Ratos de Porão e Surra: Noite de celebração e protesto

Resenha - Ratos de Porão e Surra (SESC Pompeia, São Paulo, 01/08/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alexandre Veronesi
Enviar Correções  

Agosto já começou em ritmo de festa para os amantes do Crossover e do Hardcore em São Paulo: RATOS DE PORÃO e SURRA, lenda e revelação, criador e criatura, lotaram as dependências do Sesc Pompeia nas 2 primeiras noites do mês, com apresentações marcadas por tons contrastantes de celebração e protesto.

King Diamond: O que significa ser Satanista?

Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidade

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Passados poucos minutos das 21h30, após uma breve introdução mecânica, os santistas do SURRA subiram ao palco para dar início à agressão sonora. O trio, formado por Leeo Mesquita (vocal e guitarra), Guilherme Elias (baixo e vocal) e Victor Miranda (bateria), disponibilizou há alguns meses o seu novo trabalho de estúdio, intitulado "Escorrendo Pelo Ralo", sendo este um de seus shows de lançamento. Ao vivo, a banda justifica a enorme notoriedade que vem obtendo dentro da cena underground nestes últimos anos, com um show conciso e altamente enérgico. O entrosamento entre os músicos é invejável, e os sons, de andamentos muito rápidos (em sua maioria), foram executados com alto nível de precisão. Em pouco mais de 30 minutos de atuação, o grupo despejou pauladas como "Escorrendo Pelo Ralo", "O Mal Que Habita A Terra", "Tamo Na Merda", "Embalado Pra Vender, "Mais Um Refém', "Virou Brasil Pt. 2", "Caso Isolado", "Parabéns Aos Envolvidos" e "7 a 1", todas recebidas com entusiasmo pelo público, que cantou junto e não economizou nos 'circle pits'.

Já o RATOS DE PORÃO é uma banda que dispensa maiores apresentações. Trata-se de uma verdadeira instituição do Metal/Hardcore/Punk brasileiro, com 38 anos de atividades ininterruptas e inabalável prestígio nacional e internacional. Em comemoração aos 30 anos do álbum "Brasil", provavelmente o mais aclamado de sua carreira (e um dos mais importantes da história da música pesada nacional, na opinião deste redator), o grupo formado por João Gordo (vocal), Jão (guitarra), Juninho (baixo) e Boka (bateria) vem, desde o mês de Abril, contemplando seus fãs com a apresentação do clássico na íntegra. O Sesc Pompeia se tornou um verdadeiro pandemônio durante a execução de petardos como "Amazônia Nunca Mais", "Aids, Pop, Repressão", "Lei Do Silêncio", "Beber Até Morrer" e "Plano Furado Pt. 2".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como de praxe, o quarteto entregou uma performance de altíssima qualidade, exatamente da forma que os fãs esperam. João Gordo sempre foi um frontman de presença imponente, e mesmo em processo de recuperação de uma forte pneumonia, cantou / berrou a plenos pulmões, e brincou com a galera, entregando celulares perdidos no 'mosh' aos seus donos. Jão e Juninho fazem a linha de frente e agitam o público, enquanto o pobre kit de bateria de Boka é brutalmente espancado.

Da segunda metade do "Brasil", os destaques ficaram por conta de "Crianças Sem Futuro", "Farsa Nacionalista", "Porcos Sanguinários", "Vida Animal" e "Máquina Militar", esta última 'gentilmente' dedicada ao General Mourão. Aliás, vale citar que não faltaram referências e 'alfinetadas' ao nosso 'digníssimo' presidente Jair Bolsonaro, entre e durante as canções. Ao término do disco homenageado, a banda sai do palco, e a música "Se Gritar Pega Ladrão" (bastante sugestiva, diga-se de passagem), do lendário sambista Bezerra da Silva, passa a rolar nos PAs da casa. Esta foi a deixa para o 'bis', que contou exclusivamente com sons do disco de estréia, de 1984: "Morrer", "F.M.I.", a faixa-título "Crucificados Pelo Sistema" e "Só Pensa Em Matar", com direito a uma pequena 'jam' dos instrumentistas ao final, encerrando assim mais este excelente show do RxDxPx, após cerca de 45 minutos de puro caos.

SETLISTS

RATOS DE PORÃO

01. Amazônia Nunca Mais
02. Retrocesso
03. Aids, Pop, Repressão
04. Lei Do Silêncio
05. S.O.S. País Falido
06. Gil Goma
07. Beber Até Morrer
08. Plano Furado Pt. 2
09. Heroína Suicida
10. Crianças Sem Futuro
11. Farsa Nacionalista
12. Traidor
13. Porcos Sanguinários
14. Vida Animal
15. O Fim
16. Máquina Militar
17. Terra Do Carnaval
18. Herança
Se Gritar Pega Ladrão (Bezerra da Silva) (vinheta)
19. Morrer
20. F.M.I.
21. Crucificados Pelo Sistema
22. Só Pensa Em Matar

SURRA

Intro
01. Escorrendo Pelo Ralo
02. O Mal Que Habita A Terra
03. Do Lacre Ao Lucro
04. Não Escolha
05. Peso Morto
06. Tamo Na Merda
07. Embalado Pra Vender
08. Anestesia
09. Mais Um Refém
Virou Brasil Pt. 1 (vinheta)
10. Virou Brasil Pt. 2
11. Não Entendi
12. Caso Isolado
13. Arquitetos Da Desgraça
14. Madeira E Sangue
15. Cubatrinta
16. Parabéns Aos Envolvidos
17. 7 a 1




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Diamond: O que significa ser Satanista?King Diamond
O que significa ser Satanista?

Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMusas do Metal Nacional
Combo de talento e sensualidade


Sobre Alexandre Veronesi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280