Heaven's Guardian: Uma noite para a história do Metal Nacional

Resenha - Heaven's Guardian (Teatro Goiânia, Goiânia, 01/06/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Henrique de Assis Faria
Enviar correções  |  Ver Acessos

Goiânia foi brindada no último dia 1º de junho com um excelente concerto que uniu Heavy Metal e Música Erudita. A prestigiada banda goianiense Heaven's Guardian gravou seu segundo DVD em parceria com a brilhante Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJG). Esta empreitada comemora os 20 anos de existência do principal nome do Metal em Goiás. Foram mais de duas horas de pura energia sonora e preciosas participações. Este audacioso trabalho cultural é inédito no Brasil e foi inspirado nos consagrados registros anteriores de "Metallica & Orquestra Sinfônica de San Francisco" e "Scorpions e Orquestra Filarmônica de Berlim". Grandes nomes do Metal Brazuca como: Edu Ardanuy (Dr. Sin), Marcello Pompeu (Korzus), Ricardo Confessori (Angra e Shaman) e Alírio Netto (Khallice e Age of Artemis) foram os convidados especiais.

Iron Maiden: a reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no setHit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista

Fotos: Thiago Jesus

O Heaven's se apresentou no tradicional Teatro Goiânia - localizado no Centro da Capital Goiana - para uma plateia superior a 700 pessoas. Carlos Zema retornou ao grupo no qual se projetou para a cena e foi o responsável por levantar o público presente. O frontman cantou sucessos de sua própria autoria dos primeiros CDs "Roll of Thunder", "Strava" e "D.O.L.L", além de dividir os vocais das canções mais novas (Do disco "Signs" de 2016) com a cantora Olívia Bayer.

A primeira parte do show começou a todo vapor e obteve destaque na execução da clássica "Screams of 1964", que foi composta por Zema em referência às torturas que o pai do guitarrista Luiz Maurício sofrera na Ditadura Militar. Imagens de soldados mal-encarados, em contraposição aos manifestantes pedindo anistia e o fim da repressão militar foram providencialmente exibidas nos telões. No final Carlos Zema perguntou - de forma irônica - aos presentes: "Vocês acham que a Ditadura compensou?".

Outros pontos altos destas primeiras músicas vieram com as ricas participações de Alírio Neto e Edu Ardanuy na rápida "Holy Sky" e o cover do Queen, "Show Must Go On". A união de potências vocais de Zema e Netto combinou com a voz lírica e delicada de Bayer. Mestre Ardanuy mandou ver nos arranjos e solos virtuosos, como é de praxe. Sua intervenção com a dupla de guitarrista Luiz Maurício e Ericsson Marin ficou bem harmônica. Alírio não está atualmente no Queen Extravaganza atoa, canta Mercury como poucos no mundo. Grande interpretação dele e dois demais.

Na segunda metade da exibição saliento a balada "Master of Streets", que foi um dos primeiros sucessos do Heaven's. Zema cantou com o coração esta e foi acompanhado em uníssono pelos fãs nas cadeiras do teatro. Outra presença especial foi da lenda do Metal Nacional Marcelo Pompeu, que produziu o último álbum dos caras e cantou com Olívia exatamente a faixa que havia gravado há dois anos: "Silence". A interpretação quase teatral da dupla foi o ponto alto. Pompeu como sempre levantou a galera com sua já peculiar animação de headbanger.

Na décima terceira Ardanuy retornou ao palco e executou - de forma brilhante - riffs e solos do hit oitentista pop "The Best", da grande diva americana Tina Tuner. Neste momento foi a hora de Olivia Bayer brilhar como frontwoman. Além da parte musical de extrema distinção (A combinação Pop, Rock e Erudito sempre dá certo) rolou - ao fundo - um belo clipe com as principais cenas de consagração dos dois maiores esportistas que o Brasil já teve: Pelé e Ayrton Senna.

