashley Ellyllon (teclado) e Martin Skaroupka (bateria) uniram satisfatoriamente bem essas duas tendências distintas.

O nono registro de estúdio da banda abre provavelmente com uma das faixas de maior impacto da sua carreira. “The Cult of Venus Aversa” conta com uma performance assustadoramente incrível de Dani Filth e riffs extremamente pesados, que contornam praticamente todas as composições do disco. Com mais de sete minutos, a abertura do álbum – como a maioria das músicas assinadas pelo CRADLE OF FILTH – possui variações rítmicas claramente válidas para a complexidade artística do black metal contemporâneo. Do mesmo modo, “One Foul Step From the Abyss” e “The Nun with Astral Habit” reproduzem as mesmas características destacadas e que rodeiam o disco do seu início ao seu fim. No entanto, as faixas – assim como “Retreat of the Sacred Heart” – são mais diretas e não possuem o mesmo impacto sonoro de “The Cult of Venus Aversa”.

De qualquer forma, é nítida a superioridade das citadas “The Nun with Astral Habit” e “Retreat of the Sacred Heart” em comparação com o que há de mais similar em “Godspeed on the Devil’s Thunder” (2008). O repertório de “Darkly, Darkly, Venus Aversa” é nitidamente mais coeso e instrumentalmente melhor encaixado. Como prova, até mesmo as faixas mais “caóticas” – que representam outra constante dentro da obra do CRADLE OF FILTH – aparecem com um quê de boas estruturas e arranjos bem definidos. De um lado, “The Persecution Song” aparece bem por esse caminho. De outro, “Lilith Immaculate” desponta como outro grato destaque. As melodias e as (poucas) linhas orquestrais se uniram satisfatoriamente bem com a performance de Dani Filth e com a velocidade/agressividade intrínseca ao restante da banda.

Embora não possua um repertório recheado por candidatas a melhor música da carreira do CRADLE OF FILTH, “Darkly, Darkly, Venus Aversa” não comete nenhum pecado capital. Na sequência, “The Spawn of Love and War” possui qualidades para se sobressair entre as principais composições do disco, assim como as incríveis guitarras que aparecem na extrema “Harlot on a Pedestal”. A faixa, que pode até aparentar ser uma busca da banda eme soar agressiva e sem nenhum outro comprometimento definido, deixa claro o eficiente processo de criação por qual passou o disco. Por outro lado, “Forgive Me Father (I Have Sinned)” é outra música que possui um suficiente apelo sonoro para, como “The Cult of Venus Aversa”, ser apontada como o ponto de desequilíbrio na comparação entre “Darkly, Darkly Venus Aversa” o seu antecessor.

O encerramento com “Beyond Eleventh Hour” comprova a complexidade criativa e técnica de “Darkly, Darkly, Venus Aversa”. Não há dúvidas de que o CRADLE OF FILTH pode ser apontado hoje como um dos maiores nomes do black metal mundial. Embora os nomes escandinavos praticamente dominem o gênero, é no Reino Unido que o estilo possui a sua chama ainda acesa e mais brilhante. Não é por acaso que o disco atingiu a 99ª posição da US Billboard na semana em que chegou às lojas norte-americanas. No mercado brasileiro, é um item essencial para os fãs do metal extremo e concomitantemente do melódico.

Track-list:

01. The Cult of Venus Aversa
02. One Foul Step From the Abyss
03. The Nun with Astral Habit
04. Retreat of the Sacred Heart
05. The Persecution Song
06. Deceiving Eyes
07. Lilith Immaculate
08. The Spawn of Love and War
09. Harlot on a Pedestal
10. Forgive Me Father (I Have Sinned)
11. Beyond Eleventh Hour

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Darkly, Darkly, Venus Aversa - Cradle Of Filth

Cradle of Filth: após algum silêncio, rugindo furiosamente

Cradle Of Filth
Piada feita após Kanye West usar camiseta da banda

Todas as matérias e notícias sobre "Cradle Of Filth"

Capas polêmicas
Slayer, Megadeth, Dream Theater, Carcass...

Cradle Of Filth
Camisa blasfêmica é um pesadelo para a banda

Cradle Of Filth
Dani Filth relembra fã maluca que o perseguia

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cradle Of Filth"

Iron Maiden
As 5 músicas mais fracas da carreira da banda

Bruce Dickinson
Confirmando que o HPV foi causador do seu câncer

Morte
Confira 15 das melhores músicas sobre o tema

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaDave Grohl responde sobre carta aberta ao MetallicaTeoria da conspiração: teria The Rev do A7X cometido suicídio?Top 5: Os roqueiros mais chatos da históriaLoudwire: 10 walls-of-death épicas capturadas em vídeoBlackfoot - os índios que fazem Rock 'n' Roll

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online