Alice in Chains: após o lançamento do aclamado "Dirt"

Resenha - Jar Of Flies - Alice in Chains

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Thiago Pimentel
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Após o lançamento do aclamado e pesado - em vários aspectos - "Dirt" (1992) o "Alice in Chains" seguiu em uma direção contrária no EP "Jar of Flies". Explicando: aqui as canções estão distantes do tradicional e, às vezes, visceral Alice in Chains.
Canal NB: Grunge is dead, a história do "estilo" em vídeoVejaSP: momentos em que Ozzy Osbourne perdeu a noção

As músicas seguem um padrão mais orientado ao formato acústico - posteriormente mais explorado no "MTV Unplugged" (1996), por exemplo - e a experimentalismos no geral. Claro que isso não significa perda de qualidade, afinal a banda sempre demonstrou conforto nesse formato. Basta lembrar que no primeiro EP lançado por eles ("SAP") houve uma boa quantidade de músicas nessa linha.

Apesar de curto (sete faixas) ainda assim temos vários petardos. A experimental "Rotten Apple" introduz o álbum com uma ótima linha de baixo do novato (na banda) Mike Inez - "Jar of Flies" marca a sua estréia - os vocais de Layne anunciam aqui o direcionamento, majoritariamente depressivo e experimental das outras músicas do EP. Mesmo com o passar do tempo "Rotten Apple" continua uma das músicas mais psicodélicas da banda - veja a introdução na guitarra.

A segunda canção ("Nutshell") é uma das melhores da carreira do grupo. Trata-se de uma música muito melancólica cuja letra de autoria do falecido vocalista (Layne Stayle) expressa todo o seu desespero na luta para viver. Nessa altura o uso de drogas o afetava seriamente e tudo isso foi refletido em muitas das músicas do EP. As camadas sonoras criadas pelo baixo de Mike Inez a guitarra de Jerry casa perfeitamente com os vocais de Layne. "Nutshell" ganhou sua versão definitiva no acústico lançado pela MTV, sendo sua versão original - que é ótima - raramente lembrada.

Dois dos maiores hits da banda integram o EP, são eles: "No Excuses" e "I Stay Away". Ambas tiveram clipes com alta rotatividade na MTV. "No Excuses" soa diferente principalmente pelo fato de não ser melancólica e mórbida. Parecendo sarcástica ou um suspiro de alegria, principalmente da parte de Layne. Os vocais duetados marcam essa música de refrão pegajoso. Já "I Stay Away" vai numa direção contrária... soando pertubadora. Possui também a melhor performance de guitarra de Cantrell no EP e tem um bom arranjo no geral.

Ainda integram o álbum a especialíssima vinheta instrumental "Whale and Whasp"; com um simples e belo solo de Cantrell e as duas outras faixas experimentais: "Don't Follow" e "Swing on This". A primeira é uma das mais emocionantes do disco - principalmente pelo seu desfecho - contando até com o uso de gaitas no seu decorrer. Já "Swing on This" que apesar de não ser ruim é a mais fraca do álbum, pende para um lado mais blues.

De acordo com Layne o título e a capa do álbum vieram de um experimento científico que o guitarrista Jerry Cantrell realizou na terceira série: "Eles o deram dois jarros cheios de moscas. Um dos jarros eles superalimentaram, e o outro jarro eles subalimentaram. Aquele que eles superalimentaram floresceu por um tempo, então todas as moscas morreram pela superpopulação. Aquele que eles subalimentaram teve a maior parte de suas moscas sobrevivendo o ano todo. Eu acho que há uma mensagem nisso em algum lugar. Evidentemente esse experimento teve um grande impacto no Jerry."

"Jar of Flies" apesar de ser curto apresenta ótimas músicas, sendo essencial na discografia da banda. Não é a toa que foi o primeiro EP a atingir a primeira posição na parada de álbuns da Billboard. Todas as músicas possuem alma, fica registrado a performance mais dramática de Layne Staley. Curiosamente esse trabalho lembra muito o que mais tarde o vocalista gravaria no supergrupo Mad Season. "Jar of Flies" também exibiu a versatilidade dos músicos da banda, mostrando o quanto o Alice in Chains ia além do rótulo "grunge", e é uma boa pedida para ser introduzido a música da banda.

Músicas-chaves:
Nutshell ; I Stay Away ; Don't Follow

Formação:
Layne Staley - vocais
Jerry Cantrell - guitarras
Mike Inez - baixo
Sean Kinney - bateria

Tracklist:
1. Rotten Apple 06:58
2. Nutshell 04:19
3. I Stay Away 04:14
4. No Excuses 04:15
5. Whale & Wasp 02:37
6. Don't Follow 04:22
7. Swing on This 04:04

Tempo total: 30m49

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Alice in Chains
Comentários sobre turnê de 1996 com o Kiss

Canal NB: Grunge is dead, a história do "estilo" em vídeoAlice in Chains: membros falam sobre o início do movimento grungeRock e Metal: em vídeo, as 10 despedidas mais épicas da históriaAlice In Chains: ouça A Job To Do, nova música de Jerry CantrellTodas as matérias e notícias sobre "Alice In Chains"

Alice In Chains
Análise vocal de Layne Staley

Alice in Chains
Jerry Cantrell, genialidade sem virtuosismo

Alice in Chains
Mensagem subliminar na capa de "The Devil Put Dinosaurs Here"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alice In Chains"

VejaSP
Momentos em que Ozzy Osbourne perdeu a noção

Documentário
Megadeth x Metallica - Conheça as duas versões da história

Metallica
Ultimate Classic Rock elege as 10 piores músicas

Metallica: a capa do "Death Magnetic" lembra uma vagina?João Gordo: meteu a mão na cara do Cazuza por ele ser folgadoIron Maiden: As 10 melhores músicas da atual formaçãoMachine Head: Amps Falsos no Palco - pode isso, Arnaldo?Instrumentos: algumas das guitarras mais doidas já feitasSystem Of a Down: Uma versão alternativa de O Lobo de Wall Street

Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online