Enslaved: criando algo novo, digno de nota e de palmas

Resenha - Axioma Ethica Odini - Enslaved

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
A cena Black Metal norueguesa de 1990, denominada por muitos acadêmicos como a “segunda geração”, revelou bandas que marcaram o estilo e o Metal como um todo, tanto pelo som quanto pelas polêmicas. O ‘vovô’ MAYHEM (que na realidade, faz parte da primeira geração), BURZUM, DARKTHRONE, EMPEROR, SATYRICON e tantas outras que nem cabe dizer tantos nomes aqui, pois não haveria espaço. Óbvio que a mesma força que impulsiona a humanidade para o futuro, chamada ‘evolução’, mostrou seu dedo nessas mesmas bandas, e houve mudanças em cada uma delas, algumas se negando a evoluir e indo por caminhos tortuosos, outras decaindo vertiginosamente, e outras ainda que foram aglutinando mais e mais influências musicais e criando algo novo, digno não só de nota, mas de palmas.
Enslaved: banda lançará disco ao vivo no Record Store DayAntônio Carlos Monteiro: A coleção do "ACM" da Rock Brigade

E neste último grupo está o ENSLAVED, que nos chega com seu 12º. CD, chamado “Axioma Ethina Odini”, que mostra o quão madura uma banda pode ser, o quanto ela pode evoluir sem perder suas raízes.

É óbvio que quem acompanha a banda há tempos sentirá que eles mantiveram o mesmo direcionamento ‘Progressive Black Metal’ dos últimos CDs, mas o que chama a atenção são alguns toques de psicodelismo à lá anos 60, principalmente pela sonorização usada no teclado, em vários momentos, e mesmo os vocais limpos apontam nesta direção.

O disco abre com a longa “Ethica Odini”, que inicia com um som de ventos e tempestade e depois vem um belo riff de guitarra acompanhado dos teclados, e logo os vocais rasgados de Grutle Kjellson (também baixista da banda) contrapõem-se aos belos andamentos de forma brilhante, seja nos momentos mais fortes ou nos mais técnicos. Os vocais limpos de Herbrand Larsen (que também é o tecladista da banda) aparecem como uma bela surpresa em vários momentos, inclusive em partes amenas e agressivas. “Raidho” é a próxima, onde a música se inicia mais seca e com Grutle urrando como um urso e riffs de guitarra mais secos e “motorheadianos”, lembrando a fase mais inicial da banda, mas logo a vitamina de Rock Progressivo se torna aparente em uma linda parte cheia de teclados e onde a bateria mais fica mais técnica (este Cato Bekkevold toca muito bem em todo o CD). A contraposição entre os vocais limpos e rasgados dão uma beleza incomum à música, bem como o excelente trabalho de Ivar Bjørnson e Arve ‘Ice Dale’ Isdal (este, conhecido por tocar também no I e no OV HELL). A faixa “Waruun” começa mais cadenciada, e depois começa a alternar partes lentas com outras mais rápidas e progressivas, em uma fusão perfeita de som agressivo e beleza na estética musical. Em “The Beacon”, mais uma vez o início nos lembra aquela fase “Frost”/“Eld” da banda, em uma golfada de agressividade, e apesar de uma amenizada com vocais limpos, a levada de baixo e bateria mantém aquela velha aura da banda, mantendo o trabalho consensual com suas raízes. A música “Axioma”, de apenas dois minutos, é apenas uma narrativa com vozes bem baixas e sons de sintetizadores, dando aquela velha climática Viking tão característica do ENSLAVED.

“Giants” inicia com um clima mais tenebroso, com riffs e levada bem lentos, e o clima ainda é mais aterrorizante mais adiante, graças aos vocais rasgados graves de Grutle alternado com os limpos, e os teclados dão aquela sensação de filme de horror, embora existam momentos mais polidos. Apesar dos vocais extremamente rasgados que abrem a música, “Singular” é bonita e bem trabalhada, com belos duetos vocais e teclados bem psicodélicos. No início de “Night Sight”, ficam claras influências de bandas de Rock Progressivo, bem como aquela psicodelia sonora tão característica do final dos anos 60 e do início dos 70, unida ao peso do Black Metal da banda, o que faz dela, de longe, a faixa mais progressiva e bonita do CD inteiro, e os mesmos elementos estão presentes em “Lightening”, sendo esta um pouco mais agressiva e o andamento é mais rápido que a anterior, fechando assim este belo CD.

Se alguém está em busca do que a banda fazia nos seus primeiros trabalhos, irá encontrar, bem como novos fãs terão acesso a uma excelente banda que ainda não teve seu real valor reconhecido por muitos.

Recomendo sem medo.

Tracklist:
01. Ethica Odini
02. Raidho
03. Waruun
04. The Beacon
05. Axioma
06. Giants
07. Singular
08. Night Sight
09. Lightening

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Enslaved: banda lançará disco ao vivo no Record Store DayTodas as matérias e notícias sobre "Enslaved"

Metal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Enslaved"

Collectors Room
A coleção de Antônio Carlos Monteiro (o ACM) da Rock Brigade

Slipknot
10 vezes em que Joey Jordison foi um verdadeiro herói

Música Fácil
Três bateras excelentes que você subestima

Iron Maiden: Inspiração da capa do single "El Dorado"O Livro dos Mortos do Rock: vida e morte no Rock And RollGuns N' Roses: ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicasDream Theater: Petrucci comenta influência de David GilmourCreed: suicídio, alcoolismo e abuso na infânciaRock in Rio: a Cidade do Rock que a TV não mostrou, parte 2

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online