O grandioso Ardanuy também executou a subsequente "War", que contou ainda com a certeira colaboração de Ericsson no violoncelo. Pra quem não sabe o guitarrista goiano já tocou este instrumento na OSJG por algum tempo. Na bateria, o renomado Ricardo Confessori tocou - com pouquíssimo tempo para ensaios - de forma precisa e segura todas as canções. Graças também à parceria com o competente Murilo Ramos no baixo, o que propiciou que a "cozinha" funcionasse muitíssimo bem. Confessori deixou o posto apenas em duas ("Hope" e "Fighters"), para o atual batera do Heaven's, o jovem Fellipe Rosso. Aliás em "Hope", ressalto o belo solo de violino do solista da OSJG. Incrível como guitarras e violinos conseguem uma sonoridade que casam muito bem. Vide "Dust in The Wind" do Kansas, regravada de forma muito feliz pelo Scorpions. Menção honrosa ao idealizador e compositor de quase todos os arranjos, para todos os instrumentos que a orquestra tocou, o tecladista Everton Marin. O cara escreveu mais de 2 mil páginas de partituras e mandou ver nos solos arpejados de teclado ao vivo. Ele realmente fez a diferença para que tudo saísse conforme planejado.

Para finalizar e consagrar de vez a noite, o Heaven's Guardian tocou, respectivamente em sequência, três sucessos: "Neverland", "Fighters" e "Freedom". A primeira deste trio, "Neverland" é pra mim a melhor da história da banda. Um Power Metal tradicional com muita influência de Helloween, que fora feita há duas décadas. Carlos Zema arrebentou nos agudos desta. A galera presente o acompanhou a todo instante. Posteriormente mandaram "Fighters", Heavy Metal tradicional que todo mundo conhece e gosta. Mais uma que os presentes entoaram junto. E pra fechar tudo com chave de ouro rolou a longa e cadenciada "Freedom". O segundo ato dela trouxe o público pra dentro da sinergia do grupo no palco. Com direito a "invasão" do mascote "Guardião" e tudo. Não poderiam terminar de forma mais qualificada.

O DVD Heaven's Guardian, OSJG & Convidados deve sair no final do ano. Mostrou, uma vez mais, que Goiás não é só terra de Sertanejo. É também lugar de uma das mais competentes representantes do Metal no Brasil. Certamente este registro audiovisual terá ênfase da crítica e fãs de todos país, tão logo quando for lançado. Obrigado Heaven's Guardian por nos proporcionar uma noite inesquecível!

SETLIST

1 - Intro
2 - Dream
3 - Strength
4 - Screams of 1964
5- Holy Sky
6 - Show Must Go On (Versão de sucesso do Queen)
7 - Time
8 - Fantasy
9 - Master of Streets
10 - Hope
11 - Silence
12 - Journey
13 - The Best (Versão do sucesso de Tina Turner)
14 - War
15 - Neverland
16 - Fighters
17 - Freedom

Confira um teaser da gravação do DVD:




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Heavens Guardian"


Iron Maiden: a reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no setIron Maiden
A reação de Bruce Dickinson ao ver músicas da era Blaze no set

Hit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revistaHit Parader
Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o NirvanaVan Halen
O constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Deep Purple: Blackmore e Gillan trocam agressões em vídeo de 93Deep Purple
Blackmore e Gillan trocam agressões em vídeo de 93

The Sun: os dez melhores riffs da história do RockThe Sun
Os dez melhores riffs da história do Rock


Sobre Paulo Henrique de Assis Faria

Paulo Henrique tem 27 anos, é jornalista e mora em Goiânia. Suas especialidades são o jornalismo cultural, sobretudo o jornalismo de rock. Já fez parte do programa de televisão ¨Tribos do Rock¨. Fã assíduo de rock é vocalista de duas bandas goianienses, a Opus Hominis (Power Metal) e Black Griffin (Hard Rock e Heavy Metal).

Mais matérias de Paulo Henrique de Assis Faria no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336