John Mayer: que presente para a plateia do Rio de Janeiro!

Resenha - John Mayer (Jeunesse Arena, Rio de Janeiro, 27/10/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de passar por São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre, John Mayer encerrou sua turnê pelo Brasil na última sexta-feira (27) ao se apresentar na Jeunesse Arena, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, para um devotado e barulhento público, composto predominantemente por pessoas acima de 30 anos.

Separados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. BeanMMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

A abertura do show ficou por conta da dupla mexicana Rodrigo y Gabriela, que subiu ao palco pouco depois do relógio marcar 21h. Eles animaram os fãs por cerca de uma hora com sua competente performance no violão. Apesar das canções não serem cantadas, a plateia reagiu positivamente à apresentação, principalmente durante o cover de "Killing in the Name", do Rage Against the Machine".

Com a Arena já cheia, as luzes se apagaram às 22h38, para delírio dos fãs. O telão mostrava legendas iguais as que vemos em créditos de filmes e as imagens indicavam que o grande astro da noite surgiria em breve. E quando ele finalmente apareceu, com seus óculos vermelhos e roupa folgada, o público urrou.

No palco, acompanhavam Mayer o baixista Pino Palladino e o baterista Steve Jordan, que formam com ele o cultuado John Mayer Trio, além de dois guitarristas, um tecladista e dois backing vocals. Para abrir a apresentação, o cantor, de recém-completados 40 anos, escolheu "Helpless", de seu mais recente álbum, "The Search for Everything", lançado neste ano e que dá nome à tour.

Em seguida, Mayer tocou a empolgante "Why Georgia", fazendo os fãs explodirem. No meio da execução da faixa do disco de estreia "Room for Squares" (2001), ainda teve um trechinho de "No Such Thing", do mesmo trabalho de estúdio. Após o hit "Love on the Weekend", o cantor agradeceu a reação empolgada da plateia com um "obrigado". "Eu nem preciso perguntar se vocês estão se divertindo. Para mim está claro", comentou, causando alvoroço nos fãs. Na sequência, vieram mais duas canções do atual CD do músico de Connecticut: "Rosie" e "Moving on and Getting Over".

Após a etapa inicial do show, Mayer parou para falar com os fãs mais uma vez. "Não acontece toda noite ou em todo show isso que estou sentindo hoje. Canções são apenas canções. São melodias, acordes e letras, mas elas somente ganham sentido verdadeiro quando você recebe essa energia de volta", disse o cantor, visivelmente impressionado. "Vocês estão fazendo cada verso, cada nota que eu canto, parecer a escolha certa para cada uma dessas músicas. Eu não poderia agradecer mais", completou o artista. A plateia, lógico, respondeu ao discurso entusiasmado de seu ídolo com muitos gritos e aplausos.

O show então continuou com o set acústico, aberto com a popular "Daughters", do disco "Heavier Things", de 2003. Mais tarde, se a presença de "Love is a Verb", do álbum "Born and Raised" (2012), no repertório foi uma surpresa para os fãs, a entrada da bela "Split Screen Sadness" no setlist deixou todos boquiabertos e enlouquecidos. A faixa não era executada em turnê desde, pasmem, 2007. Sorte dos cariocas.

Mayer continuou sozinho no palco em "In Your Atmosphere" e em seguida Palladino e Jordan retornaram ao palco para o set dedicado ao John Mayer Trio. Com muitas jams hipnotizantes, eles apresentaram o cover de Robert Johnson, "Cross Road Blues", a suingada "Vultures", do CD "Continuum" (2006), e a versão de "Wait Until Tomorrow", da The Jimmy Hendrix Experience". Ao final do set arrasador, o trio foi reverenciado pelo público.

Novamente com a banda completa, Mayer deu sequência ao show com um set apenas com faixas do "Continuum": "Belief", "I Don't Trust Myself (With Loving You)", "Slow Dancing in a Burning Room", "Stop This Train" e "Waiting on the World to Change", fechando a apresentação com a energia lá em cima. Após algumas dezenas de segundos de apreensão dos fãs, Mayer e cia voltaram ao palco para o bis. A comovente "In the Blood" abriu caminho para a catártica "Gravity", que encerrou o show, às 00h37.

Depois de duas horas de apresentação, Mayer ainda ficou um tempo ali no palco, contemplando aquele momento mágico. Para o público, não bastasse testemunhar o talento de um dos maiores guitarristas da geração atual, John Mayer entregou, definitivamente, o melhor repertório da turnê. Que presente para a plateia do Rio de Janeiro.

Setlist:

1. "Helpless"
2. "Why Georgia"/"No Such Thing"
3. "Love On The Weekend"
4. "Rosie"
5. "Moving On and Getting Over"
6. "Daughters"
7. "Love Is a Verb"
8. "Split Screen Sadness"
9. "In Your Atmosphere"
10. "Cross Road Blues (cover de Robert Johnson)
11. "Vultures"
12. Wait Until Tomorrow (cover de The Jimi Hendrix Experience)
13. "Belief"
14. "I Don't Trust Myself (With Loving You)"
15. "Slow Dancing In A Burning Room"
16. Stop This Train
17. "Waiting On The World To Change"

Bis:

18. "In the Blood"
19. "Gravity"

Comente: Esteve no show? Como foi?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "John Mayer"


Capa: dupla sertaneja paga mico com arte que lembra John MayerCapa
Dupla sertaneja paga mico com arte que lembra John Mayer

Mulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-lasMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Em cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedorasEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras


Separados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. BeanSeparados no nascimento
Ritchie Blackmore e Mr. Bean

MMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy MetalMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

Nirvana: quem é o bebê da capa de Nevermind?Nirvana
Quem é o bebê da capa de Nevermind?

Ozzy Osbourne: o morcego era quente e crocanteOzzy Osbourne
"o morcego era quente e crocante"

Guns N' Roses: a misteriosa cruz egípcia no logotipo da bandaGuns N' Roses
A misteriosa cruz egípcia no logotipo da banda

Metallica: Robert Trujillo conta como substituiu Jason NewstedMetallica
Robert Trujillo conta como substituiu Jason Newsted


Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.

adGooILQ